quarta-feira, 5 de março de 2014

Biografia de Aracely Arámbula


INTRODUÇÃO

Aracely Arámbula Jaques nasceu em 06 de março de 1975, na cidade de Chihuahua, estado de mesmo nome, localizado ao norte do México. De origem francesa, é filha de Manuel Arámbula e Socorro Jaques. Atriz, cantora, modelo, apresentadora e empresária, Aracely tem um irmão, o médico cirurgião Leonardo Arámbula, que também é seu empresário. É mãe de dois filhos, Miguel, de sete anos, e Daniel, de cinco, frutos de sua união com o cantor mexicano Luis Miguel, com quem conviveu de 2005 a 2009.


SUA HISTÓRIA

Desde muito pequena, “La Chule”, apelido que recebeu na infância devido aos seus olhos verdes, esteve ligada à atuação. Sonhadora e enigmática, aos treze anos incursionou no mundo da modelagem e começou a participar em peças de teatro organizadas pelo colégio onde estudava. No ensino médio, é eleita Rainha Estudantil, o que a leva a representar sua escola a nível regional, obtendo o título de Rainha das Rainhas. Posteriormente, é eleita como o Rosto Adolescente de Chihuahua e conquista o prêmio de Melhor Silhueta; pouco depois, é eleita Rainha das Festas de Outubro de Chihuahua.

Aos dezessete anos, abandona Chihuahua, faz suas malas e se muda para a Cidade do México, com o sonho de tornar-se uma brilhante atriz de telenovelas. Seu desejo, fruto de seu esforço e de muita sorte, se converteu em realidade.

Em 1993, é nomeada Rosto do Ano, o que serviu para que diversos produtores da capital notassem a existência desta jovem que trabalhava com tenacidade para obter um lugar de destaque no complexo mundo da interpretação. Decidida a dedicar-se de corpo e alma à atuação, Aracely tinha claras suas aspirações e, com a aprovação de seus pais, ingressa no Centro de Educação Artística da Televisa (CEA).

Em 1994, após dois anos pisando na Cidade do México, torna-se um rosto habitual dentro da televisão mexicana. Aracely conquista pequenos papéis em Prisioneira do amor, produzida por Pedro Damián, protagonizada por Maribel Guardia e Saúl Lisazo, exibida no Brasil pela Rede CNT - Gazeta, e Acapulco, cuerpo y alma, produção de José Alberto Castro, de 1995, estrelada por Patricia Manterola e Saúl Lisazo; depois disso surgiriam grandes oportunidades.

Em 1996, é nomeada o Rosto de El Heraldo de México, concurso de beleza realizado pelo jornal El Heraldo de México, que desde 1966 até 2003 promoveu novas figuras dentro do ambiente artístico. Neste mesmo ano, faz uma pequena participação na telenovela Canción de amor, uma produção de Luis de Llano Macedo, protagonizada por Eduardo Capetillo e Lorena Rojas.

Ainda em 1996, durante seu terceiro ano de estudos no CEA, recebe a oportunidade de atuar na telenovela Canavial de paixões, como Leticia Cisneros, também exibida aqui no Brasil, pela Rede CNT - Gazeta. Produzida pelo casal Humberto Zurita e Christian Bach, com Daniela Castro, Juan Soler, Francisco Gattorno e Patricia Navidad nos papéis centrais, esse folhetim ganhou uma versão nacional, produzida pelo SBT, em 2003, e recentemente um remake mexicano, Abismo de pasión, de 2012.

Em 1997, Aracely interpreta a versão jovem da personagem de Verónica Castro em Pueblo chico, infierno grande, uma telenovela de José Alberto Castro, onde participa nos primeiros dez capítulos como Leonarda Ruan. Nesta ocasião, é o par romântico de Kuno Becker, com quem voltaria a contracenar neste mesmo ano em A alma não tem cor, na pele de Margarida Roldán, a irmã mais nova de Guadalupe, vivida por Laura Flores. Nesta produção de Juan Osorio, Aracely divide créditos com Arturo Peniche, Celia Cruz, Lorena Rojas, Claudia Islas, Ofelia Guilmáin, entre outros.

Também em 1997, protagoniza ao lado de um dos seus primeiros amores, Rodrigo Vidal, o musical Los muchachos de Nueva York, produzido por César Balcázar e inspirado no filme Newsies, produzido por Walt Disney Pictures, em 1992. Nesta ocasião, divide o cenário com figuras como Ricardo de Pascual Jr., Veronica Jaspeado, Marychelo, Gustavo Rojo, Martha Fernanda, Marisol Mijares, Alejandra Ley, Flor Trujillo e com mais de 60 atores.

Em 1998, dá vida a sua primeira vilã em Rencor apasionado, telenovela de Lucero Suárez, protagonizada por Natalia Esperón e Eduardo Santamarina, onde Aracely encarna a malvada Mayté Monteverde, uma respeitável senhora da sociedade que, na intimidade, resultava ser uma vilã sensual e assassina. Neste mesmo ano grava seu primeiro CD, Bla, Bla, Bla, o qual não foi lançado oficialmente, com os temas Mil besos; Para amar eternamente; Bla, Bla, Bla; Niña mujer e Dime, que, posteriormente, embalaria as cenas românticas de Abraça-me muito forte. Também neste ano sobe aos palcos para apresentar a peça Hermanos de sangre, junto a consagradas figuras como Julissa, Benny Ibarra, Yvonne Méndez, Martha Escobar, Arturo Masson e Alex Ibarra, com quem Aracely vive um breve romance.

Ainda em 1998, participa na telenovela juvenil Soñadoras, como Jacqueline de la Peña, personagem que a leva a ser nomeada como Melhor Atriz Revelação nos Prêmios TVyNovelas, do qual Sabine Moussier sai vitoriosa graças a sua atuação em O privilégio de amar. Soñadoras foi uma produção de Emilio Larrosa e umas das tramas juvenis de maior sucesso de todos os tempos, estrelada por Alejandra Ávalos e Arturo Peniche; contou também com a participação de José Carlos Ruiz, Michelle Vieth, Angélica Vale, Laisha Wilkins, Irán Castillo, Arath de la Torre, Diego Schoening, Jan, Kuno Becker e Eduardo Verástegui, com quem Aracely manteve um relação que foi além das câmeras.

Uma vez finalizada esta telenovela, Aracely forma parte de Alma Rebelde, em 1999, uma produção de Nicandro Díaz, protagonizada por Lisette Morelos e Eduardo Verástegui. Nesta ocasião, a atriz vive na pele de María Elena Hernández, a esposa de Emiliano, personagem de Verástegui. Ainda em 1999, se junta à Angélica Vale, Anahí, Mariana Garza, Bibi Gaytán e Alejandra Guzmán, entre outras intérpretes, para gravar Ellas cantan Cri-Cri, um disco de tributo ao já falecido cantor mexicano de música infantil Francisco Gabilondo Soler, onde Aracely interpreta a música La maquinita.

Sua consagração como protagonista chega com Abraça-me muito forte, do produtor Salvador Mejía, em 2000. Ao lado de Fernando Colunga, no papel de Carlos Manuel, Aracely interpreta Maria do Carmo, uma mulher terna, capaz de despertar o desejo em qualquer homem; cresceu aos cuidados de Estela, personagem de Rossana San Juan, quem acredita ser sua mãe, sem saber que Cristina, vivida por Victoria Ruffo, a quem sempre tratou como madrinha, é sua verdadeira mãe. Nesta produção, também divide cenas com Arnaldo André, César Évora, Helena Rojo, Nailea Norvind, Osvaldo Ríos e Pablo Montero, com quem Aracely engata um romance.

Por sua atuação em Abraça-me muito forte, é indicada aos Prêmios TVyNovelas como Melhor Atriz Protagonista, concorrendo com Anahí, por Primeiro amor - A mil por hora, e com Lucero, por Mi destino eres tú, que leva o troféu. Em maio de 2001, sai à venda o álbum Soundtrack Abrázame muy fuerte, que reúne doze canções interpretadas por Aracely, Pablo Montero e Juan Gabriel.

Também em 2001, Aracely Arámbula estreia no teatro Jorge Negrete a obra Coqueluche, comédia musical escrita originalmente pelo espanhol Roberto Romero e, nesta ocasião, adaptada por Mauricio Herrera. Acompanhada por Norma Herrera, Ramón Marques e Georgina del Rincón, com este trabalho Aracely teve a oportunidade de levar ao público uma história que Verónica Castro havia protagonizado 25 anos atrás.

Seu segundo papel como protagonista é brindado com Las vías del amor, de 2002, uma telenovela produzida por Emilio Larrosa, onde Aracely contracena com Jorge Salinas, além dos atores Enrique Rocha, Daniela Romo, Sasha Montenegro, Nuria Bages e Gabriel Soto, com quem também vive uma aventura amorosa. Neste folhetim, onde deu vida à personagem Perla Gutiérrez Vázquez, Aracely teve a oportunidade de interpretar o tema de abertura da telenovela, além de ser indicada aos Prêmios TVyNovelas na categoria Melhor Atriz Protagonista, perdendo o título para Yadhira Carrillo, por sua atuação em A outra.

Ainda em 2002, lança oficialmente seu primeiro álbum musical como solista, Solo tuya, que obteve grande aceitação por parte do público dos Estados Unidos, alcançando a posição 35 na lista da Billboard dos álbuns de música latina e posição 19 no México. No ano seguinte, é nomeada aos prêmios Billboard de música latina por Melhor Disco, Melhor Dueto, pela canção Te quiero más que ayer, com Palomo, e Melhor Tema Regional Mexicano.

Também em 2003, quando está a ponto de concluir as gravações da telenovela Las vías del amor, o excesso de trabalho faz com que fique doente. As constantes faltas às gravações geram uma multa de 290 mil pesos e uma visita ao hospital, onde é diagnosticada com gastroenterite.

Em 2005, Aracely lança seu segundo álbum de estúdio, Sexy, produzido por Abraham Quintanilla III, o irmão da falecida cantora Selena, alcançando a posição 20 nos Estados Unidos. Apresentado pela primeira vez no programa Otro Rollo, de Adal Ramones, o primeiro single do álbum, Sexy, alcança a posição 23 na lista Billboard Hot Latin Tracks. Neste mesmo ano, lança um dueto com o DJ Kane, Arriba.

Ainda em 2005, Aracely muda radicalmente. Sem ao menos terminar a divulgação de seu disco, surgem fotografias de um passeio de mãos dadas com o famoso cantor Luis Miguel, conhecido como “El Sol”, em Veneza, Itália. Não faltam fofocas dizendo que a atriz seria simplesmente mais um dos amores fugazes do cantor, assim como outras já haviam sido. Entretanto, a relação torna-se pública e a jovem atriz desaparece do ambiente artístico para se dedicar inteiramente a sua vida de casada ao lado de um dos cantores latinos mais famosos do mundo e, também, o mais reservado de todos.

Em 2006, aceita posar para uma sessão de fotos com pouca roupa para a edição de janeiro da Revista H, para deleite do público masculino e também de Luis Miguel. Quando o ano de 2007 apenas amanhecia, Aracely aparece na capa da revista ¡Hola! com Luis Miguel para apresentar seu primeiro filho, Miguel, nascido em 1° de janeiro. Pela primeira vez, o cantor abria sua intimidade ao público e aos meios de comunicação e não somente exibia seu herdeiro, mas também apresentava sua mulher.

Em julho de 2008 uma polêmica matéria publicada pelo extinto jornal El Centro, da Editorial Notmusa, noticia a existência de um contrato entre a relação da atriz com o cantor. Entre as cláusulas desse contrato, estaria a de que o ídolo mexicano pagaria 50 mil dólares mensais a Aracely por cada filho que tivessem juntos e estaria estipulado que teriam três. Também havia um acordo de confidencialidade, pelo qual “La Chule” não poderia revelar nenhum detalhe sobre sua intimidade com “El Sol”.

Ainda em 2008, grávida de seu segundo filho com Luis Miguel, Aracely retorna às telinhas com o programa ¡Viva la familia! realizado pela Todobebé, a principal empresa produtora de conteúdo infantil  do mercado hispânico. Em ¡Viva la familia!, exibido pela Univisión nos Estados Unidos, Aracely teve a chance de atuar como apresentadora e produtora executiva, ao lado de Jeannette Kaplun, e com esta nova oportunidade artística entrevistou diversas personalidades, revelando um pouco mais sobre suas intimidades.

Em outubro de 2008, cansada dos boatos sobre sua relação, dá uma entrevista a Televisa Espectáculos esclarecendo a situação do suposto contrato, afirmando que as especulações eram muitas e que se o mais importante para ela era sua família, como brincaria com isso, e como poderia existir um contrato.

Em dezembro 2008, a mesma revista ¡Hola! anuncia a chegada do segundo filho de Aracely e Luis Miguel, o pequeno Daniel, nascido no dia 18 deste mês. As fotos foram alvo de uma chuva de comentários a respeito da união do casal.

Em 2009, o conto de fadas aparentemente chega ao seu final. Luis Miguel se deixava fotografar com a socialite Genoveva Casanova; surgiram amantes no Chile e na Argentina, o que aumentaram os rumores de que a relação entre o “El Sol”, com 39 anos, e “La Chule”, com 34, havia chegado ao seu fim. Aracely, como resposta, anuncia seu retorno aos cenários.

Assim, seis anos ausente das telenovelas, Aracely Arámbula faz seu retorno triunfal aos estúdios de gravação para ser a protagonista da enésima versão de Corazón salvaje, na qual obtém um duplo papel, junto a Eduardo Yáñez, realizando dois personagens: a heroína, a doce Regina Montes de Oca Rivera, e a vilã, a malvada e manipuladora Aimée Montes de Oca Rivera. Realizada por Salvador Mejía, a produção brindou Aracely com um contrato multimilionário, já que havia conquistado ainda mais fama por ser esta a primeira telenovela que estrelava depois de ter sido a esposa de Luis Miguel.

Em 2010, a atriz e cantora toma de Niurka Marcos, Ninel Conde e Maribel Guardia a personagem protagonista de Perfume de Gardenia, a obra mais esperada no México pelo elenco milionário e cheio de estrelas que se reúne no cenário. Nesta ocasião, encarna durante dois anos a personagem Gardenia Peralta, ao lado de galãs como David Zepeda, Jorge Salinas, William Levy e Sebastián Rulli, sucesso no México e nos Estados Unidos, considerado por muitos o espetáculo rival de Aventurera. Nesta época, surgem os rumores de um romance com o ex-jogador de futebol Arturo Carmona, com quem também atuou em Perfume de Gardenia.

Em 2012, após alguns dias de haver se despedido do musical Perfume de Gardenia, Aracely Arámbula se lança como empresária com o apoio de seu amigo e designer de joias Daniel Espinosa, apresentando sua coleção infantil Sweet Dreams by Aracely, inspirada em seus filhos Miguel e Daniel, na Costa Rica, junto a Adal Ramones. Neste mesmo ano vem a público seu romance com o companheiro de cena em Perfume de Gardenia, Sebastián Rulli, com quem permaneceria por pouco mais de um ano.

Ainda em 2012, a atriz mexicana posa com o famoso bigode de leite para a campanha publicitária Got Milk?, que busca criar consciência sobre a importância do leite na alimentação. Com uma série de vídeos nos quais relata lembranças de sua infância, bem como dá conselhos sobre como criar os filhos, Aracely se une a lista de personalidades latinas como Sofía Vergara e Salma Hayek, entre várias outras que já emprestaram sua imagem para esta campanha.

Em 2013, enfrenta um dos desafios mais difíceis de sua carreira em La patrona, uma telenovela da Telemundo, filmada em cenários naturais, incluindo fazendas e minas dos pitorescos povoados mexicanos de Querétaro e Zacatecas, onde Aracely interpreta uma mulher mineira que trabalha entre homens hostis, que não a aceitam neste trabalho um tanto rude. Nesta produção, a atriz se depara com a terra, com ferramentas reais e um trabalho em condições nunca antes vividas. Enfrentando o medo e lutando contra a claustrofobia, filma cenas em minas reais, em meio ao pó, à escuridão e à sensação de perigo eminente que rodeia todo aquele que adentra as profundezas de uma caverna.

Com este trabalho, onde dá vida a Gabriela Suarez e Verónica Dantés, Aracely divide créditos com Jorge Luis Pila, Christian Bach, Alisa Vélez, Erika de la Rosa, Geraldine Zinat, Irineo Álvarez e grande elenco. Além disso, grava dois temas para a telenovela, La patrona e Juntos tú y yo, que alcança sucesso mundial e registra altos picos de audiência em todos os países onde é exibida.

Em 2014, retorna ao teatro protagonizando junto a Gabriel Soto e Jessica Coch, a comédia ¿Por qué los hombres aman a las cabronas?, produzida por Rubén Lara e baseada no best-seller homônimo da escritora Sherry Argov, com enorme sucesso em todo o México. Dulce, sua personagem, é uma mulher atraente, mas com um grande problema de autoestima. Na ilusão de manter um homem ao seu lado é capaz de se rebaixar e quase ser uma fiel escrava a fim de deixá-lo feliz. Sua vida muda graças a uma amiga que lhe empresta um livro que descreve passo a passo como se tornar mulher interessante e irresistível, deixando de lado a atitude tímida.

Seu próximo projeto, também com a Telemundo, será o remake de Los miserables, épico drama francês do escritor Victor Hugo, que começará suas gravações ainda em 2014. Nesta nova telenovela, a atriz dará vida à outra mulher corajosa, que deve se esconder até demonstrar sua inocência diante de sua família e de seu perseguidor, a quem não pode odiar pela nobreza de seu coração, tudo isso em meio a um contexto moderno que recria situações atuais da sociedade, onde, assim como a clássica obra de Victor Hugo, tomam-se como referência as injustiças sociais e a luta eterna entre o bem e o mal.


SUAS ATUAÇÕES

TELENOVELAS

2013 - La patrona - Telemundo (Gabriela Suaréz / Verónica Dantés)
2009 - Corazón salvaje - Televisa (Regina Montes de Oca / Aimeé Montes de Oca)
2002 - Las vías del amor - Televisa (Perla Gutiérrez Vázquez)
2000 - Abraça-me muito forte - Televisa (Maria do Carmo)
1999 - Alma rebelde - Televisa (María Elena Hernández)
1998 - Soñadoras - Televisa (Jacqueline de la Peña)
1998 - Rencor apasionado - Televisa (Mayté Monteverde)
1997 - A alma não tem cor - Televisa (Margarida Roldán)
1997 - Pueblo chico, infierno grande - Televisa (Leonarda Ruan)
1996 - Canavial de paixoões - Televisa (Leticia Cisneros)
1996 - Canción de amor - Televisa
1995 - Acapulco, cuerpo y alma - Televisa
1994 - Prisionera de amor - Televisa

TEATRO

2014 - ¿Por qué los hombres aman a las cabronas? (Dulce)
2010 - Perfume de Gardenia (Gardenia Peralta)
2001 - Coqueluche
1998 - Hermanos de sangre
1997 - Muchachos de Nueva York

PROGRAMAS

2008 - ¡Viva la familia! (Apresentadora)
1996 - Mujer, casos de la vida real


SUA DISCOGRAFIA

2005 - Sexy
2002 - Solo tuya


SEUS PRÊMIOS

PRÊMIOS TU MUNDO

2013 - Protagonista Favorita (La Patrona)
2013 - O Casal Perfeito (com Jorge Luis Pila)

PRÊMIOS EL HERALDO DE MÉXICO

2001 - Melhor Atriz (Abraça-me muito forte)
1996 - O Rosto de El Heraldo de México

Blog Widget by LinkWithin

2 comentários:

Andy Indomável disse...

Foi graças a autação de Aracely em "La Patrona" que pude realmente perceber que ela é uma super atriz. Ela arrasou e com isso, mudou a minha opinião sobre ela.

Grace Kelly Balduino disse...

Eu sei que faz tempo, mas eu sou obcecada pela novela La Patrona, amei o trabalho dos protagonistas que arrasaram, sempre amei novelas latinas em geral (exceto brasileiras) mas essa foi ótima!