...

sábado, 4 de janeiro de 2014

RTI Producciones prepara remake da telenovela A madrasta



¿Quién mató a Patricia Soler? O título soa estranho, mas este é o nome provisório que se especula para a nova atração da produtora colombiana RTI para o Canal RCN: o remake da telenovela A madrasta, melodrama que teve suas origens no Chile, onde foi ao ar pela primeira vez em 1981, através do Canal 13, com Jael Unger e Walter Kliche na pele de Marcia e Esteban. Escrita por Arturo Moya Grau e dirigida por Óscar Rodríguez, durante sua exibição alcançou índices de sintonia jamais vistos na televisão chilena da época.

De lá pra cá, outras versões da história da mãe que é presa injustamente durante vinte anos e que ao sair vai à procura do verdadeiro culpado por um crime que não cometeu, enquanto se torna a madrasta de seus próprios filhos rendeu várias outras versões, devido ao seu grande sucesso.

A mais recente adaptação viu a luz há nove anos, no México, quando Victoria Ruffo viveu a chorona, mas forte e corajosa María em La madrastra, ao lado de César Évora, quem deu vida à Esteban San Román, folhetim este que atualmente é visto no Brasil pela segunda vez. Neste remake, que retomou o título chileno, as irmãs de Estevam na versão original são suas tias e, por curiosidade, a filha da protagonista leva o nome da assassina da versão chilena, Estrella.

Antes dessa refilmagem, porém, a história da mãe sofrida já havia sido levada ao ar em 1985, quando o chileno Valentín Pimstein produziu Vivir un poco, transmitida pelo Canal de las Estrellas, da Televisa, com Angélica Aragón e Rogelio Guerra nos papéis principais de Andrea e Gregorio Merisa Obregón. Aqui, a viagem dos amigos e o misterioso crime aconteciam em Buenos Aires.

Ana María Orozco em Somos familia (Telefe)
Anos depois, em 1996, novamente a Televisa, em uma coprodução com a Megavisión, realiza Para toda la vida, protagonizada pela mexicana Ofelia Medina e pelo chileno Exequiel Lavanderos, que deram vida à Elena e Fernando de Valdemoros, respectivamente. Nesta versão, o grupo de amigos viaja ao Chile, lugar donde se passa o assassinato.

Ainda em 1996, em mais uma coprodução, a Televisa realiza junto a Fox Television para o mercado estadunidense Forever, protagonizada por María Mayenzet e James Richer, nos papéis de Susan e Michael. Esta é a versão menos conhecida, porém, a que desfrutou de grande êxito na Rússia. Em Forever, é na Espanha que o crime acontece.

E para garantir o sucesso da versão colombiana, Fernando Gaytán, que recentemente renovou seu contrato com a RCN até 2016, seria o encarregado de levar à telinha esta apaixonante história de amor, vingança e suspense. Reconhecido em todo o mundo por sua impressionante trajetória, com êxitos mundiais como Betty, a feia e Café com aroma de mulher, o escritor teria a chance de realizar mais um grande melodrama.

Mas isso não é tudo, Ana María Orozco (foto), que se tornou mundialmente famosa por seu papel na recordada Betty, a feia é a principal candidata a protagonista da trama. Entretanto, as gravações desta produção devem se iniciar nos próximos meses, já que os executivos da RTI e RCN estão dispostos a esperar que a atriz finalize as gravações da comédia romântica Somos familia, na Argentina, para que possa chegar à Colômbia e estrelar ¿Quién mató a Patricia Soler?
Blog Widget by LinkWithin

Nenhum comentário: