quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Bonita e Azarada estreia no +Novelas


Nesta quinta-feira, 20 de novembro, chegou a Angola, às 15h00, e a Moçambique, às 16h00, através do canal +Novelas, substituindo Quero amar-te, a telenovela Bonita e Azarada, uma produção da RTI Producciones, em parceria com a Caracol Televisión e a Telemundo, gravada em 2009, em locações da Colômbia e dos Estados Unidos.

Bonita e Azarada, originalmente intitulada Bella Calamidades, trata-se da adaptação de Lola Calamidades, telenovela original do escritor Julio Jiménez, produzida em 1987. Protagonizada pela reconhecida atriz Danna García e pelo galã Segundo Cernadas, Bonita e Azarada conta, também, com a participação de Adriana Campos, Diana Quijano, Gustavo Angarita, María Helena Döering, Katie Barberi, Rosmery Bohórquez, Tiberio Cruz, Claudia Rocío Mora, Gary Forero, Mimi Morales, Herbert King, Pedro Roda, Daniela Tapia, Santiago Gómez, Pablo Azar, Jonathan Islas, Rodolfo Valdés e Alejandra Miranda.

Com um total de 140 capítulos, dublados em português pelo estúdio Alcateia, do Rio de Janeiro, esta emocionante história que retoma o conto da Cinderela é gravada em alta definição e conta com a direção de Rodolfo Hoyos e Santiago Vargas, roteiro de Iván Martínez e produção executiva de Hugo León Ferrer.


SINOPSE

Em um povoado muito distante havia uma jovem misteriosa a quem todos chamavam de alma penada. As pessoas do povoado pensavam que ela era louca, pois se vestia com trapos e somente era vista pelas noites, quando vagava pelo cemitério, o lugar onde morava. O que ninguém sabia é que essa jovem suja e distraída era a mesma garota que anos atrás havia sofrido muito após a morte de seu pai.

Lola, fugindo do povoado para escapar das garras de Aquiles Barraza, que queria lhe cobrar as dívidas de seu pai, procura refúgio na casa de sua tia Marta, que a maltrata e faz dela sua empregada. Diante do medo e da aversão dos habitantes do povoado, a polícia trata de enviar Lola a um sanatório, onde não poderá incomodar a ninguém. Justamente antes de ser recluída, sua madrinha Lourença de Machado chega para resgatá-la, impedindo que se cometa uma injustiça. Lourença é uma mulher com muito dinheiro, dona das maiores fazendas produtoras de leite da região e mãe de Marcelo, o homem que disputará o coração de Lola.

Lourença oferece teto e proteção a Lola e ela, com sua doçura e nobreza, consegue ganhar o amor de todos, inclusive o de Marcelo. Graças a dedicação de Lourença, a jovem de aparência selvagem se torna uma bela mulher. Mas, a felicidade dos primeiros dias torna-se calamidade. Priscila, a sobrinha de Lourença, está loucamente apaixonada por Marcelo, e, em cumplicidade com sua mãe, Silvana, se dedica a tornar a vida de Lola impossível, inventando todo tipo de histórias para desfazer-se dela.

Lola fica sozinha, desamparada, sem um centavo no bolso e à espera de que alguém a acolha com um pouco de amor e um prato de comida. Para piorar a situação, todos veem Lola como ave de mau agouro. A triste jovem acaba indo morar em uma igreja e depois em um bar de reputação duvidosa.

Sem mais opções, Lola se vê obrigada a cair nas garras de Aquiles Barraza, um monstro de homem que mudará seu futuro. As desgraças vividas, a solidão e o desamor, fazem com que Lola se case com Aquiles, de quem recebe somente humilhações, tornando-se sua escrava.

Mas, a vida dá um giro inesperado quando Aquiles morre e deixa Lola como herdeira absoluta de sua enorme fortuna, tornando-a uma mulher rica e poderosa. Agora, a bela Lola, retorna ao seu povoado para dar uma lição àqueles que fizeram sua vida um mundo de calamidades.


