segunda-feira, 7 de junho de 2010

Glossário da teledramaturgia - Parte 2

DECUPAGEM
A palavra decupar vem do francês découper que significa “cortar em pedaços”. Na prática, é a divisão do roteiro do filme em planos. A decupagem é feita pelo diretor e inclui posições de câmera, lentes a serem usadas, mise en scène, diálogos e duração de cada cena. Consiste na transposição da linguagem de roteiro para a linguagem da imagem.

DECUPAGEM DE PRODUÇÃO
Detalhamento das necessidades de produção para realizar o filme.

DECURSO DA AÇÃO
Conjunto de acontecimentos relacionados entre si por conflitos que se vão resolvendo ao longo da história.

DESFOCAR
A câmera altera o objeto focado.

DESPRODUÇÃO
Etapa que acontece logo depois de qualquer filmagem. Consiste na devolução de todo o material utilizado nas filmagens e também na devolução das locações a seus proprietários em perfeito estado.

DIÁLOGO
Conversa entre dois ou mais personagens. Num roteiro são escritos diálogos, rubricas e cabeçalhos.

DOLLY
Carrinho que transporta a câmera e o operador e que permite a realização fluída de movimentos de câmera.

DOLLY BACK
Movimento de câmera. A câmera se distancia do objeto filmado.

DOLLY IN
Movimento de câmera. A câmera se aproxima do objeto filmado.


DOLLY OUT
A câmera retrocede e abandona o objeto.


DOLLY SHOT
Movimento de câmera caracterizado por se aproximar e se afastar do objeto e também por movimentos verticais.

DRAMATURGIA
Termo utilizado para designar a narrativa dramática. A história não é contada para o público, mas o público acompanha o desenvolvimento da história através das ações dos personagens (normalmente interpretados por atores).

DUBLAGEM
Inclusão do diálogo sobre uma cena anteriormente gravada. A gravação dos diálogos para uma dublagem normalmente é feita num estúdio de som, depois de realizada a filmagem.

EIXO
O eixo é uma linha imaginária que estabelece a relação de olhar entre dois personagens em cena e/ou a direção (esquerda ou direita do quadro) para onde acontece uma ação. Na transmissão de uma partida de futebol, por exemplo, é estabelecido um eixo na transmissão (as câmeras são posicionadas de um lado do campo). Caso essas câmeras sejam invertidas e passem a transmitir o jogo do outro lado do campo, o espectador ficará confuso, pois o mesmo time, como por mágica, começa a atacar para o lado invertido da tela da TV. No cinema o princípio é o mesmo. É importante manter o eixo na movimentação dos personagens e nos diálogos. No caso dos diálogos existe uma importante relação de olhar entre os personagens que conversam. Manter o eixo, nesse caso, é manter a relação de olhar, assegurar-se de que cada personagem olhe para o lado da tela correspondente à posição do outro personagem. Quebrar o eixo significa modificar o sentido do movimento e/ ou do olhar de um personagem e desorientar o espectador. Em algumas propostas quebrar o eixo pode ser bastante interessante.


ELENCO
Conjunto de pessoas (atores, atrizes, figurantes) selecionados para uma produção, que representam as personagens e fazem a figuração de um filme.


ELIPSE
Passagem de tempo. Exemplo: Em uma cena o personagem entra em seu escritório. Há um corte e na próxima cena o personagem já está sentado em sua mesa, falando ao telefone.

EMPATIA
Identificação do público com a personagem.

ENCADEADO
Fusão de duas imagens, uma sobrepondo-se à outra.

ENQUADRAMENTO
Imagem que aparece dentro dos limites do quadro (laterais, superior e inferior). Imagem que se vê no visor da câmera.

EPÍLOGO
Cenas de resolução.

ESFUMAR
A imagem dissolve-se na cor branca ou funde-se com outra.

ESPELHO
Página do roteiro onde se anotam os dados sobre personagens, cenários, localizações etc.

ESTRUTURA
Fragmentação do argumento em cenas; esqueleto da sequência das cenas.

ESTÚDIO
Lugar construído e preparado para a realização de filmagens ou local com isolamento acústico e equipamentos para realizar a gravação de sons.


ESTRELA
Dispositivo que mantém a firmeza das pernas de um tripé.


ETHOS
Ética, moral da história narrada.

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS
Cenas explicativas, de informação.


EXTERIOR
Termo utilizado para definir o ambiente em que se passa uma cena. Nesse caso, a cena acontece num local externo. Utiliza-se normalmente a abreviação Ext.


EXTERNAS
Cenas filmadas nas praças, ruas, parques, campos, estádios, rodovias, enfim, ao ar livre.

EXTRAS
São os figurantes de um filme: pessoas contratadas para desempenhar papéis secundários, como os componentes de uma multidão.

FADE IN
Aparecimento gradual de uma imagem a partir de uma tela escura ou clara. Pode ser utilizado no início de um filme e/ou como transição de uma cena para outra.

FADE OUT
Escurecimento ou clareamento gradual de uma imagem, até que ela desapareça. Pode ser utilizado no final de um filme e/ou como transição de uma cena para outra.

FENACISTOSCÓPIO
Inventado em 1832 por Joseph-Antoine Ferdinand Plateau. Era um aparelho formado por um disco dentado com um objeto desenhado em posições levemente diferentes. Ao girar o disco em frente a um espelho, faz com que a imagem adquira o movimento. Plateau é o primeiro a medir o tempo da persistência retiniana. Calcula que para a ilusão de movimento, é necessário que se as imagens se sucedam à razão de um décimo de segundo.

FESTIVAIS DE CINEMA
Eventos realizados periodicamente em diversas cidades do mundo, onde são exibidas obras audiovisuais. Normalmente, além de exibidos, os filmes competem entre si pelos prêmios oferecidos pelo festival. Cada festival determina os formatos aceitos (vídeo, películas, digital, etc.) e a duração (curtas, médias ou longas metragens) dos filmes. Além disso, muitos também são temáticos. Exemplo: Festival de Cannes (França), Festival de Brasília (Brasil), Festival de Gramado (Brasil).

FICÇÃO
Inventar, compor e imaginar. Recriar a realidade.

FIGURANTES
Pessoas/atores que apenas figuram no filme ou telenovela. Podem ser as pessoas que aparecem na fila de um banco, na rua, em uma festa.

FIGURINISTA
Membro da equipe de arte responsável pelo figurino.

FIGURINO
Conjunto de roupas e acessórios utilizado pelos atores e figurantes para a caracterização dos personagens na obra audiovisual.


FILTRO
Material translúcido utilizado pelo diretor de fotografia na lente da câmera com o intuito de modificar a cor e a intensidade da luz a ser captada.


FLASHBACK
Cena que revela algum fato ocorrido no passado, tendo como referência o tempo presente em que acontece a ação numa narrativa.

FLASH-FOWARD
Cena que revela algum fato que acontecerá no futuro, tendo como referência o tempo presente em que acontece a narrativa.

FOCO
Uma imagem está em foco quando aparece em sua completa nitidez, com seus contornos bem definidos.

FONÓGRAFO
Inventado por Thomas Edison em 1877. O aparelho movido à manivela tinha um cilindro coberto por papel alumínio, onde era registrado o som. Uma agulha fazia a leitura do cilindro e o som era reproduzido através de um bocal.

FOQUISTA
É o responsável pela medição e controle do foco nas lentes da câmera.


FORA DE QUADRO
Está fora de quadro qualquer ação que acontece fora dos limites do enquadramento. Naturalmente, o que acontece fora de quadro não pode ser visto pelo espectador. Apenas sugerido ou ouvido.


FOTOGRAFIA ANIMADA
Inventada em 1870 por Henry Renno Neyl. O espetáculo de fotografia animada utilizava uma Lanterna Mágica de Kircher, com um disco de dezoito aberturas.

FOTÔMETRO
Aparelho que mede a intensidade de luz que incide em determinado local utilizado pelo fotógrafo para adequar as necessidades específicas da câmara com as necessidades do filme.

FREEZE
Congelado. Manter uma mesma imagem por repetição do quadro. Congelar a imagem.

FUNÇÃO DRAMÁTICA
Quando o objetivo dramático de uma cena se converte em realidade.


FUSÃO
Aparecimento gradual de um novo plano e desaparecimento gradual do plano anterior. Por um breve momento os dois planos se confundem. É uma forma de transição.



FUZIL FOTOGRÁFICO
Inventado em 1878 por Étienne-Jules Marey. Consistia em um tambor forrado com uma chapa fotográfica circular que permitia a fotografia em série.

Glossário da teledramaturgia - Parte 1

O glossário a seguir fornece alguns termos e definições utilizados, frequentemente, no meio televisivo e cinematográfico em relação à teledramaturgia.



AÇÃO
Todo tipo de movimento que acontece diante da câmera. Termo mais utilizado por diretores para dar início à movimentação dos atores em uma filmagem.



AÇÃO DIRETA
Roteiro que obedece à ordem cronológica.


AÇÃO DRAMÁTICA
Soma da vontade da personagem, da decisão e da mudança.


ADAPTAÇÃO
Passagem de uma linguagem artística para outra, como adaptação de um romance (linguagem literária) para o cinema ou televisão (linguagem audiovisual).


ANÁLISE TÉCNICA
Relatório resultante de uma análise detalhada do roteiro, normalmente elaborado pelo assistente de direção da obra audiovisual. É também a denominação que recebe a reunião em que participam todos os chefes de equipe para conhecer profundamente o roteiro e discutir o que será necessário para a realização de cada cena.

ÂNGULO ALTO
Enquadramento da imagem com a câmara focalizando a pessoa ou o objeto de cima para baixo.

ÂNGULO BAIXO
Enquadramento da imagem com a câmara focalizando a pessoa ou o objeto de baixo para cima.


ÂNGULO PLANO
Ângulo que apresenta as pessoas ou objetos filmados num plano horizontal em relação à posição da câmara.


ANTECIPAÇÃO
Capacidade de antecipar uma situação. Criação de uma expectativa.

ANTIPATIA
Reação ao personagem.

ARGUMENTO
Texto corrido em linguagem literária que conta, com detalhes, toda a história do filme ou novela, normalmente o argumento é desenvolvido antes do roteiro.

ASSISTENTE DE ARTE
Profissional que trabalha diretamente para o diretor de arte.

ASSISTENTE DE CÂMERA
Profissional da equipe de fotografia que realiza funções técnicas diretamente relacionadas à câmera.

ÁUDIO
Parte sonora de um filme ou programa.


BATER O BRANCO
Recurso da câmera digital utilizado para balancear corretamente a luz de acordo com a cor e a iluminação que incide no local onde será realizada a filmagem.


BITOLA
Medida da largura da película cinematográfica (8mm, 16mm, 35mm, 70mm). A largura da película determina o tamanho das imagens do filme na tela durante a sua exibição. Também usado para o vídeo (VHS, Beta, MiniDV, etc.)

BOOM
Haste para deixar o microfone suspenso.

CABEÇALHO
Elemento da escrita do roteiro. É utilizado para introduzir cada uma das cenas do roteiro e tem a função de informar o local (interno ou externo) e o período do em que elas acontecem (dia, manhã, tarde, noite, etc.) Exemplo: Int. Quarto de Edivaldo – Dia.

CÂMERA DE CINEMA
Câmera para captação de imagens em movimento que utiliza rolos de filmes em película (8mm, 16mm, 35mm, 70mm).

CÂMERA DIGITAL
Câmera que utiliza processo digital para captação das imagens em movimento (mini DV, DV CAM, HIGH 8, HD, DVD, cartões de memória).

CÂMERA OBJETIVA
Posicionamento da câmera que capta a imagem de um ponto de vista mais externo à ação. Simula o ponto de vista do público.

CÂMERA SUBJETIVA
Câmera que simula o olhar de um personagem. É mais participante da ação que acontece na cena.

CAPA
Folha do roteiro que contém o título, nome do autor etc.

CASTlNG
Formação do elenco. Ver elenco.

CENA
Unidade de lugar e de tempo na narrativa dramática. Uma ou mais ações que se desenvolvem sem saltos de tempo, num mesmo lugar, constituem uma cena.

CENA MASTER
É a filmagem em um único plano de toda a ação contínua dentro do cenário. A cena master dá ao diretor a garantia dele ter "coberto" toda a ação numa só tomada.

CENAS DO PRÓXIMO CAPÍTULO
Pistas, indícios do que está para acontecer, pequenas revelações do encaminhamento da ação. Essas pequenas insinuações constituem verdadeiro trunfo das emissoras de TV, pois servem para prender o telespectador à narrativa. O recurso foi ignorado na década de 60 e o seu aproveitamento iniciou-se na década de 70, sendo novamente abandonado nos anos 90. Os antigos folhetins costumavam, também, insinuar o que estava para acontecer, ao suspenderem a narração escrita.

CENOGRAFIA
Técnica de criar e construir os cenários.


CENOTÉCNICO
Profissional responsável pela construção dos cenários.


CHICOTE
Câmara corre lateralmente durante a filmagem de uma determinada cena, deslocando rapidamente a imagem.

CINECLUBES
Salas de exibição de obras audiovisuais de caráter não comercial, com programação alternativa às salas do grande circuito.

CINEMATÓGRAFO
A partir do aperfeiçoamento do Cinetoscópio de Edison, os irmãos Auguste e Louis Lumière idealizam o cinematógrafo, em 1895. O invento permitiu projetar imagens ampliadas numa tela, para vários espectadores ao mesmo tempo. Assim nasceu o cinema.

CINETOSCÓPIO
Inventado em 1890 por Thomas Edison e William Kennedy Dickson. O aparelho utilizava um filme de celulóide perfurado que era exibido no interior da máquina acionada à manivela. Em 1892, Edison funda nos Estados Unidos a Kinetoscop's Company. Em 1893, constrói o primeiro estúdio de cinema, o Black Maria, em New Jersey, e roda uma série de pequenos filmes. Em 1894, a exploração comercial do seu invento é um negócio próspero, atraindo multidões. Na França, Charles Pathé, e Antoine Lumière também compram estes aparelhos.

CLAQUETE
Dispositivo que tem a função de registrar cada take de cada cena filmada. A claquete é colocada diante da câmera com algumas informações escritas: número da cena, número do plano, número do take, informações de câmera, etc. Além disso, a batida da claquete produz um som que auxilia no sincronismo entre som e imagem do filme. É um instrumento fundamental para garantir um bom trabalho na montagem do filme ou telenovela.

CLICHÊ
Cacoetes verbais. Uso repetitivo e enfadonho de diálogos e soluções cênicas em qualquer tipo de produção artística.

CLÍMAX
É o momento alto do filme ou telenovela. Exemplo: o vilão morre, o heroi se casa.

CLOSE-UP
Plano que mostra o rosto de uma personagem.

COADJUVANTE
Atores que fazem desde segundos papéis até pequenos papéis. Também chamados de atores de composição.

COMPOSIÇÃO
Características psicológicas, físicas e sociais que definem uma personagem. (Composição da personagem, tipologia.)

CONTRARREGRA
Membro da equipe de arte responsável pelos objetos de cena no set de filmagem.

CONFLITO
Todo fator, de natureza interna ou externa, que dificulta a trajetória dos personagens numa história. Tudo o que se impõe como barreira para os personagens alcançarem seus objetivos.

CONTINUIDADE
Relação entre os elementos que compõe as cenas de maneira lógica para que se torne crível a narrativa. Exemplo: Em um plano a personagem acende um cigarro. No próximo, caso não haja passagem de tempo, é necessário que o cigarro esteja do mesmo tamanho.

CONTRA-PLANO
Tomada efetuada com a câmera na direção oposta à posição da tomada anterior. É muito utilizado na filmagem de diálogos.

CONTRA-PLONGÉE
O inverso da plongée. A cena é mostrada de baixo para cima.

CONTRASTE
Criação de diferenças explícitas referentes à iluminação de objetos ou zonas.

CORTE FINAL
Última versão da montagem do filme.

CORTE LARGO
É uma versão mais longa do filme, feita pelo montador. A partir dela o montador retira os excessos e faz os ajustes para chegar ao corte final.

CORTE SECO
Passagem direta de um plano para outro, sem o uso de efeitos de transição como fade in, fade out ou fusão.

CRÉDITOS
Relação das pessoas físicas e jurídicas que participaram ou contribuíram para a realização de um produto audiovisual. Geralmente mostrados no início e no final da produção.

CRISE DRAMÁTICA
Ponto de grande intensidade e mudanças da ação dramática.

CRONOFOTOGRAFIA
Inventada em 1887 por Étienne-Jules Marey. Era a técnica gráfica da fixação por fotografias de várias fases de um corpo em movimento, como o andar do homem ou vôo dos pássaros.

CURTA-METRAGEM
Normalmente é um filme com duração máxima de 30 minutos. A Ancine, algumas mostras, festivais e editais consideram o curta-metragem como um filme de duração igual ou inferior a 15 minutos.


CURVA DRAMÁTICA
Variação da intensidade dramática em relação ao tempo.

domingo, 6 de junho de 2010

A despedida de Mario Cimarro


Após meses de conflitos com Mario Cimarro, o ator foi despedido da telenovela Mar de amor, uma produção da Televisa, assim confirmou Nathalie Lartilleux, produtora do melodrama.

"Ontem tive que tirar Mario", disse a produtora em 31 de maio passado. O cubano foi expulso da telenovela justamente quando se gravavam as cenas finais. "Não compareceu para gravar no sábado, nem no domingo, sendo que atores como Ignacio López Tarso, gente de primeira, veio gravar, e ele deixou o projeto abandonado; havia 40 cenas para gravação hoje e tomei essa decisão porque, nas últimas vezes, já se via que ele gravava sem vontade, como criancinha, e acredito que foi tomada a decisão correta", disse Nathalie Lartilleux que também confirmou que há alguns meses já se respirava em um ambiente de tensão dentro da produção de Mar de amor, devido às intrigas que Cimarro causava com a equipe de produção e com os atores.

"Sempre tivemos muita paciência para suportá-lo com sua falta de vontade: 'tenho que estar aqui porque tenho que estar aqui', e com sua falta de respeito com todos. Disse-lhe que já não era necessário que se apresentasse. Tomei essa decisão porque já estava insuportável", contou a produtora.

O final de Mar de amor com as personagens Estrella Marina e Victor Manuel será exibido em 02 de julho às 19h00 pelo Canal de las estrellas e Nathalie comentou: "Já tenho um final, não como gostaria, mas preferi tomar esta decisão e passar os restante das cenas à Juan Ferrara, Ignacio López Tarso e Zuria. Com relação ao casamento e a tudo que tinha gravado nestas últimas semanas ele não mostrou vontade como se não tivesse sido seu final", acrescenta.

Nas últimas semanas de gravação, Nathalie informou que Cimarro já não atuava, dizia suas falas com falta de vontade. "Nesse momento não pensei que seria necessário substituí-lo porque tinha Arturo Carmona e Marcelo Córdoba, que também têm peso importante na história", comenta a produtora.

O ator de Mar de amor foi despedido da telenovela após protagonizar várias controvérsias com as atrizes do melodrama. Mario continua somando pontos negativos à sua reputação, de fato já não se dizia nada bom sobre ele há algum tempo. Primeiro foi a notícia de seus problemas com Ninel Conde, que o acusou de agressão física e verbal. Após o ocorrido, foi dito que, em uma cena, ele não queria beijar Zuria Vega, o que atrasou a gravação, e, mais recentemente, alguns meios mexicanos pubicaram que o ator fez algumas gravações para o final da telenovela e, pensando que já havia terminado, tomou um avião e foi embora do México; quando a produção o procurou para ajustar alguns detalhes, se deu conta de que ele já não estava no país.

Também se comentou que após sua despedida da Telemundo, Mario recebeu ofertas de trabalho da Venevisión, mas finalmente assinou com a Televisa, porém agora as produtoras pensarão muito antes de lhe dar trabaho para uma próxima telenovela.

Mario falou sobre as acusações da produtora Nathalie Lartilleux, dizendo ser a vítima e assegurando ser alvo de uma campanha de difamação. "É mais uma forma de demonstrar quem são as pessoas que me contrataram: pessoas sem escrúpulos, sem princípios nem ética profissional, porque tudo o que estão dizendo é mentira, absolutamente mentira; assim como usaram imagens da telenovela em várias ocasiões para inventar e dizer que eu fiz o que não devia, desvalorizando a história, montaram uma campanha de difamação de muito mal gosto, demonstrando quem são na realidade e o que têm por dentro", declarou o ator.

O ator cubano do melodrama Mar de amor, disse ainda que tem a consciência tranquila e que ninguém o havia despedido de nenhum lugar, no entanto, a produção deu a conhecer que não esteve nas últimas gravações de sexta a segunda. "Teminei absolutamente tudo, até o último capítulo, não posso dizer nada mais. Me despeço sabendo que cumpri e fiz um personagem (Victor Manuel) muito humano", respondeu.

O protagonista da telenovela deixou claro que, mesmo com o ocorrido, tem vontade de voltar a trabalhar no México, que obviamente também é seu país. "O México não pertence à Nathalie Lartilleux nem a seu ninho de ratos", declarou.


Colaboração: Gaceta, Dulce Paraíso

TV Brasil apresenta Solas

A TV Brasil exibe neste domingo, 06 de maio, às 23h00, o filme espanhol Solas, produzido por Antonio P. Pérez sob a direção e roteiro de Benito Zambrano. O filme, gravado em 1999, conta, em 95 minutos, o transcorrer do breve tempo em que Rosa (María Galiana), passa na casa de sua filha María (Ana Fernández), ao chegar na cidade de Sevilla, deixando seu marido (Paco de Osca) hospitalizado.

María vive num pequeno apartamento de um bairro pobre e conflituoso. Eventualmente, realiza trabalhos domésticos para fora, já que, aos seus trinta e cinco anos de idade e com pouca educação, é socialmente desprezada. Por isso, no mercado das relações humanas, somente é capaz de se relacionar com um caminhoneiro que a engravida, porém que não a ama e não assume sua gravidez, restando à María como única companhia a bebida.

Rosa, sua mãe, sempre desperdiçou sua vida junto a um homem que sempre confundiu as carícias com as bofetadas. Ao chegar à casa de sua filha, Rosa passa a ser um estorvo, já que, por ser do tipo velha rabugenta, incomoda com o simples fato de sua presença, sem contar suas conversas. Tudo o que diz é dado como interferência na vida de María. A solução é ignorar sua presença, já que nada do que sabe ou diz é interessante, torna-se simplesmente um zero à esquerda.

Porém, mãe e filha têm algo em comum: a solidão. Seja no povoado ou na cidade, nenhuma das duas têm valor social. Como mulheres, uma acabada pela idade, e a outra passada da juventude, não têm nada a contribuir para com os demais. Não podem dar nada à sociedade, que é egoísta e centrada somente em bens materiais, onde tudo é relativo e intercambiável. Porém, às vezes, ambas têm algo mais que compartilhar: seus sentimentos e valores humanos: têm um conhecimento da vida e das pessoas. Este conhecimento pode ser compartilhado, mesmo não tendo nenhum valor econômico.

Rosa, passará a conhecer os diferentes problemas de sua filha, ao mesmo tempo em que trava uma amizade com um solitário e amável vizinho chamado Emilio (Carlos Alvarez Novoa), um velho viúvo que desfruta de seus últimos anos de vida junto de seu cachorro Aquiles. Ele também está sozinho, restando aos três somarem suas solidões, dando, assim, uma oportunidade de esperança.

Rosa se esforçará para cuidar, com o pouco que sabe, de sua filha; de seu marido no hospital, durante o dia e, inclusive, do vizinho. A atitude paciente, amorosa e discreta da mãe amolecerá o coração endurecido de sua filha, avivará as ilusões do vizinho e deixará uma estrela de esperança, dando a todos uma lição magistral de convivência e de humildade.

Benito Zambrano consegue concluir sua obra com um final distinto do qual qualquer espectador poderia ter imaginado. Tudo se conclui com uma cena final onde a morte não parece tão escura como se pode parecer, inclusive chegando a parecer plácida e tranquilizadora, enquanto que a vida aparece pela primeira vez como uma luz no fim do túnel na vida das protagonistas. E essa vida é encarnada por Rosa, a filha que nasce de María e recebe o nome da falecida avó.

Rosa aparece para María, assustada e desorientada, como uma revelação, e a libera de tudo aquilo que antes a havia restringido, de sua própria necessidade de viver limitada, de seu medo de se adentrar no mundo em que vive, realizar seus desejos e encontrar uma finalidade em sua vida.

Esse grande filme de Benito Zambrano assombra por sua sincera sensibilidade e mestria na captação e transmissão emocional. Zambrano utiliza sua primeira obra como longa-metragem para render tributo à geração do pós-guerra, marcada pelas penúrias econômicas e pela desigualdade social. Dentro dessa geração, destaca, em especial, a figura da mãe, sustento calado e abnegado da estabilidade familiar, em muitos casos vítimas silenciadas em uma infelicidade matrimonial, sofredoras em uma época marcada de atitudes machistas.

As belas imagens que servem para ilustrar este simples filme de crítica social, se encontram acariciadas por um realismo poético que impregna valiosamente boa parte do filme, enaltecendo, ainda mais, os temas que o diretor maneja: a solidão, a velhice, a falta de comunicação, o destino, a amizade, a desprendida generosidade materna, o ciclo vital ou os problemas sociais e materiais, tangidos por um tom triste e melancólico que se torna um aflito, porém otimista, final.

Essa obra prima de Zambrano estreou desapercebida pelo ano de 1999, porém conseguiu se manter durante mais de um ano em exibição nas salas espanholas. Com um elenco vindo, em sua maioria do teatro, essa obra cativou o público e a critica, por seu roteiro, qualidade e personagens, ganhando cinco prêmios na XIV edição do Goya: Direção (Benito Zambrano), Roteiro original (Benito Zambrano), Intérprete feminina (María Galiana), Atriz revelação (Ana Fernández) e Ator revelação (Carlos Álvarez), além de ter colhido diversos prêmios em Berlim, Tóquio, entre outros festivais.

A corazón abierto se internacionaliza


A corazón abierto, versão colombiana da série americana Grey’s anatomy, em formato de telenovela, realizada por Vista Productions, que o canal RCN estreou em 26 de abril, já começou a ser vendida para canais internacionais.

A rede de televisão Venevisión, da Venezuela, já começou a exibi-la, visto que neste país as produções colombianas têm boa receptividade. Nos Estados Unidos, os espectadores também poderão ver a série através do canal Telemundo.

Esta produção conta, através de interessantes histórias médicas, a vida e as emoções que vivem os médicos em um hospital.

A história de A corazón abierto começa quando a aspirante à cirurgiã, Maria Alejandra Rivas (Verónica Orozco), é admitida ao programa para internos de um prestigioso hospital. Filha de uma famosa cirurgiã, a jovem carrega consigo a responsabilidade que lhe outorga o sobrenome.

O grupo de novos médicos do hospital se tonará seu amigo e sua família. A vida de María Alejandra toma um rumo inesperado ao conhecer Andrés Guerra (Rafael Novoa), um dos melhores cirurgiões do hospital. O desejo de estar juntos será a permanente tentação que colocará por um triz a decadência de suas carreiras.

Mesmo assim, o casal se deixa levar pelo sentimento que nasce entre eles e se entregam a uma relação, que se verá abalada quando Alicia Durán (Carolina Gómez), esposa de Andrés, regressar para recuperar seu casamento. Por ser uma excelente profissional, para Alicia não custa nenhum sacrifício formar parte da equipe médica do hospital, porém, sua chegada será outro obstáculo para María Alejandra e Andrés. Por outro lado, se incorpora à equipe de médicos, Mauricio Hernández (Jorge Enrique Abello), que fará parte de um verdadeiro quadrado amoroso, onde todos conhecem as verdades.

A corazón abierto, gravada em alta definição, conta com a supervisão geral de Fernando Gaitán, escritor da exitosa telenovela Betty, a feia.

A versão original da série, Grey’s anatomy, reestreou, sexta-feira, dia 04 de junho no SBT. Essa é a segunda vez que a emissora de Silvio Santos exibe a série. Na primeira vez, foram exibidas as três primeiras temporadas. Na época, a série estreou nas noites de quinta, às 23h00, e conseguiu 10 pontos de média, com pico de 17. Agora, o canal passa a exibi-la novamente desde o primeiro episódio da primeira temporada de segunda à sexta, sempre às 21h15, substituindo O exterminador do futuro.

Feridas de amor


NOME ORIGINAL
Heridas de amor

ESCRITORES
Enrique Jimenez, Guillermo Quesada e María Auxilio Salado (Baseados na obra de Nora Alemán)

PRODUTOR
Roberto Hernández Vázquez

PAÍS DE ORIGEM
México

NÚMERO DE EPISÓDIOS
100

ANO DE GRAVAÇÃO
2006

ANO DE ESTREIA NO BRASIL
2006

EMISSORA
SBT

TEMA DE ABERTURA
Heridas de amor

INTÉRPRETE
Ricardo Montaner

Pasa el amor, pasa el dolor y pasa la amargura,
pasa lo que inquieta, pasa el tren a veces y a veces no pasa.
Pasa que te cuento todo,
porque a veces pasa que no digo nada
y luego se te olvida que te quiero tanto
el tanto se te pasa.

A veces pasa que agendamos las tristezas,
pasamos cursos de infelicidad con diez.

Aquí huele a pena que mata y golpea,
sin pena ni gloria se muere el amor.
Aquí huele a llanto, del llanto que moja
paredes del cielo y orillas del mar.

Aquí huele a pena que mata y golpea
sin pena ni gloria y heridas de amor.

Pasa que estaba esperando
siéntate a mi lado haber si se te pasa,
hay tanto frió afuera
y aquí adentro el ánimo se nos congela.

Pasa que te cuento todo
porque a veces pasa que no digo nada,
y luego se te olvidó que te quiero tanto,
y el tanto se te pasa.

A veces pasa que agendamos las tristezas,
pasamos cursos de infelicidad con diez.

Aquí huele a pena que mata y golpea,
sin pena ni gloria se muere el amor.
Aquí huele a llanto, de llanto que moja
paredes del cielo y orillas del mar.

Aquí huele a pena que mata y golpea,
sin pena ni gloria se muere el amor.
Aquí huele a llanto, del llanto que moja
paredes del cielo y orillas del mar.

Aquí huele a pena que mata y golpea
sin pena ni gloria se muere el amor.
Aquí huele a llanto, del llanto que moja
paredes del cielo y orillas del mar.

Aquí huele a pena que mata y golpea
sin pena ni gloria, hay heridas de amor.

Heridas de amor.


ELENCO

Jacqueline Bracamontes: Miranda San Llorente

Guy Ecker: Alessandro Luque

Diana Bracho: Bertha de Aragão

Sergio Sendel: César Beltrán

José Luis Reséndez: Fabrício Beltrán Campuzano

Enrique Lizalde: Gonçalo San Llorente

Karla Álvarez: Florência San Llorente

Ingrid Martz: Renata San Llorente

Nuria Bages: Fernanda de Aragão

Beatriz Moreno: Amparo Jiménez

José Elías Moreno: Francisco Jiménez

Ernesto D'Alessio: Juan Jiménez García

Susana González: Liliana López Reyna

Antonio Mora: Joel Jiménez

Rodrigo Tejeda: Raul Jimenez

Rosangela Balbó: Rebeca Campuzano

Grettell Valdéz: Pâmela Altamirano

Lourdes Munguía: Daira Lemmans

Luis Couturier: Julio Bustamante

María Prado: Tomassia Aguirre

Jan: Luciano Sartori

Pablo Bracho: Luis Alberto Campos

Haydeé Navarra: Carola Molinar

Vanessa Arias: Nuria Gómez

Susy-Lú: Verônica Ontiveros

Paola Riquelme: Erica Duarte

Lina Durán: Andrea Villamil

Franz Miguel Cossio: Ângelo Bustamante

Marcelo Córdoba: Daniel Bustamante

Hugo Macías: Santiago Boaventura

Carlos Pérez: Sansão

Francisco Vázquez: Chaquiras

Alicia Delgado: Naty

Margdaleno Trujillo: Gabino


INTRODUÇÃO

Liderada pelo brasileiro Guy Ecker e a bela Jacqueline Bracamontes, essa novela trata-se de uma versão livre da história original de Nora Alemán e que fez um estrondoso sucesso na década de 90 no México sob o título de Valéria e Maximiliano, e que no Brasil, foi apresentada pela TV Manchete em 1995.


RESUMO

Miranda San Llorente é uma jovem moderna, firme e decidida, que tem tudo na vida: Beleza, dinheiro e nobreza. Seu pai, Gonçalo San Llorente é um homem poderoso, e que há anos, vem perseguindo a mãe das meninas, Fernanda, por ela ter sido infiel a ele. E também, faz as filhas acreditarem que a mãe está morta. O que Gonçalo ignora, é que tudo isso foi um plano de sua cunhada, a cruel Bertha, uma mulher hipócrita, e que consegue enganar a todos, menos Miranda.

Gonçalo deposita em Miranda todas as suas esperanças, já que, das suas três filhas, é a que mais se parece a ele no carácter e decisião. Florência, a mais velha, sofre de um mal cardíaco que vai matá-la, e a mais nova, Renata, é uma adolescente imatura e caprichosa.

Miranda tem preparado o seu casamento para quando chegue o seu prometido, Fabrício Beltrán, que terminou o doutoramento na Alemanha. O que Miranda não sabe é que Fabrício vem para se casar, mas não com ela, e sim com sua irmã, Florência.

Bertha de Aragão, tia materna de Miranda, ajudou a que entre Fabrício e Florência surgisse um amor para magoar Miranda, a qual nunca acreditou na sua falsa bondade e honestidade. Bertha, vê ainda em Miranda a mulher que mais odeia, a sua própria irmã, Fernanda de Aragão.
Fabrício regressa acompanhado pelo seu amigo Alessandro Luque, que deseja vingar-se de Gonçalo por pensar que este assassinou o seu pai.

O conflito de Alessandro será terrível quando conhecer Miranda, que vai despertar pela primeira vez nele o amor, que se contrapõe aos seus desejos de vingança. Por seu lado, Miranda sente uma atração inexplicável por ele, o que provocará uma relação de amor e ódio da qual ambos sairão magoados.

Os negócios de Gonçalo afundam-se devido à má gerência de César, irmão de Fabrício e cúmplice de Bertha. Gonçalo é enviado para a prisão e Miranda deve recuperar não apenas a fortuna, como a sua família completa, incluindo a sua mãe, que saiu da vida da família devido às intrigas de Bertha. Para além disso, Miranda e Alessandro terão que superar os obstáculos que entre entre eles vão surgir. César, que também a ama, e Bertha, que se apaixona por Alessandro desde o primeiro momento.

Nesta luta de sentimentos e paixões, de orgulho e poder, tanto Miranda como Alessandro descobrirão que somente quem as produz, pode curar as “feridas de amor”.


CURIOSIDADES

Produzida por Roberto Hernández, responsável por novelas como Tres Mujeres e Corazones al Limite, a novela marca o regresso as novelas do astro Guy Ecker, que não fazia novelas desde 2001, quando participou do sucesso Salomé.

É também a primeira oportunidade estelar a Jacqueline Bracamontes, até então, marcada por sua personagem Maribel, em Rubi. Vale comentar que a primeira pensada para o papel foi Aracely Arámbula, que declinou do convite, dando a chance para Jacqueline.
No Brasil, a novela tornou-se um verdadeiro fracasso. No ínicio, em agosto, chegou a médias de 7 pontos, chegando a picos de 9. Mas aos poucos, a audiência foi baixando até chegar aos pífios 4 pontos, subindo para os 6 na sua reta final.

Vale comentar que o SBT chegou a apresentar 5h horas de novelas em 25 minutos!

Sua pior média de audiência foi conseguida no capítulo 77 exibido em 28 de Novembro de 2006, quando conseguiu apenas 2 pontos de ibope. Devido ao grande fracasso, o SBT aumentou o capítulo de Cúmplices de um resgate (novela que antecedia Feridas de amor) de 45 minutos para 1 hora e meia para preencher o horário. Em contrapartida, Feridas de amor foi absurdamente picotada e seus capítulos tinham apenas 25 minutos.

Seu ultimo capítulo teve media de 7 com picos de 9.

A telenovela terminou com 100 capítulos aqui no Brasil, contra 130 originais.


COMENTÁRIOS

Feridas de amor foi a nova versão da novela Valéria e Maximiliano, que foi exibida em 1992 no México e em 1995 no Brasil (incompleta, pela Rede Manchete). Mas essa nova versão não alcançou o mesmo sucesso da versão original, mesmo trazendo alguns elementos interessantes para a renovação da história.

O curioso é que a versão original, na época, recebeu várias acusações de estar plagiando a história do épico cinematográfico … E o vento levou. Feridas de amor, porém, já se distancia um pouco da novela original, e ainda mais do filme.

Feridas de amor foi uma boa novela, mas prejudicada pela inexperiência de seus adaptadores Enrique Jimenez, Guillermo Quesada e María Auxilio Salado, ainda verdes para uma história como essa. Daí a imaturidade de alguns diálogos, a inconclusão de algumas histórias e a grande barriga criada durante a crise econômica da família San Lorente.

Entretanto, a grande novidade de Feridas de amor em relação à sua antecessora foi a criação da personagem Bertha, vivida por Diana Bracho. Ela foi a grande vilã da história e a grande personagem da mesma. Uma personagem criada de maneira brilhante e interpretada com maestria por Diana Bracho, sem sombra de dúvidas o maior destaque da novela. Diana Bracho dividiu as gravações da novela com outros compromissos, por isso eram constantes as viagens de Bertha dentro da história, para justificar sua ausência.

Jacqueline Bracamontes demonstrou segurança ao viver Miranda, a protagonista, mesmo enfrentando algumas críticas. Guy Ecker fez um trabalho sem novidades, mas bom como de costume. O mesmo vale para Sergio Sendel. Duas atrizes que também se sobressaíram em seus papéis foram Nuria Bages e Ingrid Martz (esta última chegou a fazer teste para ser Miranda). Karla Alvarez começou estranha no papel da ambígua Florência, mas com o tempo, foi acertando sua atuação, e provando que não sabe fazer apenas vilãs.

O passado dos personagens maduros ganhou vida com a atuação especial dos astros de Valéria e Maximiliano: Juan Ferrara (o Alessandro original, como Gonçalo), Letícia Calderón (a Miranda, vivendo a Fernanda jovem), Cecília Gabriela (Florência, vivendo a Bertha) e Arturo Peniche (Fabrício, como Alfredo Luque). As partes no passado foram muito interessantes no começo, mas o excesso de aparições do passado, e as revelações a conta-gotas, deixaram o transcorrer da história um tanto confuso.

A produção e direção de arte da novela estiveram impecáveis, afinal, mesmo sendo uma novela produzida para o horário das 17 horas, e portanto, com um orçamento menor, notou-se um capricho na realização da novela.

A reviravolta da novela acontece com o assassinato de Gonçalo, e isso marca a entrada da atriz Susana González na novela, como a advogada Liliana. Curiosamente, ela estava em duas novelas inéditas no México ao mesmo tempo: Feridas de amor e El amor no tiene precio.

Por conta dos baixos índices que a novela vinha alcançando, o SBT decidiu cortar a novela em mais de 30 capítulos para agilizar seu final.

Entre erros e acertos, Feridas de amor foi uma novela digna, com uma história interessante, atuações convincentes e produção caprichada. Mas ficou aquém do que era esperado para o remake de um grande sucesso.

sábado, 5 de junho de 2010

Biografia de Eduardo Capetillo


INTRODUÇÃO

Eduardo Capetillo Vázquez nasceu na Cidade do México, México, em 13 de abril de 1970. É ator cantor, produtor e toureiro, integrante da tradicional família de toureiros Capetillo. É filho de María del Carmen Vázquez Alcaide e de Manuel Capetillo Villaseñor. Tem como meio-irmãos Manuel Capetillo e Guillermo Capetillo, filhos do primeiro casamento de sua mãe.


SUA HISTÓRIA

Desde pequeno Eduardo iniciou-se na Televisa, tendo aulas de jazz e preparação como ator com a atriz Martha Zabaleta.

Sua carreira começou aos dez anos, quando ganhou o festival Juguemos a cantar, onde obteve o segundo lugar com a canção Mi grupo toca el rock, que mais tarde seria lançada pela Orfeón Records.

Eduardo gravou sua primeira telenovela em 1983, chamada Martín Garatuza, e participou no musical Vaselina.

Em 1986, aos dezesseis anos, foi convidado a substituir Benny do grupo Timbiriche, um grupo que, nesse momento, atravessava um momento de importantes mudanças e deixava para trás sua imagem infantil para se dedicar a um público mais juvenil. Com este grupo fez promoções e apresentações por todo o México e algumas partes da América Latina, conseguindo agitar os hormônios de centenas de garotinhas que gritavam histéricas quando tocava sua guitarra e cantava alguma canção do grupo. No Timbiriche, Eduardo pôde participar como cenógrafo na produção do vídeo Tú y yo somos uno mismo, e também produzir e dirigir a gravação ao vivo do grupo.

Em 1989, Eduardo abandona o grupo Timbiriche e começa sua carreira como solista, rapidamente sendo reconhecido pelo público hispânico. Também gravou, com Erick Rubin, o tema da telenovela Morir para vivir, sua segunda telenovela, na qual participa como protagonista.

Em 1990 é chamado para trabalhar na Televisa, e sua grande oportunidade foi o papel principal da novela Alcançar uma estrela, com Mariana Garza. Esta telenovela obteve a maior audiência nacional do México e foi vendida a países como Equador, Porto Rico, Venezuela, Guatemala, Estados Unidos, Brasil, Turquia, entre outros.

A música La mujer que no soñé ficou logo no topo das paradas nas rádios mexicanas e a novela fez tanto sucesso que logo Capetillo foi cotado para fazer uma pequena participação no final da novela Alcançar uma estrela II, e, depois, no filme Más que alcanzar una estrella, como estrela principal, juntamente com Mariana Garza.

Em 1991, Eduardo consegue superar 500.000 cópias vendidas do disco de cinco canções da trilha sonora da telenovela Alcançar uma estrela e, nesse mesmo ano aparece com seu primeiro álbum solo: Dame una noche.

Em 1992, volta a desfrutar do êxito como ator na telenovela Baila conmigo, do produtor Luis de llano, onde contracena com Bibi Gaytán, que, posteriormente, viria a ser sua esposa. Nesse mesmo ano lança seu segundo disco: Estoy aquí.

Em 1994, é convidado para contracenar como Sergio Santibáñez na telenovela Marimar, sendo o par romântico de Thalía. Esta novela abriu as portas para o mercado internacional, sendo vendida para mais de 150 países. Com o grande êxito internacional de Marimar, ele é chamado para fazer shows na Filipinas, onde Thalia já havia estado anteriormente. A RPM (maior rede de TV das Filipinas) tenta contratá-lo para fazer comerciais e até um filme, mas a Televisa rejeita.

Em 25 de junho de 1994, acontece o casamento mais esperado pelos mexicanos: Eduardo Capetillo casa-se com Bibi Gaytán no Palacio del Marqués, onde se localizava uma fazenda do século XVI, de bela e majestosa arquitetura, localizada em Chiconcuac, Morelos, a pouco mais de meia hora da capital mexicana. O casamento presenciado por cerca de 800 convidados, foi o primeiro a ser transmitido pela televisão mexicana.

Em 1995, nasce seu primeiro filho: Eduardo Capetillo Gaytán e, ainda nesse ano, grava seu terceiro álbum como solista: Piel ajena.

Em 1996, grava a trilha da telenovela Canción de amor, onde participa com cinco canções ao lado de Lorena Rojas.

O casal Capetillo-Gaytán decide então aumentar a família e, no dia 13 de maio de 1997, nasce Ana Paula Capetillo Gaytán, a segunda filha dos atores.

Em 1998, Eduardo grava a telenovela Camila, ao lado de sua bela esposa Bibi Gaytán e Adamari López.

Em 09 de novembro de 1999, nasce Alejandra Capetillo Gaytán e no ano de 2000, Eduardo rouba o coração do público espanhol graças a seu personagem de Fernando Salazar na telenovela El secreto, uma co-produção entre a Televisa e a TVE, da Espanha, na qual Eduardo, junto a Yadhira Carrillo foram os únicos atores mexicanos entre um elenco de nacionalidade espanhola.

A partir deste momento, o ator se faz conhecer no país ibérico, que lhe brinda a oportunidade de gravar outro álbum com Horus-Muxxic, tal produção esteve sob a direção de Chacho Gaytán, seu cunhado.

Em 2002, Eduardo protagoniza a telenovela Viva às crianças – Carrossel 2, junto de Andrea Lagarreta, a professora Lupita.

Em 2003, Capetillo interpreta o tema da telenovela Bajo la misma piel e, em 2004, aparece em Amy, a menina da mochila azul, ao lado da atriz Danna Paola e Nora Salinas. Além disso, realiza junto de sua esposa Bibi, Chantal Andere e de Jaime Camil, o musical Amor sin Barreras.

Seu seguinte trabalho, em 2005, foi a telenovela Peregrina, uma produção de Nathalie Lartilleux, onde contracenou ao lado de Africa Zavala, Cynthia Klitbo e Jacqueline Andere e onde Eduardo realiza dois personagens gêmeos: Rodolfo e Aníbal. Nesse mesmo ano, participa de A madrasta, junto dos reconhecidos atores Victoria Ruffo e César Évora, novela na qual Eduardo deixa o bigode crescer para aparentar mais idade.

Em março de 2007, Eduardo promove seu trabalho discográfico Un vaquero en la ciudad, que possui, em sua maioria, canções compostas pelo famoso representante do gênero grupero Joan Sebastian. Este foi um grande desafio para Capetillo já que até o momento a balada-pop havia sido seu forte entre um público que o havia seguido durante anos.

Em 2008, lança no mercado Hecho en Sinaloa, material que produziu junto de Antonio Bellon. Nesse mesmo ano faz uma participação especial na telenovela Fuego en la sangre com o personagem Pedro Reyes, ao lado de Eduardo Yáñez, Pablo Montero e Jorge Salinas. Ainda neste ano, Eduardo e Bibi fazem uma participação especial na telenovela En nombre del amor.

Em 2009, Eduardo se junta a um elenco de atores mexicanos mas para, desta vez, gravar uma novela da Venevisión: Pecadora, rodada em Miami, nos Estados Unidos e protagonizada por Litzy Vanya Domínguez. Ainda neste ano, Eduardo e sua família sofrem com a perda do senhor Manuel Capetillo Villaseñor, que falece aos 83 anos, vítima de uma parada respiratória.

No ano de 2010, Eduardo grava a telenovela Soy tu dueña, no papel de Horacio, ao lado de Lucero e Fernando Colunga.


SUAS ATUAÇÕES

TELENOVELAS

2010 - Soy tu dueña (Horacio)
2009 - Pecadora (Bruno)
2008 - En nombre del amor (Javier)
2008 - Fuego en la sangre (Pedro)
2005 - Peregrina (Rodolfo/Aníbal)
2005 - A madrasta (Leonel)
2004 - Amy, a menina da mochila azul (Otávio)
2002 - Viva às crianças – Carrossel 2 (Emiliano)
2000 - El secreto (Fernando)
1998 - Camila (Miguel)
1998 - Canción de amor (Renzo)
1994 - Marimar (Sérgio)
1992 - Baila conmigo (Eddy)
1991 - Alcançar uma estrela II (Eduardo)
1990 - Alcançar uma estrela (Eduardo)
1989 - Morir para vivir (Victor)
1986 - Martín Garatuza (Román)

FILMES

1992 - Más que alcanzar una estrella (Eduardo)
1985 - Cementerio del terror (Tonny)

TEATROS

2004 - Amor sin barreras
1984 - Vaselina


SUA DISCOGRAFIA

2008 - Hecho en Sinaloa
2007 - Un vaquero en la ciudad
2002 - Eduardo Capetillo
1995 - Piel ajena
1993 - Aquí estoy
1991 - Dame una noche

O que você acha desse blog?

Confira o resultado da enquete:


Excelente: 81 votos (57%)

Bom: 49 votos (34%)

Regular: 11 votos (7%)

Péssimo: 1 voto (0%)


Total de votos: 142


O blog Telenovelas Latinas, criado em 09 de março de 2010, é um espaço que apresenta, além da sínteses de telenovelas dos nossos hermanos latinos, algumas biografias de atores e atrizes que se destacaram na dramaturgia do gênero, e também alguns artigos relacionados ao mundo da televisão e do cinema.

De acordo com o resultado da enquete, pude observar que a fórmula por mim idealizada para a criação deste espaço de recordações e também de informação tem agradado, visto que a maioria dos telenoveleiros que visitam o blog o avaliaram como sendo Excelente, tal opção recebeu 57% dos votos.

Em segundo lugar ficou a alternativa Bom, com 34% dos votos, o que também me agrada, já que é uma alternativa que se apresenta quando mesmo o conteúdo não sendo perfeito, tem a chance de melhorar e ficar excelente.

Como 7% dos votos, alguns o elegeram como sendo Regular, e a essa alternativa cabe uma justificativa por parte dos telenoveleiros, já que quem avalia deve argumentar a respeito para reiterar sua opção, expondo seus motivos para tal escolha. Do mesmo modo, acontece com a opção Péssimo, que recebeu apenas 1 voto, mas que contabilizou 0% dos votos. Tais alternativas exigem sugestões para melhorias e gostaria que o fizessem, para que o Telenovelas Latinas fique cada vez melhor e alcance a excelência.

Agradeço a todos que votaram nesta enquete e reconheceram o blog como Excelente e Bom, também agradeço aos que o elegeram como Regular ou Péssimo, mas como disse espero seus comentários e justificativas para que possa melhorá-lo.

Obrigado a todos e deixo aqui o convite para votarem nas enquetes que ainda estão abertas.

Um programa de sucesso

O que faz um programa ter sucesso e, portanto, rentável para a emissora que o exibe? Como fazer a boa equação entre espectadores e consumidores?

Para trazer o chamado retorno do investimento, um programa precisa ter três características:


SER POPULAR

Essa característica é a mais lembrada pela mídia geral: sempre se destaca nos jornais quais são as maiores audiências. Popularidade é a primeira referência de sucesso de um meio ou um programa. Isso significa atingir o maior público possível.

No caso da TV aberta, por exemplo, consiste em atingir todas as classes sociais, inclusive as de menor poder aquisitivo, e todas as praças pesquisadas pelo IBOPE (ou mesmo todo o país). Isso porque as classes populares são um contigente muito grande da população que assiste à televisão, o que gera um número total, um volume de pessoas impressionante quando se analisa os índices gerais de audiência medidos .


TER UMA AUDIÊNCIA QUALIFICADA

É preciso ir além do número geral medido em termos de índice numérico do IBOPE e ter qualidade nesta audiência, ou seja, atingir também o público de maior poder aquisitivo. Para tal, deve-se ter como público, de forma relevante, as chamadas classes A, B e C, pois são elas que atraem mais os anunciantes. O programa/programação torna-se idealmente produtivo e rentável para uma ampla gama de anunciantes, e isso só é possível se atingir de modo consistente as camadas mais altas.

Programa que atinge diferentes públicos alvos, especialmente os de maior potencial de consumo, é um bom produto. O índice de audiência geral, ao ser desmembrado em diferentes classes sociais, deve revelar uma boa distribuição de espectadores em termos de potencial de consumo.

Telenovelas, para o meio publicitário, são vistas como capazes de atingir todo mundo, a família toda que assiste a TV, todas as classes sociais, o Brasil em geral. Ela é assim muito poderosa e eficiente, mas igualmente cara para anunciar.

Nesse sentido, nem todo produto e nem todo anunciante tem a verba necessária para pagar este horário, que é reconhecido como um espaço forte, que dá poder a uma marca que está ameaçada ou que permite dar visibilidade a uma marca ou produto novo.


TER PRESTÍGIO

A terceira característica é o prestígio, pensado dentro do âmbito da TV. Um programa tem que ter certa qualidade como produto cultural. É preciso ter prestígio para ter legitimidade como bem cultural: um produto cujos espectadores afirmem, sem medo ou vergonha, que gostam de assistir (o que infelizmente não acontece com relação à telenovela apenas com pessoas de capital cultural mais elevado).
Quem tem todas as características citadas (é popular, atinge público com potencial de consumo e é um produto de prestígio) pode se dar ao luxo de controlar os anúncios.

Os espectadores reconhecem que a televisão tem ligação direta com o consumo, porém, ninguém diz que se sente influenciado pela TV, mas que teme uma influência, seja na questão moral, ou no excesso do consumo. Muitas vezes, tais estratégias são percebidas de modo consciente, entretanto, é comum que pessoas menos acostumadas com o sistema promocional não percebam isso como proposital. A telenovela, entre outros programas de televisão, muitas vezes reforça a sensação de uma ilusão e de um excesso de bens inatingíveis para a maioria das pessoas.

A questão da moda e do potencial de consumo leva também a um distanciamento com relação ao que se vê na televisão, onde tudo é muito luxuoso, e a percepção de sentir-se pobre. Pelo acesso ou não aos bens de consumo e pela escolha de bens que cada indivíduo ou família consome é possível notar as diversas classificações sociais no contexto de uma sociedade de consumo. A televisão é uma das fontes de informação sobre as distinções decorrentes das posses de determinados bens e do acesso a certos tipos de serviços.

Sabemos que a televisão é um dos instrumentos mais democráticos em se tratando de informação e de programas voltados para o entretenimento. Mesmo sendo extremamente rejeitado e criticado por intelectuais e políticos, este veículo de comunicação foi e ainda é considerado um companheiro fiel, atento e reconfortante nas inquietações econômicas, sociais e culturais de nossas sociedades.

É preciso reconhecer que a TV é um fator de unidade e está fortemente ligado às nossas expectativas, decepções, esperanças e frustrações. É o preço do seu papel de instrumento de divertimento e laço social.

Na sua opinião: Você se sente influenciado pela televisão, em relação ao seu modo de agir, de se vestir, ou mesmo consumir determinado produto ou utilizar algum serviço, seja por meio da telenovela ou de outro programa?

Deixe seu comentário...

sexta-feira, 4 de junho de 2010

O merchandising nas telenovelas brasileiras - Parte 2

OS TIPOS DE MERCHANDISING

Merchandising comercial

O merchandising comercial é uma estratégia promocional que deve complementar ou agir em conjunto com outras ferramentas como a publicidade e sua ação é executada a partir de quatro modelos básicos:

a) Menção no texto: quando as personagens falam o nome da marca ou produto num diálogo;

b) Uso do produto ou serviço: quando a cena mostra utilização do produto ou serviço pelo personagem. Marca e modelo são destacados;

c) Conceitual: a personagem explica para outro as vantagens, inovações e relevâncias e preços do produto ou serviço;

d) Estímulo visual: o produto ou serviço é mostrado de forma a ser apreciado, visto no contexto da totalidade da cena, devidamente explorado pela câmera.

Sabe-se que dois setores são fortes anunciantes em telenovelas e têm retorno financeiro garantido em função da demanda de consumo estimulada pelo merchandising. São setores da moda e beleza.

A rentabilidade e a qualidade de um programa são semelhantes à rentabilidade e sucesso de uma emissora. Sua programação, ou arranjo específico de programas, é o seu produto principal, através do qual ela consegue audiência. Grande audiência é determinante para tornar um produto atraente aos anunciantes. Os programas são dados ao público, não se paga por eles, porque o que é vendido é o próprio público, sob a forma de índices e perfil de audiência.

Merchandising social

Em termos de estratégia de mudança de atitudes e adoção de novos hábitos, o merchandising social é um instrumento eficiente, por causa do grande número de pessoas que ele atinge. Não envolve custos como o merchandising comercial, mas tem um compromisso ideológico com o pensamento do autor ou da emissora de televisão.

Desde o final dos anos 80, a Rede Globo introduziu e divulga entre seus clientes (especialmente os governos nas diversas instâncias) a possibilidade de inserir mensagens e informações consideradas de utilidade pública, como campanhas ligadas à área de saúde (vacinações, aleitamento materno). Alguns autores de novela inclusive costumam introduzir esse tipo de informação em suas narrativas, como a busca de crianças desaparecidas ou informações sobre exames para prevenção de câncer em várias narrativas.

O merchandising social pode ser utilizado para educar a população, mas pode ser um instrumento perigoso de manipulação e controle da sociedade. Seu discurso é persuasivo, levando o telespectador a ter uma opinião ou adquirir um comportamento parcial, provocado por interesses que não lhes são próprios.

quinta-feira, 3 de junho de 2010

O merchandising nas telenovelas brasileiras - Parte 1

O sistema de televisão é predominantemente comercial, mas não totalmente livre de intervenções estatais e associações com o governo, inclusive enquanto anunciante de grande porte. São os anúncios que mantêm os meios de comunicação que vendem espaço de mídia de acordo com o público que conseguem atingir e, portanto, buscam maior audiência possível e sua manutenção ao longo do tempo.

No meio publicitário, considera-se que a televisão é a maior mídia no país e que ela funciona muito bem para vender uma ampla gama de produtos. Ao se espalhar pelo país em quase toda a sua extensão e pela sua penetração nos lares brasileiros, torna-se o meio mais usado pela publicidade. A TV facilita a criação de novos comportamentos, ou seja, novos hábitos de consumo e de atitudes do cotidiano que impulsionam a compra e o uso de novos produtos.

O meio publicitário e de marketing, faz uma associação entre consumo e mulheres, e é a partir dessa associação que a telenovela surge e se mantém como um programa especialmente direcionado a vender uma grande variedade de produtos e estilos, dado que o gênero narrativo já era visto como feminino. Além de favorecer a manutenção do espectador ao longo das semanas e meses de cada narrativa, sua feminilização foi parte de uma fórmula de sucesso, que facilitou a
atração dos anunciantes.

A telenovela é considerada eficiente por atingir um público relativamente variado em termos de classe social, idade e sexo (a maioria do sexo feminino). Ao enfatizar a vida das camadas médias e altas dos grandes centros urbanos, a telenovela permite a exposição constante de vários estilos de vida e produtos que podem ser consumidos para a construção destes estilos. O uso de personagens de diferentes camadas sociais, faixas etárias e estilos de vida na narrativa consiste numa das estratégias para atrair vários níveis de audiência.

Com o intuito de manter essa variedade e amplitude de audiência, a telenovela permite que o espectador se familiarize com uma diversidade de mundos sociais diferentes do seu universo particular, com estilos de vida distintos, e os bens e serviços associados a estes mundos. Uma alternativa utilizada pela primeira vez em 1969, na telenovela Beto Rockfeller teve um grande destaque: o merchandising.

Merchandising são ações promocionais (comerciais e sociais) resultantes da combinação do discurso da telenovela com o discurso publicitário. Compreende um conjunto de operações táticas efetuadas no ponto de venda para colocar no mercado o produto ou serviço certo, com o impacto visual adequado e na exposição correta.

O merchandising se tornou uma técnica promocional responsável pelo custeio das produções de telenovelas. Sem essa técnica, o financiamento para a produção de uma telenovela seria difícil, até porque ela proporciona aos atores, autores e ao pessoal da equipe de produção, um acréscimo no valor de seus salários, por cada cena realizada. No caso do ator estar em evidência e ser utilizado no comercial do produto, seu cachê pode ser bastante elevado.

A telenovela tem uma importância considerável na história da TV brasileira e a sua própria estrutura narrativa e seriada é considerada útil à produção e à venda de espaços comerciais, tanto nos intervalos, quanto sob forma de merchandising ou como formadora de opinião. Ao manter a atenção dos espectadores, ela favorece os anúncios em seu intervalo e consiste numa estratégia fundamental para as emissoras de maior sucesso.

As telenovelas já funcionavam como suporte para discussão e análise de questões sociais. Contudo, a partir daí, uma metodologia de interação com as telenovelas, abrangendo desde a fase de pré-produção até a sua exibição, foi sistematizada e identificada como merchandising social, que é a inserção intencional e motivada por estímulos externos de questões sociais nas tramas das telenovelas.

Antes de serem inseridas nas telenovelas brasileiras, as ações de merchandising já eram muito utilizadas no cinema americano como forma de garantir os custos das produções.

Na novela Beto Rockfeller o protagonista Beto, vivido pelo ator Luís Gustavo, amanhecia ressacado das noites de farra e tomava o anti-ácido Alka Setzer da Bayer. Esta telenovela revelou uma quebra do padrão estético e de temáticas que alavancaram a criação de uma identidade cultural para a produção de telenovelas no Brasil.

quarta-feira, 2 de junho de 2010

A vida é um jogo


NOME ORIGINAL
El juego de la vida

ESCRITORAS
Katia Ramírez Estrada e Enna Márquez

PRODUTOR
Roberto Gómez Fernández

PAÍS DE ORIGEM
México

NÚMERO DE EPISÓDIOS
42

ANO DE GRAVAÇÃO
2001

ANO DE ESTREIA NO BRASIL
2007

EMISSORA
SBT

TEMA DE ABERTURA
El juego de la vida

INTÉRPRETE
Twister

Saben conquistar su libertad, saben conquistar su libertad…
Saben sonreír al mundo, saben sonreír al mundo…

Piensan en el juego de la vida, sienten que sin dudar lo ganarán,
no pueden pararse y no tienen miedo de nada, de nadie,
bajo el sol descubren sus sentimientos.

Y viven el amor como una fiesta, aunque alguna vez haga llorar,
de su juventud no se olvidarán jamás,
locura, cordura por igual, defienden su verdad.

Saben conquistar su libertad, saben conquistar su libertad…

Cambian con el juego de la vida, nunca lo dejarán de disfrutar.
Le sacan al día 27 horas de historias, de risas,
al final consiguen cumplir sus sueños.

Y viven el amor como una fiesta, aunque alguna vez haga llorar,
de su juventud no se olvidarán jamás,
locura, cordura por igual, defienden su verdad.

Saben conquistar su libertad, saben conquistar su libertad…
Saben sonreír al mundo, saben sonreír al mundo…

El juego de la vida deben aprender con calma, con alma y con ilusión…

Y viven el amor como una fiesta, aunque alguna vez haga llorar,
de su juventud no se olvidarán jamás,
locura, cordura por igual…

Viven el amor como una fiesta, aunque alguna vez haga llorar,
de su juventud no se olvidarán jamás,
locura, cordura por igual…

Viven el amor como una fiesta, aunque alguna vez haga llorar,
de su juventud no se olvidarán jamás,
locura, cordura por igual, defienden su verdad.

Saben conquistar su libertad, saben conquistar su libertad…
Saben sonreír al mundo, saben sonreír al mundo…


ELENCO

Sara Maldonado: Lorena Álvarez

Ana Layevska: Paulina de la Mora

Margarita Magaña: Fernanda Pacheco

Jacqueline García: Daniela Duarte

Valentino Lanus: João Carlos Domínguez

Maki: Tânia Vidal

Luciano Seri: Diego Santillán

Mike Biaggio: Antônio Pacheco “Toninho”

Cristian Seri: Oscar Santillán

Raúl Araiza: Ezequiel Domínguez

Juan Carlos Martín del Campo: André Miranda

Patricio Borghetti: Patrício Fernández

Mauricio Barcelata: Mariano Alarcón

Alexandra Monterrubio: Cínthia Linares

Ingrid Martz: Gina Guzmán

Gabriela Caño: Araceli Fuentes

Sergio Ochoa: Carmelo Sánchez

Luis Gimeno: Nícolas

María Fernanda Malo: Margarida

Lucero Lander: Lúcia

Tina Romero: Mercedes

Raquel Morell: Consuelo

Mariana Karr: Vitória

Raquel Pankowski: Bertha

Cecilia Gabriela: Bertha (Substituta)

Alejandro Tomassi: Xavier

Fátima Torre: Fátima

Silvia Mariscal: Sara

Irán Castillo: Magdalena

Manuel Ibáñez: Augusto

Juan Carlos Colombo: Inácio

Rafael Amador: Genaro

Ofelia Cano: Eugênia

Héctor Sáez: Bráulio

Dulce María: Marcela


PERSONAGENS

Lorena (Sara Maldonado) – tem 17 anos. É bonita, simples e de olhar expressivo. Positiva, inteligente e empreendedora. Sempre está disposta a ajudar aos demais, especialmente seus amigos. Lorena é namorada de Mariano, a quem ama sinceramente, porém sofre muito ao se dar conta de que ele havia se apaixonado por Tânia e que esta, na realidade, não é sua amiga, mas sim pretende lhe tomar novamente o amor. Posteriormente, lutará para defender seu amor por Luis Carlos, um rapaz em quem nunca pensaria confiar plenamente.

Paulina (Ana Layevska) – tem 17 anos. Atraente, muito bonita, de olhar malicioso e sorriso travesso. Gosta de viver fortes emoções, é apaixonada por aventura e corre riscos desnecessários, sempre despreocupada com a escola. Quase sempre se precipita e age sem pensar, o que faz com que erre constantemente. Apesar das desilusões que sofre com os meninos, não deixa de sentir atraídas por eles e vai de conquista em conquista. Desde a morte de sua mãe, quando ela tinha dez anos, tem se sentido muito só, já que seu pai passa muito tempo fora de casa. A situação em sua casa lhe provoca uma profunda sensação de solidão, a qual tenta substituir com o carinho de suas amigas. Sua grande necessidade de amor, a torna alvo fácil para Ezequiel, que a namora por conveniência.

Fernanda (Margarita Magaña) – tem 17 anos. Segura, inteligente, explosiva, trabalhadora, rude, confiável, direta e responsável. Odeia hipocrisia. Sua grande paixão é o futebol. Nunca teve namorado. No momento, os meninos não são a prioridade em sua vida. É amiga de Diego há vários anos e não aceita vê-lo além de amigo. Posteriormente reconhecerá que se apaixonou e lutará com todas suas forças conservar o amor de Diego.

Daniela (Jacqueline García) – tem 17 anos. De aspecto frágil e terno. É uma garota insegura, e sentimental, chora por qualquer coisa e admira suas amigas por estas saberem obter o que desejam. Para Daniela, foi muito fácil aprender a conviver com os meninos. Se apaixonou por Toninho desde que o conheceu e tornaram-se namorados por alguma circunstância, ainda que depois ela perceba que o que sente não é amor. no entanto, Toninho consegue convencê-la de que se apaixonou por ela e o desafio para Daniela será aprender a lutar para defender o que quer.

João Carlos (Valentino Lanus) – tem 22 anos. Atraente e de grande porte físico devido ao futebol. Possui olhos penetrantes. É honesto, responsável, impulsivo, respeitoso, solidário e tem atitude, é decidido. Sabe o quer e luta para obtê-lo. É incondicional com sua mãe, a quem admira porque esta, mesmo sozinha, conseguiu seguir em frente graças ao seu trabalho. O que não tolera é o engano e a traição. Nunca teve muitas namoradas, apesar de as garotas o assediarem por seu atrativo físico. Conhece Tânia, quem tenta conquistá-lo de uma maneira graciosa, e finalmente estabelecem uma relação. Posteriormente, João Carlos se dá conta de que se apaixonou por Lorena, por quem sentia uma aparente antipatia. É apaixonado por química e sonha em tornar-se um grande farmacêutico. É trabalhador e faz de tudo para defender a sua família. Lutará para formar um time de futebol feminino e seu amor por Lorena fará com que jogue pesado, em determinados momentos.

Tânia (Maki) – atraente, de atitude prepotente, invejosa e hipócrita. Detesta Lorena porque, desde pequenas, sua mãe as compara. Desde o princípio foi rejeitada por seus pais biológicos e logo por Augusto, isso a leva a invejar tudo aquilo que os outros têm. Na realidade, não se apega a nenhum afeto e sempre ignora o amor que Vitória, sua mãe adotiva, lhe oferece. Passa a namorar Mariano somente para tomá-lo de Lorena e quando conhece João Carlos também se propõe a conquistá-lo, especialmente ao descobrir que este havia se apaixonado por Lorena e que ela o correspondia.

Diego (Luciano Seri) – tem 17 anos. Garoto do bem, bonito, atraente e divertido. De sorriso franco e olhar vivaz. Seu maior interesse no momento são as garotas bonitas e de corpo escultural. Adora sair com os amigos e possui grande amizade com Fernanda, a quem vê como uma irmã. Diego se apaixonará por Gina, uma garota popular e, posteriormente, por Fernanda.

Toninho (Mike Biaggio) – tem 18 anos. É bonito e agradável. De olhar profundo e terno, estudioso, inteligente e honesto, de bom coração. Sua forma de ser é tranquila, mas é firme em suas ideias e decisões. Nunca teve muitas namoradas. Devido a uma confusão, inicia um romance com Daniela, mas se dá conta de que se apaixonou por ela de verdade, fazendo o impossível para manter o namoro, inclusive enfrentando seu pai.

Oscar (Cristian Seri) – tem 17 anos. É atraente, de olhar agressivo e obscuro. Sabe que é galã e se comporta como tal. Tem um profundo ressentimento contra seu irmão Diego. Não se interessa pelos estudos e sempre que pode arma para ser aprovado. É violento, orgulhoso e ciumento. Tem várias relações. Aceitará andar com Gina, acreditando que, assim, causará ciúmes em Diego, mas acaba se apaixonando por ela, e somente a utilizará para aborrecer Diego.

Ezequiel (Raúl Araiza) – tem 25 anos. É galã, atraente, mas sem nenhuma classe. Devido ao cargo que possui dentro do colégio, mantém uma atitude de poder. É hábil para obter dinheiro e acordos sujos. Zomba de seu irmão João Carlos. É sem-vergonha, astuto e adulador. Anda com as mulheres por pura diversão. Decide namorar Paulina em segredo para evitar que suas amigas descubram e denuncie seus rolos dentro do colégio.

André (Juan Carlos Martín del Campo) – tem 17 anos. De aspecto intelectual e olhar nervoso. Se veste com propriedade. Introvertido, romântico e amável. Costuma ser o alvo das brincadeiras de seus companheiros. É bastante estudioso e responsável para com a escola. Nunca teve namorada. Araceli lhe paquera, mas ele nem se dá conta, já quem lhe agrada é Paulina, para quem escreve cartas de amor anônimas. Para defendê-la, um dia será capaz de enfrentar Ezequiel, vencendo sua timidez e covardia.

Patrício (Patricio Borghetti) – tem 22 anos. É agradável e simples. Tem uma filosofia muito alienada e gosta de música. Teve algumas relações amorosas e atualmente continua em crise pela perda de sua última namorada, não podendo se recuperar de tal golpe.

Mariano (Mauricio Barcelata) – tem 17 anos. É atraente e agradável. Termina seu namoro com Lorena porque se apaixonou por Tânia, mas descobre que foi usado por esta e passa a valorizar Lorena, martelando a ideia de poder recuperá-la. Enfrentará João Carlos, a quem acusa de estar com Lorena somente para de desfazer do engano que foi estar com Tânia.

Cínthia (Alexandra Monterrubio) – tem 17 anos. É atraente e se mantém com atitude vigilante a tudo o ocorre ao seu redor, para estar sempre informada. Costuma ser crítica, fofoqueira e intrigante. Tudo o que for rumores, intrigas e calúnias lhe agrada. Não tem namorado, mas ocupa seu tempo arrumando intrigas contra os demais.

Gina (Ingrid Martz) – tem 17 anos. É vaidosa e superficial. Anda com os garotos por interesse, por isso seleciona os que são endinheirados, se valendo de sua beleza física para prendê-los. Não tolera que Fernanda, a quem considera uma machona, lhe tome Diego. Fará o impossível para se vingar de ambos e recuperar Diego.

Araceli (Gaby Cano) – tem 17 anos. É a nerd, estudiosa, responsável, porém insegura. Se deixa manipular por Gina, que a usa para ser aprovada nas matérias. Confunde a amabilidade de André por interesse sentimental. Tenta chamar sua atenção e, vendo que isso é inútil, se frustra.

Carmelo (Sergio Ochoa) – tem 17 anos. É simpático e brincalhão com todos. Nunca teve namorada, pois não tem sorte com as garotas. Continuamente se pergunta o motivo, no entanto não se preocupa em demasia, muito em breve chegará a metade de sua laranja.


INTRODUÇÃO

A quadra de futebol é o cenário principal desta divertida história, onde seus protagonistas não somente defenderão seu orgulho, como também aprenderão a enfrentar a vida, unidos, sob o desafio que o jogo lhes oferece. A bola lhes permitirá conquistar suas metas e saberão levar a camiseta de seu time muito bem colocada, buscando transcender, avançar e ser campeões neste mundo onde ganhar é tudo.

Envolvidos nesta história se encontram uma grande variedade de personagens: a garota popular e supérflua; a filha adotiva mal-agradecida; o irmão rancoroso; o garoto tímido apaixonado, porém sem esperanças, de uma garota extrovertida; o boêmio que não supera a perda do primeiro amor; a fofoqueira; o brincalhão; o ambicioso disposto ao que for para tomar a fortuna de seu próprio irmão; e o experiente entusiasta que treina um time de futebol a base de sábios conselhos.


RESUMO

Lorena, Paulina, Daniela e Fernanda, com seus 17 anos estão unidas por um forte laço de amizade que as torna inseparáveis e que as ajuda a superar os momentos difíceis que cada uma delas deverá enfrentar durante seu último ano no colégio. Elas farão parte de um time de futebol feminino e viverão uma série de aventuras, incluindo conquistas e desilusões amorosas.

São quatro histórias de amor, salpicadas de encontros e desencontros, de doces ilusões mas também de amargas intrigas e dolorosas verdades que deverão enfrentar estas garotas para fazer valer seus sentimentos, dentro de um entorno adolescente.

As situações intensas que vivem estas jovens conseguirão reforçar nelas o entusiasmo e a determinação para defender seu direito de viver suas próprias vidas. No entanto, logo descobrirão que, para ser campeãs e alcançar suas metas, não basta somente desejar; terão que aprender a lutar e entregar o coração para obter o que quiserem. Esse é o verdadeiro jogo da vida!


CURIOSIDADES

O tema de abertura da telenovela foi gravado pelo grupo musical Twister, uma banda brasileira já extinta.

A princípio o título da telenovela seria O jogo da vida, tradução do título original em espanhol El juego de la vida. Porém Jogo da vida já havia sido registrado no Brasil pela Rede Globo, que exibiu uma telenovela com este nome em 1981, e o título teve que ser alterado para A vida é um jogo. O nome O jogo da vida também foi de um programa da Rede Bandeirantes, apresentado aos domingos.

Devido a baixos índices de audiência, a telenovela foi finalizada pouco mais de um mês após o início de sua exibição, sendo substituída pela série Desaparecidos. A atração foi submetida a vários cortes (dos 180 capítulos originais, mais de 140 foram diminuídos, encurtando a trama que tinha previsão de durar sete meses).

terça-feira, 1 de junho de 2010

Biografia de Thalía


INTRODUÇÃO

María Ariadna Thalía Sodi Miranda nasceu na Cidade do México, México, em 26 de agosto de 1971. É atriz, cantora, produtora musical, compositora, apresentadora e empresária. É a quinta filha de Ernesto Sodi Pallares e Yolanda Miranda Mangé. Suas outras irmãs chamam-se Laura Guadalupe, Maria Carlota Amalia Federica Anastasia, Ana Cecília Luisa Gabriela Fernanda e Maria Candelaria Amada Agueda Ernestina Clementina.


SUA HISTÓRIA

Thalía sempre viveu no meio das artes, sua mãe trabalhava com artes manuais e tudo que se relaciona com isso, e seu pai além de arqueólogo, cientista, perito gráfico, químico, também era restaurador dos grandes tesouros arqueológicos mexicanos. Com apenas um ano de idade Thalía já participava de um anúncio de refrigerantes, e aos quatro anos, assistia às aulas de ballet e estudava piano no Conservatorio de México.

Em 1975, participou do programa Estudiantes que estudian, no qual seu pai era diretor, e chegou a participar do filme La guerra de los pasteles, em 1976. Thalía era chamada de Yuya (um pássaro que vive na região de Yucatán) pelo seu pai, pelo motivo dela viver cantando.

Quando tinha apenas cinco anos, Thalía perdeu seu pai, que faleceu de uma grave enfermidade. Essa foi uma tragédia que abalou sua infância, transformando-a numa garota muito triste. Sofreu um grande trauma, e isso refletiu em sua saúde, pois Thalía começou a viver como autista, não falava, não brincava com outras crianças, criou um mundo só dela. Os psicólogos diziam que ela era uma criança inteligente e, com medo de sofrer, se afastou de tudo, para não ter mais decepções.

Ela se trancou para o mundo, ficando sem falar durante um ano, até que um dia quando estavam todas sentadas à mesa ela perguntou onde estava o seu pai. Sua mãe resolveu lhe contar a verdade que já era conhecida e, daquele dia em diante, Thalía voltou a ser a menina que era antes, sempre divertida.

Thalía iniciou seus estudos no prestigiado Liceo Franco-Mexicano, onde lhe ensinavam o conteúdo em espanhol e em francês, tornando-a bilingue desde muito pequena. Foi uma estudante formidável que, posteriormente, sonhava ser uma famosa bióloga ou psicóloga.

Thalía também praticou ginástica olímpica e seu sonho era ser como Nadia Comaneci, praticou esse esporte dos sete aos treze anos, e já fazia parte da equipe olímpica mexicana. Durante esse tempo sua irmã Laura, que já era atriz, a levava em suas gravações, mas Thalía tinha medo das câmeras.

Um dia esse medo sumiu, e Thalía, aos nove anos, fez comerciais de chicletes e entrou para o Pac Man, um grupo musical infantil com quatro integrantes, logo o grupo mudou seu nome para Din Din e participou do festival Juguemos a cantar. O grupo cantava em festas particulares e, às vezes, em algum evento de fim de semana, mas não tardou muito até que gravassem quatro discos e vários singles que tocavam nas rádios.

Certa vez, quando Thalía, junto ao grupo Din Din, assistia ao musical Vaselina, o produtor da obra Usi Velasco lhe perguntou se ela gostaria de se integrar ao elenco e, rapidamente, ela iniciou-se como uma das bailarinas no fundo do palco, quase entre as sombras, mas, pouco tempo depois, se sobressaiu como uma das “panteras negras”, e, posteriormente, alcançou o papel estelar de Sandy, realizando 500 apresentações dessa obra.

O grupo Din Din acabou, e Thalía decidiu participar sozinha do mesmo festival, foi finalista e ficou em quarto lugar com a música Moderna niña del rock.

Pouco tempo depois de comemorar quinze anos, Thalía passa a fazer parte do maior grupo juvenil mexicano da época, o Timbiriche, que também integrava a obra Vaselina, e que era deixado por Sasha Sokol, sua vocalista, que passava o cargo para Thalía. O grupo Timbiriche já havia lançado cinco discos e, com Thalía, gravaram mais cinco.

Para sorte de Thalía, um produtor mexicano de telenovelas a viu em uma apresentação e lhe ofereceu a oportunidade de atuar como atriz e ela, arriscou, dando à sua vida outra dimensão.

Seu primeiro papel foi em Pobre señorita Limantour, em 1986, interpretando Dina e, no ano posterior, atua na telenovela Quinze anos, uma produção de Carla Estrada, em um papel co-estelar de nome Beatriz, que a projetou ao estrelato, junto de Adela Noriega.

Em 1989, Thalía obtém sua seção na revista TVyNovelas Espetaculos, onde dá conselhos de beleza e, nesse mesmo ano, protagoniza a telenovela Luz y sombra no papel de Alma Suárez, ao lado de Alberto Mayagoitia.

Thalía decide, então, viajar para Los Angeles com sua mãe e perseguir seu sonho de se destacar como cantora solista. Se inscreve em aulas de canto, dança e atuação com os melhores professores e é ai onde conhece o produtor Alfredo Díaz Ordaz, que se torna seu colaborador e passa a produzir seu primeiro disco, intitulado Thalía, de 1990, com influências musicais do rock norte-americano de Doors, Aerosmith e Journey. O álbum se esgota em apenas quinze dias no México, mas levanta polêmica, deixando claro que Thalía era uma artista completamente diferente.

Um ano depois, em 1991, Thalía lança Mundo de Cristal, que teve algumas de suas letras que refletiam sua situação sentimental, como o tema En silencio, que dedicou a seu pai. Ainda nesse ano, aparece como apresentadora do programa Vip Noche, no canal Telecinco, junto de Emilio Aragón, na Espanha.

Em 1992, lança o álbum Love, que vende mais de 200.000 cópias em apenas dois meses. Porém, novamente, decide atuar em telenovelas e protagoniza Maria Mercedes, tendo como galã Arturo Peniche, e como vilã sua irmã, Laura Zapata.

Em 1994, grava a telenovela Marimar, que foi sucesso por todos os lados do planeta, com destaque para Estados Unidos e Filipinas, onde essa novela conseguiu acabar com uma guerra civil entre duas cidades, e tal acordo de paz recebeu o nome de Marimar.

Em 1995 lança outro disco: En éxtasis, com a produtora discográfica EMI, sob a produção de Emilio Estefan Jr. e Oscar López. Ainda este ano lança também sua própria linha de roupas e pouco tempo depois inicia a gravação da telenovela Maria do bairro.

O trabalho é tão intenso que, em fevereiro de 1996, é internada em um hospital por uma arritmia cardíaca, atribuída ao excesso de trabalho. Devido ao susto, toma alguns meses de descanso em sua casa em Los Angeles e durante o restante do ano é contemplada com inúmeras homenagens e prêmios.

Em janeiro de 1997, Thalía lança sua primeira recopilação: Nandito Ako (Estou aqui), voltado para o mercado filipino. Sob a produção de Ricky R., esta foi a primeira vez que Thalía cantava em inglês e em tagalog, idioma das Filipinas, onde obteve grande destaque. Posteriormente, em 2007, este álbum foi relançado, neste país agregando-se desta vez, a canção Marimar.

Em fevereiro de 1997, Thalía é coroada rainha da trigésima oitava edição do Festival Internacional de Viña del Mar, no Chile e, no mês de junho desse mesmo ano, lança seu disco mais importante até então: Amor a la mexicana, produzido pelo mesmo produtor e compositor Emilio Estefan Jr. O disco triunfa no mundo todo, por onde realiza shows nos cinco continentes. Em outubro de 1997, Atlantic Records edita a trilha sonora do filme da Fox, chamado Anastasia, na qual Thalía interpreta a canção Viaje tiempo atrás (Journey to the past) que encerra o filme.

Em 1998, em férias, vem ao Brasil e participa do carnaval do Rio de Janeiro, desfila pela Imperatriz Leopoldinense e é capa de várias revistas no Brasil e no exterior, sendo também a atração exclusiva no programa El ojo del huracán da TV Azteca, que fez a cobertura completa do carnaval brasileiro. Neste mesmo ano assina um novo contrato com a Televisa (contrato de exclusividade e mais caro da história da Televisa).

Ainda em 1998, Thalía firma um contrato com Kushner Locke para rodar o filme Mambo café, onde divide créditos com Danny Aiello e Rosanda de Soto. O filme gravado em Nova Iorque, durante a época natalina a partir de novembro desse ano, esteve sob a direção de Ruben González.

Em 1999, inicia a gravação da telenovela Rosalinda, a qual, antes mesmo de ser gravada já estava vendida para 110 países. Ainda esse ano se apaixona por Tommy Mottola, ex-marido de Mariah Carey e, nesta ocasião, diretor da gravadora Sony Music.

Após a conclusão das filmagens, Thalía passa a se dedicar completamente à música e, em 2000, grava Arrasando, seu terceiro disco produzido por Emilio Estefan Jr. mas, dessa vez com nove músicas escritas pela própria cantora. Esse disco incluiu a primeira música sua que se posiciona em primeiro lugar nos Estados Unidos: Entre el mar y una estrella. Este êxito encabeçou três listas de popularidade da Billboard: Hot Latin Tracks, Latin Pop Airplay e Latin Tropical/Salsa Airplay, além de ser o disco mais vendido no mercado latino dos Estados Unidos segundo a lista Latin Pop Albums da Billboard. Por todo este reconhecimento Thalía reforça sua decisão de doar cem por cento de suas energias à música.

Em 2001, contrai matrimônio com Tommy Mottola e ainda neste ano lança no mercado o disco Thalía con banda, uma recopilação de seus melhores temas ao ritmo sinaloense.

Em 2002, Thalía publica outro disco: Thalía, uma produção de treze temas, sendo três deles cantados em inglês, que tornam evidente a evolução da cantora que demonstra vários gêneros, entre os que se destacam o mambo, a salsa, o merengue, o dance o house e a cumbia.

Em fevereiro de 2003, Thalía coloca todo o mundo para dançar com as versões remixadas de seus grandes êxitos, recopilados em Thalía's hits remixed. Conhecidos DJ's como Hex Hector, Mac Quayle, Pablo Flores, Dj Cuca, Asap & PM Project, Rodrigo Kuster e Fábio Tabach, entre outros, transformaram, criativamente, os êxitos de Thalía em canções dance cheias de pura energia.

Em maio de 2003, é nomeada entre as 25 Bellezas Latinas pela revista People en español e, em julho do mesmo ano, lança outro disco intitulado Thalía, com a produtora Virgin Records, completamente em inglês, idioma que havia adotado como segunda língua havia seis anos. A prova de seu êxito entre os anglo-saxãos chegou também neste ano, quando as emissoras de top 40 e música urbana de várias cidades dos Estados Unidos, começaram a tocar frequentemente I want you, um dueto com o rapper Fat Joe, com quem gravou o clipe da música pelas ruas do Bronx.

Thalía ainda complementa sua carreira musical durante o ano de 2003, com o lançamento de sua triunfadora linha de roupas, acessórios e artigos para o lar: Thalía Sodi Collection, distribuído pela rede K-Mart nos Estados Unidos, da qual é sócia, e seu próprio perfume. Seu êxito como mulher de negócios foi tão meteórico que revistas e jornais, como The New York Times, The New York Post e Fortune Magazine, a comparam positivamente com nomes conhecidos como o de Oprah Winfray e Martha Stewart.

Em 2004, lança Thalía’s greatest hits, no qual recopila seus maiores êxitos como solista gravados pela EMI Music e, em 2005, lança o inédito El sexto sentido, do qual se destaca Amar sin ser amada, Una alma sentenciada e Seducción. Ainda assim, lança também sua própria doçaria: Dulcería de Thalía, com a linha de chocolates e doces em parceria com a Hershey's, e planeja escrever um livro com conselhos de beleza, enquanto que sua mãe supervisa sua biografia.

Em 2006, Thalía recebe a cidadania americana, após viver oito anos nos Estados Unidos. Também nesse ano relança El sexto sentido re-loaded, que inclui os temas anteriores e outros novos como No, no, no, com o grupo Aventura, que se torna o quarto single para os Estados Unidos e se coloca como uma das canções mais escutadas. Olvidarme se torna o single para os demais países, e seu videoclip é dirigido e produzido por ela mesma.

Em 2007, estreia o programa de rádio The conexion Thalía radio show, transmitido pela rede ABC, e no dia 12 de junho deste mesmo ano, aos 35 anos de idade, Thalía revela à revista mexicana Hola que está grávida de sua primeira filha e que, depois de sete anos de casamento, e uma carreira agitada, este era o momento mais adequado para ser mãe. No dia 7 de outubro de 2007 dá à luz uma menina chamada Sabrina Sakaë, fruto do seu casamento com o empresário da indústria fonográfica Tommy Mottola.

Em 2008, chega o álbum Lunada, que tem como primeiro single Ten paciencia, que, na companhia do cantor de reggaeton Daddy Yankee, se posicionou como um dos hits favoritos. Este material inclui também o tema Bendita, escrito pela própria cantora e dedicado especialmente à sua filha.

Thalía tornou-se ícone latino, com a venda de álbuns que ultrapassam a marca de 30 milhões de cópias. No total, foram dezesseis discos lançados, sendo o mais recente denominado Primera fila, lançado mundialmente no dia 1º de dezembro de 2009 e em parceria com a gravadora Sony Music International.

Primera fila se encontra nos primeiros lugares em vendas virtuais no Brasil, se posicionou em primeiro lugar no México e já é disco de platina duplo. Nos Estados Unidos, se posicionou em primeiro lugar na parada Top Latin Albums e Pop Latin Albums da Billboard. No mundo todo são mais de 450.000 cópias vendidas.

Para 2010, Pedro Torres oferece à Thalía a oportunidade de voltar a teledramaturgia na terceira temporada de Mulheres assassinas, onde ela protagonizará um capítulo desta série, assim que puder colocar em dia sua agenda.


SUAS ATUAÇÕES

TELENOVELAS

1999 - Rosalinda (Rosalinda)
1995 - Maria do Bairro (Maria)
1994 - Marimar (Marimar)
1992 - Maria Mercedes (Maria Mercedes)
1989 - Luz y sombra (Alma)
1988 - Quinze anos (Beatriz)
1987 - La pobre señorita Limantour (Dina)

FILMES

2000 - Mambo café (Nydia)
1976 - La guerra de los pasteles

SÉRIE

2010 - Mulheres assassinas 3


SUA DISCOGRAFIA

2009 - Primera fila
2008 - Lunada
2006 - El sexto sentido re-loaded
2005 - El sexto sentido
2004 - Thalía’s greatest hits
2003 - Thalía
2003 - Thalía’s hits remixed
2002 - Thalía
2001 - Thalía con banda – Grandes éxitos
2000 - Arrasando
1997 - Amor a la mexicana
1997 - Nandito Ako
1995 - En éxtasis
1992 - Love
1991 - Mundo de cristal
1990 - Thalía