domingo, 7 de novembro de 2010

Biografia de Bárbara Mori


INTRODUÇÃO

Bárbara Mori Ochoa nasceu em Montevidéu, Uruguai, em 02 de fevereiro de 1978. Filha de Yuyi Mori e Rosario Ochoa, que se divorciaram quando tinha três anos, a atriz, modelo, diretora e produtora tem ascendência japonesa do seu avô paterno e possui dois irmãos: Kenya e Kintaro Mori, com os quais permaneceu junto do pai após a separação.


SUA HISTÓRIA

Bárbara passou toda sua infância viajando entre o México e o Uruguai, porém, em 1990, aos doze anos de idade, mudou-se para a Cidade do México com seu pai e irmãos para viver e estabelecer-se definitivamente.

Aos catorze anos, trabalhava na La Nona, a pizzaria de seu pai, localizada na colônia Insurgentes. Foi aí onde seu físico e sua beleza chamaram a atenção de um dos clientes, o designer Marcos Toledo, que lhe ofereceu trabalho como modelo. Assim, se iniciou profissionalmente e desta maneira se introduziu, pouco a pouco, no mundo das passarelas e da publicidade do país. O que a princípio começava a ser uma ocupação de adolescente, tornou-se, com o passar do tempo, um trabalho sério, fruto de sua vocação.

Quando a pizzaria veio a falência, Mori resolveu trabalhar como garçonete em um restaurante japonês na Colonia del Valle, próxima de Liverpool Insurgentes. Mais adiante, deixou sua casa, argumentando que seu pai era demasiadamente estrito e começou seus estudos de atuação no Centro de Educación Artística de Televisa (CEA), onde estudou por cinco meses com Sergio Jiménez, porém não se formou.

Em 1996, começa a estudar no Centro de Estudios de Formación Actoral de TV Azteca (CEFAC), onde conhece o ator Sergio Mayer, com quem mantém uma relação de três anos, e da qual nasce o pequeno Sérgio Mayer Mori, em fevereiro de 1998.

Em 1997, Bárbara estreia diante das câmeras da televisão com um papel secundário na telenovela Al norte del corazón, da TV Azteca. Neste mesmo ano realiza uma aparição na telenovela Tric trac.

Poucos meses depois, em 1998, continua triunfando com uma participação na telenovela Olhar de mulher, interpretando Mônica, onde compartilha cenas com Angélica Aragón e Fernando Luján. Ainda em 1998, consegue seu primeiro papel protagônico na telenovela Azul tequila, ao lado de Mauricio Ochman. Sua interpretação convence aos profissionais do gênero, no México, e estes acabam por lhe outorgar, neste mesmo ano, o prêmio Melhor revelação TVyNovelas.

Em 1999, se muda a Miami por um ano para protagonizar Me muero por ti, ao lado de Christian Meier, e no ano seguinte, em 2000, volta ao México, estrelando o filme Inspiración, compartindo créditos com Arath de la Torre. Decide se separar de Sergio Mayer, com o qual ainda mantém boa relação.

Em 2001, protagoniza a telenovela Amor es… querer con alevosía, e neste mesmo ano seu nome salta também aos cenários teatrais, onde é a protagonista de Vaselina, uma produção de Julissa,  interpretando Sandy Tontales, ao lado de seu namorado Alex Ibarra. Sua experiência é tão positiva que Bárbara a repete no ano seguinte com a obra Celos dije.

A seguinte telenovela na qual Mori participa lhe serve para romper alguns dos esquemas pré-fabricados em seu entorno. Em Súbete a mi moto, realizada em 2002, representa, pela primeira vez em sua carreira, um papel de vilã. Sua espetacular beleza lhe serve para algo mais que encarnar os tradicionais papéis de jovens garotas indefesas. Ainda em 2002, adquire cidadania mexicana, mesmo tendo origem uruguaia, basca, libanesa e japonesa.

Em junho de 2003, volta à Mirada de mujer: El regreso, mas, devido a compromissos, só participa dos primeiros capítulos e, depois de poucos dias, viaja para Miami para protagonizar Amor descarado, da Telemundo, ao lado de José Ángel Llamas e Ivonne Montero.

Em 2004, assina com a Televisa e protagoniza a telenovela Rubi, produzida por José Alberto Castro, juntamente com Eduardo Santamarina, Sebastián Rulli e Jacqueline Bracamontes, a qual se torna êxito a nível mundial. Esta é sua última atuação em telenovelas até o momento e com sua participação pode-se dizer que Mori obtém o maior reconhecimento do público de seu país e torna-se uma verdadeira estrela audiovisual de caráter internacional.

Em 2005, ao final da telenovela, decide voltar ao cinema com duas participações, uma delas na dublagem da animação Robôs, na qual dá voz a personagem Cappy e a outra como protagonista do drama amoroso A mulher do meu irmão (La mujer de mi hermano), baseada no romance de mesmo nome de Jaime Bayly, gravada em Santiago do Chile, com produção peruana, argentina, mexicana e americana.

O filme, que também conta com a participação de Christian Meier e Manolo Cardona, com quem Bárbara estabeleu um romance, recebe críticas diversas. Neste mesmo ano, Bárbara inicia uma nova relação amorosa com José María Torre, com quem atualmente está associada em sua casa produtora, Celeste Films.

Em 2006, protagoniza Pretendiendo, no qual interpreta, em uma parte do filme, a personagem de uma garota com obesidade. Em 2007, grava o filme Por siempre e, para 2008, continua ampliando sua carreira no cinema, participando nos filmes Violanchelo, conhecido também como Amor, dolor y viceversa, produzido por Billy Rovzar e por ela mesma, e Coisas insignificantes, que conta a história de Esmeralda, uma adolescente com uma obsessão incomum: colecionar objetos perdidos, esquecidos ou descartados, os quais são guardados em uma caixa embaixo de sua cama.

Em 2009, dá vida à Natasha, no filme Kites, produzido pelo cinema da Índia, comumente chamado Bollywood, e lançado simultaneamente em trinta mercados internacionais, onde Bárbara interpreta uma jovem mexicana que viaja aos Estados Unidos, buscando tirar sua família da pobreza a todo custo. Lá, então, seduz um homem rico e tempos depois conhece um golpista pelo qual termina apaixonada e com quem decide fugir, deixando toda a riqueza de lado.

Em agosto de 2010, se confirmam os boatos de que Bárbara Mori e o cantor chileno Beto Cuevas estariam namorando. Ambos tiveram a oportunidade de se conhecer em 2005, durante a gravação de A mulher do meu irmão, quando Bárbara era namorada de Manolo Cardona e Beto ainda estava casado com a modelo argentina Estela Mora. A revelação é trazida à luz pela revista mexicana Quién, revelando fotos do casal passeando abraçados pelas ruas de Nápoles, Itália.

Para 2010, Bárbara se prepara para estrear a peça teatral levada ao cinema em 1965, e baseada no bestseller do britânico John Fowles, onde Bruno Bichir é Frederick, um tímido aficionado pelas borboletas, que um dia decide agregar à sua coleção uma espécie muito peculiar: uma bela estudante de artes, chamada Miranda, a cargo de Bárbara Mori. A protagonista é sequestrada e escondida no sótão de uma casa de campo no meio do nada, com o único propósito, por parte do colecionador, de algum dia conseguir seu amor. A peça, produzida por Jorge Ortiz de Pinedo, conta com a direção de BenjamÍn Cann e estreia no próximo 12 de novembro, no Teatro Helénico, México.

Já para 2011, a também produtora Bárbara, espera estrear Viento en contra, em produção há três anos, em colaboração com a companhia transnacional Warner, que narra o pesadelo de Luisa, uma executiva financeira que descobre que alguém a tem envolvido em uma fraude, mas escapa para demonstrar sua inocência antes que a polícia a prenda. Sob a direção de Walter Doehner, o filme conta em seu elenco com Fernando Luján, Isaura Espinosa, Roberto Sosa e Mauricio Islas.


SUAS ATUAÇÕES

TELENOVELAS

2004 - Rubi (Rubi/Fernanda)
2003 - Amor descarado (Fernanda)
2003 - Mirada de mujer: El regreso (Mónica)
2002 - Súbete a mi moto (Nelly)
2001 - Amor es… querer con alevosía (Carolina)
1999 - Me muero por ti (Santa)
1998 - Azul tequila (Azul)
1997 - Olhar de mulher (Mônica)
1997 - Tric trac
1997 - Al norte del corazón

FILMES

2011 - Viento en contra (Luisa)
2009 - Kites (Natasha)
2008 - Coisas insignificantes (Paola)
2008 - Violanchelo
2007 - Por siempre
2006 - Pretendiendo (Amanda/Helena)
2005 - A mulher do meu irmão (Zoé)
2001 - Inspiración (Alejandra)

PEÇAS TEATRAIS

2010 - El coleccionista (Miranda)
2002 - Celos dije
2001 - Vaselina (Sandy)


SEUS PRÊMIOS

PRÊMIOS TVYNOVELAS

2005 - Melhor atriz protagônica (Rubi)
1998 - Melhor atriz revelação (Olhar de mulher)
Blog Widget by LinkWithin

3 comentários:

Tania Cazella disse...

Perfeita esta matéria, adorei. Eu adoro a novela Rubi e atualmente estou assistindo pelo Canal Tlnovelas, a novela está quase no final. A atriz Barbára Mori é uma ótima atriz e linda também.

O seu Blog está show...parabéns!!!

Anônimo disse...

Barbara além de ser uma boa atriz é uma linda gata, seria ótimo se ela fizesse mais novelas.

Raquel gomes disse...

Euu amo a barbara amo a rubi e asistu muito ainda pelo dvd.q mandei fazer com toda novela rubi...eu te amo bárbara morim..ass:morena