PERSONAGENS

Dolores ‘Lola’ Carrero (Danna García)

Tem 23 anos. Bonita, Dolores, chamada de Lola, é uma jovem que reúne muitas facetas. Sua infância, adolescência e início da juventude estão marcados pelos sofrimentos e pelo ambiente hostil no qual tem vivido. Sua mãe morreu quando ela nasceu e seu pai, José Carrero, tratou de lhe dar amor, bons costumes e muita coragem para viver. Esta é a herança que lhe resta, já que o mineiro não resistiu a uma doença contraída em seu árduo trabalho, deixando-a sozinha e exposta a mil perigos, dos quais ela se salva graças a sua intuição, sua única arma para se defender.

Sendo quase uma garota, Lola foge de Horneros, o povoado onde nasceu, e viaja à capital, buscando ajuda na casa de sua tia Marta Carrero, que não a trata como uma parente, mas, sim, como uma empregada dos serviços. Até certa idade, Lola se mantém muito submissa, aguentando o maltrato e a disciplina férrea com a qual é educada, mas, passados os vinte anos, se rebela e após uma forte discussão com Marta, retorna novamente a Horneros, acreditando ter matado sua tia. Tudo não passa de um acidente, mas o sentimento de culpa a perturba mentalmente e, não encontrando apoio em ninguém, se refugia no cemitério, vivendo como um animal que se esconde de dia e ronda pelas noites.

Obviamente conta com a cumplicidade de Pablo Ávila, o zelador do cemitério, que se compadece dela e lhe permite refugiar-se naquele sinistro ambiente. Durante sua permanência no cemitério, Lola torna-se estranha, suja, despenteada e maltrapilha, não parece um ser humano, mas, sim, um ser estranho que é relacionado com um espírito. Os temores e os falatórios das pessoas a tornam uma alma penada, como é conhecida, até ser descoberta pelas autoridades e obrigada a sair de seu insólito refúgio.

Resgatada por sua madrinha Lourença Barbosa, viúva de Machado, Lola começa a recuperar sua identidade perdida, até tornar-se uma jovem linda e inteligente que sempre pôde ser. A partir de então, tem a oportunidade de conhecer Marcelo Machado, o filho Lourença, que se apaixona por ela. Ela também se apaixona por Marcelo, que será o único e verdadeiro amor de sua vida. Mas, unir-se a ele não será tão fácil, devido à inveja e à defesa dos inimigos que não faltarão em seu caminho, pois é acusada de levar a desgraça aonde quer que vá. Isto não a intimida e longe de acovardá-la continua em frente, enfrentando tudo, até ir morar com um velho pavoroso, que, em vez de ser sua completa perdição, a salva e a leva ao topo do sucesso econômico, com o qual se defende contra todos aqueles que a atacaram.

Lola é doce, secretamente romântica, compreensiva, generosa, tolerante. Quando ama é apaixonada, intensa, ansiosa, suscetível, capaz de entregar sua vida pelos seres amados. Como mulher é valente por natureza, disposta a enfrentar tudo, com muita vontade, com muita coragem, com o temperamento altivo e decidido, que é sua principal defesa. Não é covarde, nem lamuriosa, nem invejosa, nem cobiçadora, nem traidora, nem mal-intencionada.

É alguém extremamente leal com os demais e com seus próprios princípios. Pode se equivocar como todo ser humano, se confundir com o que não conhece, mas sempre está disposta a reconhecer e consertar. Não é capaz de odiar profundamente. Pode acontecer de desprezar ou sentir raiva, mas jamais será capaz de causar dano a ninguém e é por isso que seu complexo de culpa na suposta morte de Marta consegue desequilibrá-la, mas, ao descobrir que a tia está viva, volta a recuperar sua estabilidade emocional.

Em questão de dignidade, é orgulhosa, não gosta de ser humilhada, por mais humilde que seja seu trabalho. É respeitável. Quando se cala não é por covardia, mas, sim, por prudência. Nem é sempre que está triste, nem melancólica; às vezes é alegre, se diverte e quer viver, brincar e cantar, mostrando ao mundo seu direito de ser feliz. É uma jovem muito linda, muito especial, alguém com seu próprio brilho, que se destaca em meio às sombras da desgraça que lhe perseguem sem merecer.


Marcelo Machado (Segundo Cernadas)

Tem 25 anos. De boa estatura, atlético, muito bonito e varonil, reúne todas as qualidades para representar o “príncipe encantado”, mesmo sendo um jovem simples, inimigo das complicações, livre e despreocupado, capaz de enfrentar todas as situações. Mesmo assim, não é perfeito, pelo contrário, se equivoca com frequência, se desagrada e perde o controle quando sente que seus direitos são atacados, mesmo não sendo encrenqueiro. Ele só ataca quando a ocasião o ameaça e faz isso com toda segurança, pois tem boa resistência e força nos punhos.

Marcelo é um jovem privilegiado. Filho único de Lourença. Seu pai morreu em um acidente. É muito bem educado e cresceu sem nenhuma carência. Pode-se dizer que teve de tudo. Em sua infância era gordinho e tímido, situação que o fez vítima de alguns companheiros travessos do colégio onde estudava, como os Galeano, que lhe provocavam.

Ele sabe que é bonito, mas não se utiliza desta vantagem para obter favores das mulheres, que às vezes lhe perseguem com muita insistência, como é o caso de Priscila, que fica obcecada por ele. Mas como não é de ferro, se apaixona como todos e tem suas aventuras, seus romances e suas dores de cabeça, como a que lhe causa Lola, já que por ela cai rendido na armadilha do amor.

É um jovem de bons sentimentos. Não guarda rancores de ninguém. É compreensivo e tolerante, até certo ponto. Tem coisas que não tolera. É alegre e, sem ser extrovertido, não tem timidez. Canta, toca violão e piano, mas não é músico. Decidiu estudar filosofia, mesmo parecendo mais um atleta que qualquer outra coisa. É inteligente e de bom ânimo, gosta muito de sua mãe, dos empregados, de seus amigos e também daqueles que lhe demonstram antipatia, como os Galeano.

Até certo ponto, não tem do que se queixar, mas seu grande problema é a profunda paixão que sente por Lola, por quem se apaixona perdidamente. Em sua luta por ganhar seu amor e convencer a si mesmo que é a mulher que lhe convém, se envolverá em mil e uma situações absurdas, das quais muitas vezes não poderá sair com facilidade.

De caráter forte, sedutor, atraente, amoroso e apaixonado, Marcelo é galã por excelência, capaz de roubar o coração de qualquer mulher, até mesmo o de Lola, mesmo que ela dissimule e lhe faça passar diversos perrengues até cair em seus braços definitivamente.


Priscila Cardona (Adriana Campos)

Tem 26 anos. É prima de Marcelo e sobrinha de Lourença. É linda, porém, mais que isso, tem um corpaço sensacional, que é o seu forte. De excelente aparência, poderia ser mais original, mas com os acessórios que sua mãe a obriga a usar, convencida de que entende muito de modas, se mostra um tanto atrevida e um pouco vulgar. Não se contenta com seus atributos, quer chamar a atenção ainda mais. Priscila não é inteligente. Trata de ser esperta, mas a astúcia não é seu forte na maioria das oportunidades, fazendo-a parecer uma pessoa ingênua e perversa.

Esta senhorita é resultado da educação, ou melhor, da má educação de sua mãe, a senhora Silvana Barbosa, que a mantém convencida de que é uma rainha que merece de tudo, e, às vezes, é preciso descê-la do pedestal e colocá-la em seu devido lugar. Seguindo os maus exemplos da mãezinha detestável, Priscila é ambiciosa, vive de aparências, da boa vida e da comodidade. Obteve de tudo até a morte de seu pai, que perdeu sua fortuna graças a Silvana, sua esposa consumista. Ao ficar na rua, viu-se obrigada a trabalhar em ofícios de baixa remuneração, desde limpadora de pisos, até garçonete em bares de má reputação. No entanto, garante, obrigada por sua mãe, que sempre viveu em um mundo de princesa e que nunca lhe faltou nada.

É orgulhosa, extremamente vaidosa, insensível e mal-intencionada. Sua grande fraqueza são os homens bonitos, com os quais tem se envolvido, contrariando Silvana, que luta com todas suas forças para que agarre um namorado milionário. Quase todos a abandonam, pois seu comportamento é dominante, exigente e asfixiante. Além disso, é muito caprichosa. Quanto mais a desprezam, mais ela gama. É o que acontece com Marcelo Machado, seu primo, por quem se apaixonou desde o primeiro momento, e a quem trata de conquistar descaradamente.

Ela é impulsiva, agressiva, ataca sem medir as consequências e se dá mal constantemente, mas não aprende a lição. Ainda assim, tem mais dignidade que sua mãe e não é uma pessoa má, mas sim equivocada, desorientada e estúpida, pois acredita enganar a todos, quando somente engana a ela mesma.

Priscila é a mais feroz inimiga de Lola Carrero, a quem ela a vê como uma rival insuportável. Talvez ela seja a única pessoa a quem Priscila causaria dano com prazer, por Lola ter conquistado o amor que ela acredita merecer. Entretanto, vive várias situações engraçadas. A clássica vilã que não acerta uma e, levada por seu egoísmo, não enxerga nada além de seu próprio nariz.


Silvana Barbosa de Cardona (Katie Barberi)

Tem 48 anos. Dizer que Silvana é a bruxa perversa deste conto, seria um erro. Como ser humano, esta senhora é um desastre, mas a pobrezinha parece que não tem se dado conta e nunca se dará. Provém de uma classe baixa, talvez não teve muito estudo, mas, como era bonita, conseguiu se casar com um milionário, Jacinto, o falecido irmão de Lourença. O homem era muito mais velho e nada agradável e ela o manipulou à vontade, obrigando-o a desperdiçar sua fortuna em jogos e estupidezes que lhes levaram à ruína.

Deste triste matrimonio restou uma filha, Priscila, a quem Silvana educou a seu modo, tornando-a cúmplice de suas inúmeras aventuras, na tentativa de recuperar o dinheiro que perderam. Ostentando poder, chegou a Paris, cidade onde ficou na rua, sendo obrigada a trabalhar em empregos miseráveis junto a Priscila, até que, cansada daquela vida, decidiu procurar Lourença, sua cunhada, para garantir um refúgio e viver como uma parasita.

Silvana é uma mentirosa compulsiva. Diz mentiras nas quais ela mesma acaba acreditando. É por isso que garante que foi criada em berço de ouro, que viveu como uma rainha na Europa, que é amiga íntima das pessoas mais importante e uma infinidade de fantasias que surgem na sua cabeça. Se passa por refinada e garante saber muito de modas, mas seus gostos são excêntricos, sua inteligência é escassa e, de modas, tem muitas maletas cheias de roupa de origem duvidosa.

Garante falar francês perfeitamente, mas não sabe meia dúzia de palavras e frases com as quais convence aos crédulos que nela confiam. Como é de se esperar, se veste e se maquia extravagantemente, sobretudo para “deslumbrar” ao povoado onde chegou. Silvana é presunçosa, materialista, extremamente superficial e sobretudo inconsciente. Em sua corrida para conseguir luxos e comodidades, não se importa em atropelar a quem seja, sem sentir nenhum remorso, já que não parece gostar absolutamente de ninguém. A sós, trata sua filha muito mal e lhe dá conselhos perversos que qualquer um pensaria em odiá-la. Ela atira a pedra, esconde a mão e ainda se faz passar por vítima.

Algo que realmente ama é o dinheiro. Não há nada, nem ninguém melhor que ele. E em sua ambição desmedida, comete injustiças e erros espantosos. Não há dúvida, Silvana é alguém que chega a ser odiada, mas é digna de pena por sua incrível burrice e por sua falta de juízo para administrar sua vida. É uma vilã que desperta mais risos do que raiva.


Lourença Cardona de Machado (María Helena Doering)

Tem 52 anos. Mãe de Marcelo Machado, é a dona de uma fazenda produtora de leite, a qual lhe ocupa o tempo e é sua grande distração, sobretudo depois da morte de seu esposo em um acidente. Lourença é uma mulher forte, de uma franqueza que beira a grosseria. É alegre, bondosa, sem complicações extremas, compreensiva e carinhosa, mas também muito áspera e agressiva quando se propõe, especialmente com sua grade inimiga: Regina de Galeano, a vizinha que foi sua maior amiga durante muitos anos.

Não perde oportunidade para aproximar-se ao cercado que divide seus terrenos e caçar confusão com ela, na base do grito. No fundo, a verdade é que Lourença gosta muito de Regina, como uma irmã, mas por uma razão misteriosa, ao invés de lhe demonstrar carinho, descarrega toda sua fúria contra ela.

É dinâmica, ágil, vigorosa, monta a cavalo, trabalha como um peão, dá conta do recado sem nenhuma preguiça. Adora suas vacas, pelas quais tem ganhado muito prestígio na região. Também aprecia seus trabalhadores. Finge odiar os filhos de Regina, mas, no fundo, sente carinho.

Se interessa muito pela sorte de sua afilhada, Lola Carrero, a quem trata de proteger, até que entram em jogo os sentimentos de seu filho. Diante do conflito que surge, permite que Lola saia de sua casa e vá para a de Regina e, apesar de tudo, não a descuida, sempre está tomando conta dela.

De bom humor, Lourença é uma senhora justa, que mesmo com as verdades, se compadece da situação de sua cunhada e de sua sobrinha. Sua grande preocupação é a felicidade e a estabilidade de seu filho. É uma mulher de caráter, que esconde seu amor, sua bondade e sua preocupação. Tem a serenidade de uma senhora que adora o campo, a natureza e o carinho que sente para com seu próximo. Está conservada fisicamente, não é nada vaidosa e muito menos se preocupa em parecer bonita. Quase não se maquia, nem veste extravagantemente, ela é simples e natural em todo sentido, por fora e por dentro. E quando quer ser elegante, sabe ser, porque é uma verdadeira dama.


Aquiles Barraza (Gustavo Angarita)

Tem 60 anos, mesmo aparentando muito mais. É um velho misterioso que vive nas montanhas que circundam Horneros. Mora em um casarão em ruínas deixado por sua família, da qual não resta ninguém mais além dele. Seu trabalho é criar e manter seus porcos com as sobras que recolhe nas casas do povoado, onde sempre aparece montado em sua mula, com os tambores e vasilhas.

Aquiles parece um retrato, porque nunca é visto com outra roupa. Sempre usa o velho chapéu, surrado e amassado, que já não sabe qual é a cor, assim como seu agasalho, sua camisa e sua calça que sustenta com uma corda, já que é extremamente mesquinho para comprar um cinto. Tampouco usa sapatos. Usa alpargatas, pois os pés largos e deformados sequer cabem em algum calçado.

Tem uma barba longa e bastante descuidada. Sua aparência fede, de tão suja que é. Nota-se que nunca toma banho e é mais porco que seus porcos. Além disso, é mão-de-vaca ao extremo, o que gasta, gasta com dor no coração e quase nem come para não perder dinheiro. Porém, sobre este indivíduo se contam muitas histórias. Dizem que a família lhe deixou uma imensa fortuna, que possui muitas propriedades e até um tesouro escondido no casarão, mas que ele não gasta um centavo.

De voz rouca, o velho é grosso, baixo e agressivo, sempre está prevenido e preparado para se defender com sua escopeta que sempre o acompanha e com a qual afugenta os intrometidos que se atrevem a aproximar-se de sua morada com a intenção de lhe roubar seu suposto tesouro. É antipático, malicioso, mal-intencionado, ofensivo, definitivamente, um ser indesejado. Não se sabe como os habitantes de Horneros o suportam. O certo é que é uma figura extremamente misteriosa.

Tem muito a ver com Lola, já que é o pai da mãe dela, portanto, Aquiles é o avô de Lola e nunca perdoou sua mãe por ter se casado com um pobre mineiro, José Carrero. Durante um bom tempo o velho parece ser uma pedra no calçado de Lola, mas, após viver com ela, sem se propor, torna-se seu salvador. É alguém que pode ser perigoso, mas que possivelmente esconde um passado secreto que virá à tona quando morrer, deixando Lola como herdeira. O velho dá medo, talvez por isso, a todo momento espanta Priscila.


Regina de Galeano (Diana Quijano)

Tem 56 anos. É a vizinha de Lourença e, assim como ela, tem uma fazenda produtora de leite, a qual administra com alguns trabalhadores e principalmente com seus filhos mais velhos: Romano e Renato. Perdeu seu esposo no mesmo acidente sofrido pelo esposo de Lourença e, desde então, tornaram-se inimigas de mentirinha. Sempre que pode, caminha até o cercado que divide as propriedades para bater boca com Lourença, por quem sente carinho como sua mais querida irmã, mesmo que negue garantindo que a detesta.

Como Lourença, parece gostar dessas batalhas que não passam dos insultos. É uma senhora robusta, talvez não tão ágil como Lourença, mas também muito trabalhadora, pois lhe tocou lutar com unhas e dentes para manter a fazenda e seus quatro filhos: Romano, Renato, Ricardo e René, aos quais trata militarmente, para discipliná-los. Regina é uma excelente mãe e por seus filhos é capaz de tudo na vida, mas, às vezes, exagera em sua severidade e os rapazes, naturalmente, se rebelam ou fazem alguma desordem.

É uma senhora culta, com bons conhecimentos, mas não é sofisticada, nem delicada, nem ao menos diplomática. Em sua franqueza também se identifica com Lourença. Também não seria capaz de causar dano a ninguém, nem ao seu pior inimigo. É uma mulher justa, bondosa, carinhosa, mas também autoritária, muito segura de si, exigente e durona. Com ela todo mundo sabe que deve andar na linha, pois não é pessoa de segundas intenções, nem se dá ao trabalho de disfarçar seus gostos ou desgostos.

Não quer se passar por fina, nem por importante, mas, tratando-se de seus filhos, exagera nas qualidades. Para ela, não existem homens mais íntegros, mais inteligentes, nem mais fortes, nem mais destacados que seus quatro filhos e sempre quer colocá-los no alto, na frente e acima de todos. É incansável. Vive trabalhando, dirigindo e enfrentando conhecidos e estranhos para conservar a ordem. Como Lourença, é muito natural e se arruma o necessário, não exagera na maquiagem, nem nos penteados, nem se esforça por se parecer bonita. Tudo isso a torna descuidada.


Romano Galeano (Tiberio Cruz)

Tem 26 anos. É o mais velho dos filhos de Regina. É um jovem atlético, bom moço, mas um pouco orgulhoso. Sabe que é um dos galãs do povoado e não desperdiça oportunidade para paquerar a todas as garotas bonitas que apareçam na sua frente. É um pouco convencido, soberbo e pretensioso, mas não é má pessoa, pelo contrário. Renunciou aos seus estudos na capital e preferiu continuar vivendo no povoado, ajudando na fazenda e a sua mãe, a quem respeita muitíssimo.

Este rapaz é um tanto ingênuo para sua idade, mas isso devido à severidade com a qual tem sido educado. No entanto, não deixa de ser o valentão do povoado, aquele que se compara com todos e em tudo quer sair ganhando. Ama seus irmãos, assim como sua mãe. É um pouco agressivo e quando procuram briga, a encontram nele. Tem certo humor e às vezes é terno e bastante carinhoso. Porém, sabe que é o mais velho dos Galeano e deve estar à altura dessa honra.

Guarda certa rivalidade com Marcelo Machado, mas não o odeia. No fundo, gosta dele como se fosse um de seus irmãos. Mas, como os dois estão apaixonados por Lola, vivem com problemas. O rapaz é apaixonado, sexy, provocador, mas tem bons sentimentos e é gente de bem. Seria incapaz de cometer um ato precipitado. Quando se equivoca reconhece seu erro e trata de corrigi-lo. É responsável e trabalhador. É um galã que está enfeitiçado pelos encantos de Lola.


Renato Galeano (Pablo Azar)

Tem 23 anos. É o segundo dos filhos de Regina. Quase sempre anda com Romano, seu irmão mais velho, a quem acompanha em suas aventuras amorosas, brigas e travessuras juvenis. Tem boa disposição, mas é menos atlético que Romano, como também é menos pretensioso. Tem certo sucesso com as garotas, mas não chega a ser exibido, nem tão convencido. É um bom rapaz, trabalhador, obediente em seus deveres, amante de sua família, um pouco romântico e muito sonhador. Isso é algo que mantém em segredo, ainda que às vezes deixe escapar.

Como todos os jovens, tem enfrentamentos com sua mãe e seus irmãos, às vezes, tem mal caráter, mas em termos gerais é um rapaz pacífico, ainda que em algumas ocasiões aparente ser o valentão para se colocar ao nível de seu irmão mais velho. Também tem muito humor. É um cara simpático e como quase todos os que conhecem Lola, acaba se interessando por ela.


Ricardo Galeano (Jonathan Islas)

Tem 17 anos. É o terceiro filho de Regina. Um dos pequenos como os chama Regina, que vê seus filhos como bebês. Este rapaz é cantor do coral da igreja e dá uma de barítono, ainda que seja apenas um pintinho para comportar-se como um galo. É o mais vaidoso dos Galeano. Gosta de se arrumar, se manter bem vestido, bem penteado, estar elegante e sentir-se alguém muito especial, convencido de que sua voz é maravilhosa e encanta a todos.

Como todo artista, é romântico, perfeccionista, guerreiro, desconfiado. Se sente o preferido de sua mãe e usa muito esta vantagem para se destacar no restrito círculo social de Horneros. Se interessa muito por Lola, a defende e acredita estar apaixonado por ela. Convive muito com seu irmão mais novo, René, e tem diferenças com seus irmãos mais velhos, seja pela idade ou por questões de autoridade e importância. Ainda assim, não deixa de ser um garoto travesso, ainda que aparente certa compostura que o diferencia de seus demais irmãos.

René Galeano (Santiago Gómez)

Tem 15 anos. É o mais novo dos Galeano. É o gênio da família, o grande orgulho de Regina, que sonha vê-lo convertido em um grande cientista. E isso porque o rapazinho não para quieto em nenhum momento. Parece um louquinho inventando máquinas e aparelhos doidos, que quase sempre acabam causando alguma explosão, aterrorizando os que estão por perto. Como todo gênio, é distraído e quando não está estudando, quase sempre vive trancado em seu laboratório, dedicado às fenomenais criações que até o momento não deram resultados positivos, mas o garoto não se acovarda e segue em frente, empenhado em sua tarefa.

Seus irmãos mais velhos o consideram um perigo. O único que lhe entende é Ricardo, ainda que às vezes saiam na briga, já que René é encrenqueiro. É muito exigente e não se dá muito bem com seus irmãos mais velhos. Isso não quer dizer que não goste deles. Na verdade, os quatro se gostam e são muito unidos, ainda que tenham seus probleminhas, como ocorre em todas as famílias.

O gênio ainda é um garoto e suas responsabilidades são poucas. Parece interessar-se mais por suas criações do que por coisas do amor, algo que desconhece, mas gostaria de conhecer através de Lola, a quem ingenuamente pretende conquistar.


Juana Palomino (Claudia Rocío Mora)

Tem 45 anos. É a empregada de confiança de Lourença e a mais antiga. Juana é gordinha, boa trabalhadora, muito responsável e muito leal com Lourença e com Marcelo, a quem conhece desde muito pequeno, mas tem um grave defeito e é sua insegurança. Pensa que podem substitui-la, ou que pode perder sua importância, e isso a leva a cometer sérias injustiças e erros com Lola, a quem prejudica gravemente com as histórias descabeladas que inventa e que começam a invadir o povoado.

Além disso, é supersticiosa, digna filha de uma feiticeira de circo, a quem menciona a todo momento para parecer importante. Sem se propor, talvez, destrói a reputação de Lola, torna-se desconfiada e atenta contra ela. Mais tarde, reconhecerá seus erros e voltará a ser a empregada agradável que foi no começo, antes da chegada de Lola, por quem aprenderá a sentir grande carinho. Não é uma pessoa de maus sentimentos, mas seu comportamento equivocado a faz inimiga de Lola.

Blog Widget by LinkWithin

Nenhum comentário: