quinta-feira, 31 de maio de 2018

Dramas turcos desbancam telenovelas mexicanas em todo o mundo


Recentemente, a Turquia despertou a atenção mundial graças às suas produções audiovisuais que triunfaram na América Latina e mudaram o rumo da indústria televisiva para sempre. Em 2017, o primeiro Emmy recebido por uma telenovela, Amor Eterno (Kara Sevda) - foto acimaprodução veiculada em mais de 60 países, confirmou uma verdade inegável: esta nação, há décadas produzindo ficção, estava destinada ao êxito.

Antes do boom de 2014 na América Latina, a Turquia comercializava suas produções a 50 países, principalmente orientais. Atualmente, vendem a 142 nações, o que a torna o segundo maior exportador mundial de televisão, abaixo, apenas, dos Estados Unidos. A Forbes Turkey contabilizou recentemente 85 companhias produtoras no país, as quais realizam um investimento mínimo de 200 mil dólares por episódio, e, com a mundialização de sua indústria, os recursos e esforços têm aumentado para que continuem melhorando.

As ficções turcas adentraram a América Latina pela porta dos fundos e em absoluta discrição. O continente se encontrava em meio a moda das “narconovelas”, além das histórias com personagens emocionalmente abalados. Isso acabou distanciando o espectador comum e assíduo, que deixou de se emocionar com essas narrativas e as abandonou. A América Latina havia renegado o melodrama que defendeu por décadas.

Fatmagul: A Força do Amor
Neste contexto, estrearam no Chile  “Las Mil y Una Noches” e “¿Qué Culpa Tiene Fatmagül?”, as produções mais representativas do fenômeno. Apresentadas sem maiores expectativas, escalaram rapidamente nos rankings de programas mais vistos em diferentes países, deixando as ficções  locais em um segundo plano e evidenciando uma crise generalizada no continente.

Com a posterior entrada de mais histórias feitas na Turquia, se estabeleceu uma tendência comum em todas elas. Costumam apresentar conflitos tradicionais de heróis e heroínas, amores impossíveis, mulheres que se esforçam para erguer sua voz e um enfoque conservador das relações humanas. Isso sem contar que possuem uma caprichada produção, trilhas sonoras inéditas e atraentes cenários naturais, o que também contribuiu para uma explosão turística de latino-americanos que visitam o país para conhecer os lugares nos quais foram gravadas cenas destas produções.

A simplicidade dos relatos não é necessariamente um defeito, já que podem falar de problemas sociais. Na história de Fatmagül se aborda a violência sexual e a busca de justiça de uma mulher que se encontra sozinha em sua luta. O drama contou com o valor agregado de mostrar personagens com uma comunicação não verbal, através de olhares, gestos faciais e pequenas ações em cena que aprofundaram os níveis de entendimento da história. O silêncio teve igual importância narrativa que a palavra, situação que difere de telenovelas latino-americanas nas quais muitos personagens costumam dizer ou até mesmo gritar a todo momento.

O fato de a Turquia ter se tornado um grande provedor televisivo tem escrito um cenário difícil na indústria latino-americana. E, como efeito, as maiores potências tem sido as mais afetadas. O México, com a Televisa à frente, tem perdido a liderança do produto sobre o qual levantou o seu império: a telenovela. O prestigioso crítico mexicano Álvaro Cueva é severo em seu diagnóstico: “As telenovelas turcas são hoje como eram as mexicanas de antes. Como? Produtos cem por cento familiares, que contam histórias de amor bem básicas, mas cheias de ensinamentos morais e de valores.

É sabido que a indústria televisiva do México se encontra em crise há vários anos e Cueva reconhece o impacto estrangeiro: “Para onde foram aqueles romances lendários que tornaram o México famoso nos cinco continentes, como Os Ricos Também Choram, Só Você, Carrossel, Coração Selvagem e Marimar? Sabe para onde? Para países como a Turquia”.

Argentina, nação que se destacou durante décadas por sua criatividade e transgressões memoráveis, tem agora em suas telas mais telenovelas estrangeiras do que nacionais. Histórias como Muñeca Brava, Chiquititas e Los Roldán foram desbancadas por ficções turcas.

Em uma indústria pequena como a do Peru, o impacto também tem sido notório. Somente a América Televisión produz ficções. O restante tem programado telenovelas estrangeiras e as histórias turcas ocupam os postos mais competitivos do horário nobre, com melhores resultados do que os obtidos por suas antecessoras peruanas.

No Uruguai, costumam ser transmitidas no horário nobre. Segundo o jornal local, El País, têm gerado um sucesso inusitado junto ao público masculino, o qual compõe até 74 % da audiência.

E o Chile, onde se começou a exibir estas produções, tem sido considerado um “termômetro” para saber seu futuro desempenho na América Latina, pois acredita-se que se uma história obtém bons resultados no Chile, terá possibilidade de replicá-los para o restante do continente. Em vários países sul-americanos, até mesmo crianças têm sido batizadas com nomes de personagens turcos. “Elif”, “Onur” e “Kerim” são os preferidos e, obviamente, esta tendência se associa ao triunfo de tais produções.

Ainda como exemplo, podemos citar Angola e Moçambique, países africanos que nesta última década ganharam canais exclusivos de telenovelas estrangeiras dubladas em português, as quais, a princípio, eram majoritariamente de origem mexicana, venezuelana ou colombianas, mas, que, agora, têm sido substituídas por dramas turcos, que, por sua vez, caíram no gosto do público e, inclusive, abriram espaço para o convívio e a vinda de atores da Turquia a estes países.

O Brasil também começou a fazer parte deste fenômeno e, desde 2015, tem como canal representante do gênero a Band, que até então exibiu com grande repercussão títulos como Mil e Uma Noites, Fatmagul: A Força do Amor, Sila: Prisioneira do Amor, Ezel e Amor Proibido. E, como já anunciado pelo próprio canal, para os próximos meses já prepara a exibição de novos folhetins.


Colaboração: Víctor Falcón Castro (El Comercio) - La (Otra) Revolución Turca (Adaptado)

Canal Eva anuncia a estreia de Luz dos Meus Olhos


Estrelada por Laura de León e Edgar Vittorino, chega ao canal Eva no mês de junho a telenovela colombiana Luz dos Meus Olhos (La Luz de Mis Ojos), recente produção da RCN, lançada em 2017 e embalada pela música regional e pelo melodrama.

Ambientada na década de 50, a trama tem como centro a história de Soledad Burgos (Laura de León), uma jovem cega, mas com grande talento para o canto e um coração muito nobre. É apaixonada por Vicente Bula (Edgar Vittorino), um rapaz empreendedor no setor das radiocomunicações, apaixonado pela música e comprometido em casamento contra a sua vontade. Mesmo com suas diferenças, Soledad e Vicente terão que enfrentar todos os obstáculos que vão contra este amor, proibido pelos costumes da época, pela cultura e pela opinião dos outros. Tudo isso em meio a música colombiana e ao realismo mágico.

O elenco integra também os nomes de Daniela Tapia, Tahimi Alvariño, Katherine Vélez, Majida Issa, Rashed Estefenn, Juan Sebastián Aragón, Susana Torres, Maria Eugenia Arboleda, Orlando Lamboglia, Vicky Hernández, Margalida Castro, Salvo Basile, Juan Carlos Messier, Emerson Rodríguez, Sergio Arévalo e Gaby Garrido, entre outros.

Luz dos Meus Olhos é baseada em uma ideia original de Alonso Sánchez Baute e sua direção assinada por Jorge Alí Triana e Felipe Aguilar. A estreia vai ao ar dia 20 de junho, às 17h (CAT), com exibição dublada em português para Angola e Moçambique e inglês para os demais países quem sintonizam o canal Eva. A reposição dos capítulos acontecerá diariamente às 23h, 05h e 11h.


SINOPSE

Soledad Burgos nasceu em meio a adversidade. Perdeu a visão quando era criança e um acidente provocado por sua deficiência causou a morte de seu irmão mais velho, desencadeando o ódio de sua mãe, que carrega um segredo muito bem guardado.

A vida privou Soledad de um dos sentidos mais importantes, mas, em compensação, ela ganhou o dom da voz. Soledad canta com o timbre perfeito, como poucas pessoas no mundo, mas seu dom é brutalmente reprimido, escondido e rejeitado por Delfina (Tahimí Alvariño), uma mãe amargurada e ambiciosa que não perdoa Soledad pela morte do seu filho verdadeiro.

Soledad cresce e torna-se uma bela mulher, a quem todos reconhecem como uma artista, apesar das constantes negativas de Delfina. O amor e o reconhecimento de Vicente tratam de redimir Soledad. Vicente pertence a uma família rica e ele próprio possui uma grande fortuna pessoal, representada por terras e gado. Ainda assim, a paixão do rapaz é uma pequena emissora de rádio fundada por sua tia, a bela e rebelde Faride Chadid (Majida Issa), a quem Vicente adora e apoia incondicionalmente.

Porém, a riqueza de Vicente atrai oportunamente uma parte de sua própria família à beira da falência. O rapaz cai em uma armadilha: Amira Rebeca (Daniela Tapia), a prima-irmã de Vicente, impulsionada por sua mãe, seduz Vicente e inventa uma mentira que muda o rumo de sua vida. Esta entrega acidental depois de uma noite de farra, é usada pela família de Amira Rebeca para tentar “caçar” Vicente a todo custo e acabam dando início a uma guerra familiar.

A injustiça ativa as forças do destino e, ao contrário do previsto, essa pressão leva Vicente aos braços de Soledad e ao encontro do verdadeiro amor. Porém, esse amor se realiza em circunstâncias adversas para ambos: Vicente acaba de sofrer um perigoso acidente e Soledad acaba de se distanciar de sua gente e de seu povoado por culpa de um concurso de canto, no qual a jovem participa com muita dedicação. Nada evita que Soledad e Vicente se apaixonem imediatamente.

Pouco tempo depois, Delfina descobre que sua filha está grávida e, para evitar o escândalo, a interna em um convento, onde acolhem mãe solteiras com o objetivo de entregar seus filhos em adoção. Delfina aceita que o filho de Soledad seja entregue. Sem informar ninguém sobre nada, a linda menina de Soledad é vendida a Amira Rebeca. Amira, obviamente, não sabe que essa criança é de Soledad.

A cantora, no entanto, é enganada por uma mentira, pois lhe entregam um bebê natimorto, filho de outra jovem do convento, garantindo que se trata de seu filho. Vicente e Soledad enterram aquele que acreditam ser seu filho. Porém, não conseguem enterrar seu amor impossível, agora devido ao casamento de Vicente com Amira e o nascimento de sua suposta filha. Soledad retorna ao povoado decidida a tornar-se uma grande cantora. Para isso, conta com o apoio de grandes amigos e os melhores músicos de toda a região.

Acompanhada de perto pela emissora e portanto por Vicente, Soledad começa a triunfar de praça em praça, de povoado em povoado, de cidade em cidade. Grava um disco que aumenta sua fama, pois é a primeira cantora e compositora de gênero “porro”. Neste árduo caminho de sua vida profissional, Soledad vive inúmeros encontros com Vicente, a quem rejeita apesar de amá-lo irremediavelmente.

Para colocar uma distância definitiva entre os dois, Soledad aceita a proposta de casamento de seu representante e fervoroso seguidor, o Dr. Zarur (Rashed Estefenn), que também carrega consigo um segredo de amor abandonado pela aparição de Soledad. Amira Rebeca não consegue conquistar Vicente e muito menos amar sua filha. Porém um anjo guardião compartilha o segredo de Amira e luta incansavelmente para que a jovem revele a verdade e, assim, a vida siga o curso que sempre deveria ter tido: o Dr. Márquez (Juan Sebastián Aragón), o único que sabe que ela nunca teve um filho de Vicente. Márquez ama secretamente Amira e acredita que ela seja uma vítima de sua mãe ambiciosa e cruel, que a obrigou a produzir essa falsa gravidez.

Apesar de todas as tentativas de Delfina e de Mema (Katherine Vélez) para impedi-lo, com o passar do tempo, a verdade vem à tona. Se descobre que a filha de Amira é a verdadeira filha de Soledad. Tudo fica descoberto e a justiça é feita. Soledad recupera sua filha e seu único amor. Os perversos jamais são perdoados e a justiça social e Divina os alcança.

terça-feira, 22 de maio de 2018

Bomba: Band adquire novos dramas turcos em feira internacional


Na última semana, entre os dias 15 e 18 de maio, em mais uma edição da LA Screenings, importante feira da indústria televisiva que reúne anualmente representantes internacionais em Los Angeles, distribuidoras de todo o mundo puderam negociar importantes acordos para a transmissão de novos conteúdos de entretenimento para o público.

Um dos destaques deste ano ficou por conta do Kanal D, da Turquia, que fechou acordos para o licenciamento de suas produções com diversas emissoras da América Latina, incluindo o Brasil, México, Porto Rico e Paraguai. Dentre os títulos oferecidos, foram adquiridos pela Telemundo (EUA) e Telemundo Porto Rico os dramas Masum (Innocent) e Vatanım Sensin (Wounded Love), este último também adquirido pela Imagen Televisión, do México. A série dramática Poyraz Karayel (For My Son) também entrou para a lista de aquisições da Telemundo Porto Rico, e o canal Telefuturo será responsável por exibir nas próximas temporadas os dramas Öyle Bir Geçer Zaman Ki (Time Goes By), Elveda Derken (Bidding Farewell) e Alın Yazım (Destiny) no Paraguai. O maior pacote de aquisições, no entanto, foi fechado com a Azteca America, incluindo títulos como Güllerin Savaşı (War of the Roses), Alın Yazım (Destiny), Merhamet (Mercy), Öyle Bir Geçer Zaman Ki (Time Goes By), Şeref Meselesi (Matter of Respect), Elveda Derken (Bidding Farewell) e Gumus (Gümüş).

Matter of Respect
A Bandeirantes, por sua vez, negociou a compra das produções Güllerin Savaşı (War of the Roses) e Şeref Meselesi (Matter of Respect), que, assim como Amor Proibido - atual folhetim da emissora brasileira - já foram transmitidas dubladas em português para Angola e Moçambique, rebatizadas de Guerra das Rosas e Uma Questão de Honra, respectivamente. Ainda sem informações sobre sua exibição no Brasil, resta esperar a divulgação oficial da emissora paulista sobre suas futuras transmissões por aqui.

Em tempo, a Band veiculou recentemente uma longa chamada divulgando as novidades para sua programação em 2018. No vídeo, também é possível visualizar cenas das telenovelas Asla Vazgeçmem (Never Let Go) e Kaderimin Yazıldığı Gün (A Part Of Me), além da recém-premiada Kara Sevda (Endless Love), vencedora na categoria de “Melhor Telenovela” da 45ª edição do Prêmio Emmy Internacional, realizada em 2017.

Colaboração: TVLatina

Carinha de Anjo estreia na ZAP Novelas


Às vésperas de seu desenlace pelo SBT, Carinha de Anjo, adaptação brasileira de Carita de Ángel (2000), produção mexicana da Televisa, inspirada em uma obra original de Abel Santacruz, chega agora a Angola e Moçambique através da ZAP Novelas, canal pago que estreia a telenovela infantil lançada pelo SBT em 2016, nesta quarta-feira (23), em substituição à trama O Fantástico Prédio 11-11 (11-11: En mi Cuadra Nada Cuadra), finalizada ontem.

Ao longo de quase 400 capítulos, Carinha de Anjo apresenta ao público a atriz mirim Lorena Queiroz no papel de Dulce Maria, uma travessa garotinha de 5 anos que vive em um colégio de freiras desde que sua mãe faleceu e aguarda ansiosamente o retorno do pai, que se mudou para o exterior após ter ficado abalado com a morte da esposa.

Adaptada por Leonor Corrêa e supervisionada por Íris Abravanel, Carinha de Anjo conta com a participação da estrela internacional Lucero, atriz e cantora mexicana conhecida por sua atuação em folhetins como Amanhã é Para Sempre e A Dona, além de talentos como Carlo Porto, Bia Arantes, Priscila Sol, Alcemar Vieira, Dani Gondim, Karin Hils e um grande elenco infantil, representado por Maisa Silva,  Jean Paulo Campos, Sienna Belle, Renata Randel e muitos outros.

O capítulo de estreia de Carinha de Anjo vai ao ar pela ZAP Novelas nesta quarta-feira (23), às 17h, para Angola, e 18h, para Moçambique.


SINOPSE

Tudo acontece em Doce Horizonte, cidade interiorana fictícia que une o charme dos pequenos municípios com os atrativos de uma grande cidade com empresas, centros comerciais, shopping e aeroporto. De um lado, os jovens antenados da era digital e empresários do centro urbano, do outro os moradores de uma divertida e encantadora propriedade rural. Duas realidades que fazem parte do dia-a-dia de Dulce Maria Lários (Lorena Queiroz), garotinha carismática e sapeca, carinhosamente chamada pela mãe de Carinha de Anjo.

Dulce Maria tem a doçura, ingenuidade, inteligência e alegria naturais dos 5 anos de idade. É brincalhona, aventureira e extremamente curiosa. Diverte a todos com seus comentários e perguntas indiscretas e surpreende com suas descobertas. Ela é filha única de Gustavo Lários (Carlo Porto), bem-sucedido empresário da cafeicultura brasileira, e da mexicana Tereza Rezende Lários (Lucero), mãe acolhedora de sábios conselhos e voz adorável, que faleceu num acidente quando Dulce Maria tinha apenas 3 anos de idade. Traumatizado com a tragédia, Gustavo deixou a filha em um colégio interno católico rural e mudou-se para a Espanha. Durante dois anos, viveu isolado da família.

Na ausência do pai, Dulce Maria contou com o afeto e os cuidados de Estefânia (Priscila Sol), prima de Gustavo (apelidada por ela de “Tia Perucas”) que é cheia de estilo e personalidade. Sua marca é o visual monocromático da cabeça aos pés, ou seja, da peruca ao sapato, que reflete seu humor. Recebeu ainda a atenção do Padre Gabriel (Alcemar Vieira), seu tio paterno, e de todas as freiras e noviças do internato onde vive e estuda.

Quase todas as noites, Dulce Maria sonha com Tereza. Elas se encontram numa lúdica casa de bonecas. Lá, mãe e filha vivem momentos mágicos, emocionantes, divertidos e a pequena Dulce é sempre abastecida de afeto e conselhos.

No colégio é muito querida por todos. Criativa nas aventuras, sempre disposta a ajudar, e por isso mesmo vive se metendo em encrenca e arrumando confusão. É lá que ela recebe o carinho maternal da noviça Cecília (Bia Arantes), professora dedicada, protetora e zelosa. Também tem como parceira de travessuras a irmã Fabiana (Karin Hils), uma noviça quase rebelde e engraçada que comanda o coral do colégio. Já a Madre Superiora (Eliana Guttman), diretora do internato, não esconde seu afeto especial por Dulce Maria, mas também não deixa de passar os sermões e exigências sempre que necessários.

A história começa quando Gustavo resolve voltar para a cidade de Doce Horizonte e mostrar que cometeu um grande erro ao se afastar da filha. Recuperado da depressão após a morte de Tereza, ele retorna determinado a reconstruir a vida ao lado de Dulce Maria. Para a surpresa de Estefânia (Tia Perucas) e Gabriel, ele não volta sozinho. Nicole (Dani Gondim), a nova namorada, esbanja beleza, porém nenhuma vocação para a maternidade. O que o empresário não sabe é que Nicole só está interessada no status e dinheiro que pode ter se casando com Gustavo. Haydee (Clarice Niskier), a mãe de Nicole, e Flávio (Eduardo Pelizzari), o irmão, paparicam Gustavo e sonham em se dar bem com a união do casal.

Dulce Maria rejeita a ideia de ver o pai casado novamente. Ela tem medo que ele nunca mais se lembre da mãe dela. É nos braços da noviça Cecília que Dulce Maria mais encontra segurança. É a única “mulher feminina que sonha em ter como segunda mãe”. Ao contrário de Nicole, com quem tem constantes desavenças e nenhuma afinidade. Dulce Maria gostaria que as noviças pudessem se casar.

Os conflitos e questionamentos sobre a vocação religiosa da bela e doce Cecilia são constantes e, com o tempo, ela se vê dividida entre a religião e seus sentimentos velados por Gustavo. Com a chegada de Fátima (Rai Teichimam), irmã de Cecilia, a noviça recebe o incentivo para deixar a vida religiosa e lutar por seu amor. Mas, essa decisão não é nada fácil. Gustavo também não consegue esconder o fascínio que sente pela professora mais querida da filha desde o primeiro instante em que a encontra. Mas ele sabe que não pode alimentar um amor proibido. Não só pela resistência em assumir seus sentimentos, mas também por outras mulheres que aparecem em sua vida. Já Cecília, recebe uma atenção especial de André (Bruno Lopes), o médico da cidade.

Em casa, Dulce Maria convive com os funcionários: Silvestre (Blota Filho), o mordomo da família, e Franciely (Carol Loback), a cozinheira indiscreta. Logo aparece Vitor (Thiago Mendonça), amigo de Gustavo e chef de cozinha, que monta um food truck na cidade e se encanta pela Tia Perucas. Vitor conta com o auxílio da governanta Solange (Cristina Mutarelli), amiga de Silvestre.

No luxuoso prédio onde vive Gustavo, mora uma família divertida e conectada que também se aproxima de Dulce Maria. A adolescente Juliana (Maisa Silva) é vlogueira, fã de tecnologia e tem um canal na internet que atrai milhões de acessos e visualizações, o “Vlog da Juju”. Seu irmão, Emílio (Gabriel Miller), adotado, se torna grande amigo de Dulce Maria. E ambos são filhos de Rosana (Angela Dippe), síndica do condomínio, moderna e despachada, que anda pela cidade com seu triciclo motorizado nada discreto. Seu jeito irreverente encanta o delegado Peixoto (José Rubens Chachá), responsável, junto com seu fiel escudeiro, o policial Ribeiro (Carlos Mariano), por resolver os casos policiais que aparecem na cidade.

Nesses dois anos de isolamento do pai de Dulce Maria, a empresa de Gustavo, Rey Café, ficou sob os cuidados do amigo e diretor jurídico, Cristóvão (Guilherme Gorski). Ele é apaixonado por Estefânia, o que desperta ciúme na secretária dele, Silvana (Silvia Franceschi).

Como toda garotinha, Dulce Maria tem no internato grandes amigas. As mais próximas são Adriana (Marianna Santos), Duda (Maria Eduarda Silva), Valentina (Valenthina Rodarte) e Lúcia (Helena Luz). Mas, uma dupla da pesada não se conforma com o carinho e atenção que Dulce recebe das noviças e não aceita sua liderança. Bárbara (Renata Randel) e Frida (Sienna Belle) provocam Dulce Maria, criando situações que possam complicar sua vida no colégio, com o intuito de prejudicá-la.

No internato, Dulce Maria também encontra carinho e alegria na família do caseiro Inácio (Eddie Coelho) e sua esposa Diana (Camilla Camargo). Casal batalhador que cria os dois filhos com humildade e muito orgulho. O mais velho, Zeca (Jean Paulo Campos), está com 14 anos e é fruto do casamento anterior de Inácio. É um garoto doce que sonha em fazer sucesso como cantor de música sertaneja. Zé Felipe (Leonardo Oliveira), o caçula, tem 6 anos. É elétrico e criativo, o mais bagunceiro da casa. Com a contratação do jardineiro Pascoal (Camilo Bevilacqua) pela Madre Superiora, a família aumenta, já que ele se torna um avô postiço da garotada.


PERSONAGENS


DULCE MARIA REZENDE LÁRIOS (Lorena Queiróz)

Filha única de Gustavo e Tereza. 5 anos. Aos três anos de idade, perde a mãe e passa a viver no colégio Doce Horizonte, internato religioso da zona rural da cidade, sem contato com o pai. É uma menina alegre, doce, esperta e determinada, que se envolve em muitas aventuras e confusões para ajudar os outros. Reencontra Gustavo no início da trama e faz de tudo para que ele não se case com a nova namorada, Nicole, pois sonha em ter a irmã Cecília como mãe.


GUSTAVO LÁRIOS (Carlo Porto)

Pai de Dulce Maria. Proprietário da empresa “Rey Café”. Traumatizado com o fatal acidente de Tereza, seu grande amor, decide manter a filha em um internato e sob os cuidados da prima Estefânia e do irmão Gabriel e parte para Europa, onde fica por dois anos. Arrependido, volta determinado a reconstruir a vida ao lado da filha e da família. Para a surpresa de todos, chega com uma nova namorada, Nicole. Reabre sua luxuosa cobertura e retoma o comando dos negócios com seriedade. Confia no seu senso de justiça e na firmeza de suas decisões, mas amolece com a doçura da filha. Se encanta por Cecília, noviça que sempre cuidou de Dulce Maria como mãe, e vive o dilema deste amor proibido.


IRMÃ CECÍLIA SANTOS (Bia Arantes)

É uma noviça que é professora de português. Protege e cuida de Dulce Maria de maneira incondicional desde que a menina chegou ao colégio. É muito amiga de Fabiana e de Diana. Sua única irmã, Fátima, vive no Recife desde que se casou. Vê seu mundo virar de ponta-cabeça quando conhece Gustavo. Vive a dúvida e a tortura de deixar ou não a vocação religiosa por causa de um amor arrebatador. Aparenta ser frágil, ingênua, mas com o tempo se mostra uma mulher forte e determinada. Enfrenta o ciúme de Nicole. Sofre com os questionamentos da Madre Superiora e se dedica de coração às suas alunas.


TEREZA REZENDE LÁRIOS (Lucero)

Mãe de Dulce Maria. Mexicana criada no Brasil que se casa com Gustavo. Esposa apaixonada e mãe dedicada. Alegre, cativante, aventureira, é vítima de um trágico acidente. Aos três anos, Dulce Maria perde a mãe, mas continua sonhando com ela. Os encontros imaginários de mãe e filha acontecem em uma linda e lúdica casinha de bonecas durante o sono de Dulce. Juntas, elas brincam e conversam, principalmente sobre os valores da família.


ESTEFÂNIA LÁRIOS “TIA PERUCAS”(Priscila Sol)

Prima de Gustavo. A Tia Perucas. Formada em moda, apaixonada por orquídeas, perucas e visuais monocromáticos. Alegre, divertida, acolhedora e segura de si, cuida de Dulce Maria com devoção. Chega a se envolver em confusões para ajudar a sobrinha em suas aventuras. Ampara Gustavo no reencontro com a filha. Passa a viver com eles para contribuir com a rotina da família, mas aos poucos, volta a cuidar da própria vida, principalmente quando se apaixona pelo chef de cozinha Vitor. É muito próxima a Gabriel e não confia no amadurecimento do relacionamento de Gustavo com Nicole.


PADRE GABRIEL LÁRIOS (Alcemar Vieira)

Irmão de Gustavo. Padre. A devoção e admiração do padre Gabriel pelo trabalho da Madre Superiora como diretora do colégio Doce Horizonte influenciam Gustavo a manter Dulce Maria no internato após o acidente de Tereza. Acompanha o desenvolvimento da sobrinha e não compreende o longo isolamento do irmão. É defensor dos valores da família, do respeito ao próximo e sabe quando deixar a posição religiosa para se comportar apenas como irmão.


NICOLE ESCOBAR (Dani Gondim)

Modelo e namorada de Gustavo. Conquista prestígio na profissão, mas perde espaço ao longo dos anos. É filha de Haydee e irmã de Flávio, família decadente que enche a boca para dizer que é influente. É linda, metida, egoísta, vingativa, definitivamente não nasceu para a maternidade. Conhece Gustavo na Europa e faz de tudo para se tornar a senhora Lários. Bate de frente com a família de Gustavo e vê Dulce Maria como um empecilho.



HAYDEE ESCOBAR (Clarice Niskier)

Mãe de Nicole e Flávio. Perua extremamente vaidosa e interesseira, que quer se dar bem por osmose. Vive às custas da filha, mas tem predileção pelo filho. Está sempre compactuando ou encobrindo algum golpe dele. Sonha com uma vida luxuosa e gasta por conta confiante que Nicole vai conseguir fisgar de vez a fortuna de Gustavo. Conhece Rosana do passado e o reencontro das duas traz à tona uma história mal resolvida.



FLÁVIO ESCOBAR (Eduardo Pelizzari)

Filho de Haydee e irmão de Nicole. Ruim de nascença, mimado, o queridinho da mamãe. Criado para curtir a vida. Com o sumiço do pai, assume o posto de homem da casa e começa a tentar manipular as mulheres da família exigindo que tudo seja do seu jeito. Oportunista, não acredita que trabalho e honestidade rendam frutos.


SILVESTRE MOREIRA (Blota Filho)

Mordomo da família Lários. Funcionário de confiança e defensor dos Lários. Gentil, prestativo e extremamente organizado, tem orgulho do que faz e é apaixonado por pintura. Muda-se para a casa de Estefânia quando Gustavo viaja e retorna com ela para a cobertura quando o patrão volta. Supervisiona o trabalho de Franciely, com quem vive em pé de guerra. É amigo de Solange e não é fã do jeito moderno da síndica Rosana.


FRANCIELY DA SILVA (Carol Loback)

Cozinheira da família Lários. Extrovertida e sambista de carteirinha, o oposto de Silvestre. É contratada quando Gustavo volta para Doce Horizonte e fica encantada com a alegria de Dulce Maria. Fala o que vem à cabeça - sincera até demais. Faz tudo direitinho, mas não nega que gosta de uma boa bagunça.


CRISTÓVÃO VALDEZ (Guilherme Gorski)

Diretor jurídico da “Rey Café”. Conduz a empresa durante a ausência de Gustavo, de quem é amigo íntimo. Veste ternos impecáveis, é um advogado exemplar e tímido. Não esconde sua paixão por Estefânia, mas tem medo de se declarar pra ela. É alvo das investidas de sua secretária, Silvana. Tem uma série de manias como organização e limpeza. O álcool gel está sempre por perto. Consegue manter a calma quando a maioria perde a cabeça.


SILVANA SOARES (Silvia Franceschi)

Secretária de Cristóvão. Há quinze anos na empresa, acha que é a dona do pedaço e se dá a liberdade de fazer algumas fofocas. É apaixonada por Cristóvão e faz de tudo para chamar a atenção dele. São como gato e rato.


VERÔNICA MATIAS (Elisa Brites)

Secretária de Gustavo. Prima de consideração da irmã Fabiana, muda-se para Doce Horizonte depois de ser recomendada para o trabalho na “Rey Café”. É encantadora, profissional e dedicada, o que irrita Silvana. Logo se descobre fascinada por Gustavo. É alvo do ciúme de Nicole.


ROSANA ALMEIDA (Ângela Dippe)

Mãe de Juliana e Emílio. Síndica e moradora do prédio onde também vive a família Lários. Adora rock e tem um triciclo motorizado. É mãe biológica de Juliana e adotiva de Emílio. Participa ativamente da vida dos filhos, mas não entende muito das novidades tecnológicas que eles curtem. É moderna na maneira de se vestir e se comportar, mas não abandonou o vocabulário dos anos 80. É amiga de Silvana e da família Lários, mas tem uma certa implicância com Silvestre.


JULIANA “JUJU” ALMEIDA (Maisa Silva)

Estudante e vlogueira. 14 anos. Adolescente totalmente conectada. Ama cor, é antenada, divertida, vidrada em gatos, sonha em conhecer o Silvio Santos, está sempre alegre e em busca de novas ideias para o seu canal, o vlogju2. É capaz de falar de mil assuntos simultaneamente e não nega ajuda para ninguém. Mora com a mãe, Rosana, e o irmão, Emílio. Quando conhece Zeca, decide ajudá-lo a fazer sucesso como cantor.


EMÍLIO ALMEIDA (Gabriel Miller)

Filho adotivo de Rosana e irmão de Juliana. 6 anos. Carismático e divertido, não larga o videogame. Conhece Dulce Maria e diz que ela é a única menina legal que existe. Tornam-se companheiros de aventuras. Faz amizade com Zé Felipe e com ele descobre como é a vida no campo. Tem um porquinho da índia chamado Fred.



VITOR GAMBOA (Thiago Mendonça)

Cozinheiro e empresário. Amigo de Gustavo. Abandona tudo para se dedicar a sua grande paixão: a culinária. Viaja o mundo, passa um longo período na França e quando volta ao Brasil é recebido por Gustavo, que conheceu na Europa. Prepara-se para realizar o sonho de ter um negócio próprio, um food truck, no mesmo período que se encanta por Estefânia. É carismático, sorridente e apaixonado pela vida.


SOLANGE ORTIZ (Cristina Mutarelli)

Funcionária de Vitor. Amiga de longa data de Silvestre. É recomendada para trabalhar com Vitor pouco tempo depois que ele volta para Doce Horizonte. Simpática e experiente, não se arrepende de ter dedicado a vida à profissão, mas chega a questionar se não está na hora de investir no lado pessoal. Totalmente de confiança e ótima ouvinte.


MARISTELA LOPES “MADRE SUPERIORA” (Eliana Guttman)

Diretora do colégio Doce Horizonte. Religiosa que dita as regras, aconselha e dá a palavra final. É justa e disciplinada, tem horror à tecnologia e outras modernidades. É muito ligada às irmãs Cecília e Fabiana, conta sempre com a ajuda de Inácio e Diana e confia em Pascoal. É próxima do padre Gabriel e tem uma empatia particular por Dulce Maria. Amolece de vez em quando por causa da menina. É uma líder que todos respeitam pelo talento e capacidade.


IRMÃ FABIANA TEIXEIRA (Karin Hils)

Noviça e professora de música e artes. Alegre e descontraída, parece uma criança grande, cheia de imaginação. É a melhor amiga de Cecília, parceira número uma das aventuras de Dulce Maria e líder do coral do colégio. Chega até a ser inconsequente, mas não se arrepende, faz de tudo pela felicidade da menina. A relação com a Madre Superiora tem seus altos e baixos. A dedicação e o potencial de Fabiana são reconhecidos, mas quando ela apronta, a Madre não perdoa. É uma das professoras mais queridas e divertidas do colégio. O coral é a sua vida. Quando não está cantando ou ensinando alguém, pode apostar que está comendo, ela não resiste. O carinho pela família de Inácio é declarado. Sempre que pode, festeja com eles e se o assunto é triste, ela ajuda a mudar o astral.


IRMÃ RITA (Bruna Ximenes)

Freira. Professora de inglês e espanhol. É a mais sarcástica das professoras, não consegue segurar críticas – em especial em relação a Fabiana. Quando fica nervosa, usa expressões estrangeiras, principalmente em espanhol. Gostaria de ter a autoridade da Madre.


IRMÃ ANA (Rachel Rennhack)

Freira. Professora de ciências. Sensível ao extremo e até dramática em algumas situações. Chora fácil e se emociona. É amiga e dedicada. Se considera amiga de Cecília e Fabiana.



IRMÃ LUZIA (Laryssa Dias)

Freira. Professora de matemática. Vem de São Paulo para substituir a irmã Bene e com o tempo se apega a Bárbara e Frida e passa a proteger as duas.


PASCOAL GOMES (Camilo Bevilacqua)

Jardineiro. Depois de anos de profissão, fica desempregado e passa necessidades. Em um dia chuvoso, conhece Dulce Maria e se encanta pela ingenuidade da menina. É recomendado para trabalhar no colégio Doce Horizonte e conquista a Madre Superiora por sua generosidade e atenção. O primeiro encontro com Inácio não é dos mais agradáveis, mas aos poucos o estranhamento dá lugar a uma relação de extrema cumplicidade.


BÁRBARA GURRA SMITH (Renata Randel)

Estudante. 7 anos. É uma das grandes rivais de Dulce Maria no colégio e está sempre provocando as crianças menores. Nasceu nos Estados Unidos, onde morou até os 2 anos de idade. Por causa da conturbada vida profissional dos pais (o pai é americano e a mãe é brasileira), passou a viver no Brasil sob os cuidados da avó materna e aos 3 anos entrou para o internato. Parceira fiel de Frida, adora travessuras. É egoísta e invejosa.


FRIDA BASTOS (Sienna Belle)

Estudante. 6 anos. É uma das grandes rivais de Dulce Maria no colégio. Filha única, mimada e protegida, sempre foi muito estimulada a ter ideias próprias e colocar as coisas em prática. Foi matriculada no colégio aos 3 anos de idade por vontade do pai, que também viveu a mesma experiência. Amiga inseparável de Bárbara, é ciumenta e está sempre pensando em planos para deixar Dulce Maria triste.



ADRIANA FIGUEIREDO (Marianna Santos)

Estudante. 5 anos. É uma das melhores amigas da Dulce Maria. É curiosa, falante, esperta e muito simpática. Respeita a Madre Superiora e confia nas irmãs Cecília e Fabiana. Está sempre disposta a ajudar as amigas e juntas, vivem grande aventuras.


LÚCIA JUNQUEIRA (Helena Luz)

Estudante. 5 anos. É uma das melhores amigas de Dulce Maria. É tranquila, sensível e companheira. Observa tudo, mas sempre participa das travessuras. Foge de algumas e se envolve em outras.



VALENTINA (Valenthina Rodarte)

Estudante. 7 anos. É uma das melhores amigas de Dulce Maria. É determinada e interessada, não gosta de ficar de fora de nada. Faz questão de ajudar as amigas, principalmente quando Bárbara e Frida provocam Dulce Maria. É corajosa e se diverte nas aventuras com as meninas.


MARIA EDUARDA “DUDA” (Maria Eduarda Silva)

Estudante. 6 anos. É uma das melhores amigas de Dulce Maria. Atenciosa e observadora, não tem medo de falar a verdade quando vê alguma coisa errada. Defende as amigas em qualquer situação.


JOSÉ CARLOS “ZECA” DE OLIVEIRA (Jean Paulo Campos)

Filho de Inácio e Diana. Estudante. 14 anos. Filho do primeiro casamento de Inácio, tem Diana como segunda mãe. Um garoto tranquilo, tímido e amoroso que herdou do pai o gosto pela música sertaneja. Não sonha com o sucesso, deseja apenas poder fazer o que mais gosta: cantar. Conta com os incentivos do pai, a amizade de Juju e os ensinamentos de canto da irmã Fabiana.


JOSÉ “ZÉ” FELIPE DE OLIVEIRA (Leonardo Oliveira)

Filho de Inácio e Diana. Estudante. 6 anos. Falante e brincalhão, ganhou o apelido de Seo Bagunça. Adora fazer piadas com o irmão, ama futebol e não é lá muito fã de música sertaneja. Diz que Dulce Maria é a única menina legal que existe e que Emílio é seu melhor amigo. A cada encontro, inventam uma nova aventura.


INÁCIO DE OLIVEIRA (Eddie Coelho)

Casado com Diana. Caseiro do colégio Doce Horizonte. Pai e marido amoroso e dedicado, vive com a família nas terras do internato. É o braço direito da Madre Superiora. Segue todas as regras à risca. É extremamente ligado à terra e apaixonado pela família e música sertaneja de raiz. Sonha em ver o filho mais velho (fruto de um casamento anterior) fazendo sucesso como cantor sertanejo. Diz que não vai sossegar enquanto isso não acontecer.


DIANA DE OLIVEIRA (Camilla Camargo)

Mãe de coração de Zeca e biológica de Zé Felipe. Esposa apaixonada e batalhadora que se divide entre a casa e as aulas de consciência ambiental. É a única professora fixa do colégio que não é religiosa. Muito próxima das irmãs e amiga confidente de Cecília. Vive em harmonia com a família, mas não se esquece que precisou lutar muito pra isso. A relação com Inácio despertou o preconceito da família, que não queria que ela se casasse com um homem negro. Rompeu com os pais e se mudou para as terras do internato com Inácio. Anos depois, descobre que tem um sobrinho, Miguel.



DELEGADO PEIXOTO (José Rubens Chachá)

Delegado da DP Central. Faz o tipo bonachão, figura conhecida e respeitada de Doce Horizonte. Está sempre envolvido em algum assunto importantíssimo embora nem todos enxerguem da mesma forma. Quando tem tempo, adora pescar. Quando menos espera se vê entre duas mulheres, Rosana e Haydee.


RIBEIRO (Carlos Mariano)

Policial, braço direito do delegado Peixoto. Extrovertido, fala o que pensa de maneira despojada, sem ofender. Admira incondicionalmente o delegado, com que tem uma relação de pai e filho.


ANDRÉ RENATO VIEIRA (Bruno Lopes)

Médico. Clínico de confiança da família Lários e da Madre Superiora. Profissional muito dedicado e atencioso que se encanta pela beleza da irmã Cecília. Chega a questionar porque uma mulher tão jovem e bonita decide se dedicar à religião.


FÁTIMA SANTOS (Rai Teichimam)

Irmã de Cecília. Passa nove anos no Recife casada com um pernambucano e volta para Doce Horizonte após o fim do seu relacionamento. Determinada e corajosa, é contratada para trabalhar com Vitor, fica amiga de Verônica e torce para que Cecília assuma seus sentimentos por Gustavo.


domingo, 20 de maio de 2018

Os dubladores de Amor Eterno


Vencedor na categoria “Melhor Telenovela” na 45ª edição do Emmy Internacional, a mais prestigiosa premiação atribuída aos programas e profissionais da televisão, realizada em 2017, o drama turco Kara Sevda foi uma ficção da produtora Ay Yapım lançado na Turquia em 2015 e exibido originalmente pela emissora Star TV em duas temporadas, até meados de 2017. Distribuído internacionalmente como Endless Love e conhecido nos países de língua espanhola como Amor Eterno, o folhetim obteve grande acolhida em território latino-americano, onde já foi transmitido em países como Colômbia, México, Panamá, Chile, Paraguai, Argentina, Peru e Uruguai. No início de 2018, o romance protagonizado por Burak Özçivit e Neslihan Atagül chegou também ao continente africano e atualmente é exibido pela ZAP Novelas, em Angola e Moçambique, dublado em português. A seguir, conheça o nome de alguns dubladores brasileiros que emprestam suas vozes aos personagens de Amor Eterno, que, em alguns casos, foram rebatizados na versão em português. A dublagem leva a assinatura do estúdio Sigma, de São Paulo, e é dirigida por Mirna Rodrigues, Silvio Giraldi, Henrique Canales e Rosa Barcellos.


Wilken Mazzei: Burak Özçivit (Kemal Soydere)

Samira Fernandes
: Neslihan Atagül (Nihan Sezin)

Felipe Grinnan: Kaan Urgancioğlu (Emir Kozcuoglu)

Vanderlan Mendes: Burak Sergen (Haydar Kozcuoglu)

Mara Lídia Manetti: Zerrin Tekindor (Leyla Acemzade Kandarli)

Fernanda Keller: Neşe Baykent (Vilda Sezin)

Alex Barone: Kürşat Alniaçik (Onder Sezin)

Claus Di Paula: Orhan Güner (Nathan Soydere)

Cristina Rodrigues
: Zeyno Eracar (Zerime Soydere)

Arthur Machado: Rüzgar Aksoy (Tanuz Soydere)

Camila Castellani: Hazal Filiz Küçükköse (Zilena Soydere)

Alex Morales: Gökay Müftüoğlu (Sali)

Léo Caldas: Ali Burak Ceylan (Alan Kaner)

Veridiana Benassi: Melisa Aslı Pamuk (Asu Alacahan)

Patt Souza: Çağla Demir (Banu Akmeric)

Renato Soares: Erhan Alpay (Hakan)

Andressa Bodê: Ece Yaşar (Eda)

Rodrigo Horta: Mahmet

sábado, 19 de maio de 2018

Canal Eva anuncia a estreia de Antes Muerta Que Lichita


Mesmo sem traduzir o seu título original, o canal Eva, distribuído em português para Angola e Moçambique e em inglês para o restante dos países do continente africano que o sintonizam, anunciou para o próximo dia 28 de maio a estreia de Antes Muerta Que Lichita, produção mexicana realizada por Rosy Ocampo para a Televisa, em 2015, com as atuações principais de Maite Perroni e Arath de la Torre, acompanhados pelos conhecidos atores Eduardo Santamarina, Ingrid Martz e Chantal Andere.

Em Antes Muerta Que Lichita, Maite Perroni dá vida a Alicia “Lichita” Gutiérrez, a funcionária mais menosprezada da Iconika, a agência de publicidade mais importante da Ibero-América, empresa onde entrou há alguns anos como assistente, com a intenção de progredir com seu próprio esforço, mas o fato é que nunca foi promovida, tornando-se uma espécie de secretária multiuso.

Apesar de tudo, Lichita sonha que algum dia o amor chegará para tirá-la de sua existência insignificante, mesmo que conscientemente saiba que ninguém se interessará por ela, já que aos olhos dos outros é uma pessoa invisível. Ainda assim, pela primeira vez, Lichita se dispõe a ser notada e coloca mãos à obra depois de saber que Sandra (Chantal Andere), a fria e severa diretora da Iconika, terá que apresentar uma grande campanha de publicidade. 

Lichita desenvolve um projeto inovador para apresentá-lo a Sandra e se prepara para comparecer a uma festa exclusiva, para a qual não foi convidada. Antes de expor seu trabalho, porém, Lichita conhece o atraente e encantador Roberto Duarte (Arath de la Torre), que por trás de seu sorriso encantador esconde uma dura infância e a amarga experiência de ter cumprido uma condenação na cadeia por um delito que não cometeu.

Para a enorme surpresa de Lichita, o suposto galã de seus sonhos, rouba descaradamente o seu projeto e o apresenta aos membros da Iconika como sendo dele. Roberto consegue um bom cargo na agência, coisa que obviamente enfurece Lichita, apesar de ela ignorar os verdadeiros motivos que levaram Roberto a cometer esta fraude.

Lichita vive uma série de humilhações, zombarias e brincadeiras de mau gosto por parte dos funcionários da Iconika; isso inclui os maus-tratos de Luciana (Ingrid Martz), a arrogante e orgulhosa sobrinha do dono da agência, que chegou recentemente ao México e obteve um cargo melhor do que o de Lichita, além de estar disposta a conquistar Roberto.

Cansada de ser a “gata borralheira” e de não reconhecerem seu esforço nesses anos de trabalho, Lichita decide mudar e com isso recuperar o que por direito lhe corresponde. Decide deixar de ser Lichita, para tornar-se Alicia, e lutará até mesmo contra sua própria nobre personalidade para decretar: Tudo, menos Lichita!

O elenco da comédia ainda integra os nomes de Gabriel Soto, Eddy Vilard, Luz Elena González, Sylvia Pasquel, Manuel ‘Flaco’ Ibáñez, Roberto Blandón, Macaria, Sherlyn, Dominika Paleta, Patricio Borghetti, Gabriela Platas, Pablo Valentín, Wendy González, Lorena Herrera, Ricardo Fastlicht, Patricia Navidad, Mónica Ayos e muitos outros.

Dublada no Brasil pelos estúdios Universal Cinergia Dubbing, em parceria com a Wood Video, a versão em português de Antes Muerta Que Lichita será exibida com exclusividade pelo canal Eva, de segunda a sexta-feira, com capítulos inéditos às 15h (CAT) e reposições às 21h, 03h e 09h.

O canal Eva é distribuído pela AMC Networks International - Zone através do serviço de televisão por assinatura DStv e transmite atualmente para o continente africano a telenovela peruana Minhas Três Filhas (Mis Tres Marías), a chilena À Procura de Maria (Buscando a María), a colombiana Amor Secreto (Amor Secreto), a argentina Tudo em Família (Somos Familia), a mexicana Tanto Amor (Tanto Amor) e a estadunidense Belas e Corajosas (The Bold And The Beautiful), todas elas dubladas nas versões em português e inglês.