...

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

O surgimento da TV no México e o monopólio da Televisa - Parte 3

Em 1983, o Canal 13 ampliaria suas transmissões e criaria o Instituto Mexicano de Televisión (Imevisión), um sistema estatal de televisão. Era visível a diferença de programas transmitidos na Televisa e na Imevisión. Enquanto a primeira rejeitava os movimentos revolucionários, a estatal era totalmente a favor deles. Entretanto, no quesito programação estrangeira, no Canal 13 predominavam as séries norte-americanas, assim como no Canal 2, o principal da Televisa, porém em menor quantidade.

O consórcio Televisa recebeu inúmeras concessões de canais e estações de rádio e adquiriu grande poder econômico e político graças à produção a todo vapor de telenovelas, um investimento rentável para a emissora, e à expansão de transmissões esportivas, além da aquisição de sua própria equipe e estádios no país.

Com a Televisa permanecem o Canal 2, o Canal de las estrellas, com predomínio das telenovelas e noticiários; o Canal 4, Canal de la Ciudad; o Canal 9, Galavisión, de programação variada, e o Canal 5, de desenhos animados, filmes e séries de aventura. O monopólio conta inclusive com estações de rádio, empresas editoriais, salas de cinema, estádios, produtoras de vídeo e acesso a Internet pelo portal esmas.com.

A Televisa é dona da televisão paga mais acessível no México, além de ser proprietária da Sky. Este poder de inibir o êxito de outros canais vai de encontro à situação nos demais países da região, onde a TV a cabo está cada vez mais desenvolvida e acessível.

Um passo muito importante destaca a Televisa no mercado internacional, com a criação da Univisión, parceria entre Televisa e Venevisión, da Venezuela, emissora destinada ao público hispânico, cada vez maior e mais influente, residente nos Estados Unidos. A internacionalização veio do quase já saturado mercado da Televisa em território mexicano.

Não só o canal, mas também o endereço eletrônico (www.univision.com), é um dos favoritos para quem quer estar por dentro da vida dos artistas e saber tudo sobre as telenovelas mexicanas exibidas naquele território. Além de poder frequentar fóruns sobre famosos e de telenovelas que reúnem participantes de diversas localidades do mundo, inclusive um grande número de brasileiros.

A programação da Televisa também chega a países da América Latina e da Espanha. O Canal de las estrellas é visto diariamente nos Estados Unidos, na América Central e do Sul, na Europa e na África. É o preferido do público mexicano, e onde são transmitidas as telenovelas favoritas, inclusive as que são vistas no SBT e na Rede CNT. O sustento da televisão mexicana está em suas telenovelas, que, assim como as demais programações, recebem atenção especial para tornarem-se cada vez mais atrativas nacionalmente e aos destinos de exportação.

Como vimos, entre 1975 e 1985 houve um boom de concessões de TV’s regionais e de criação de canais educativos e culturais, que ao longo da história mexicana de televisão acabaram por funcionar como válvula de escape de um sistema televisivo que sempre pôde resolver seus conflitos e sair triunfante com a sempre oportuna intervenção e generosas concessões dos governantes do PRI.

Foi nesse período que nasceu a Imevisión que durou dez anos, quando foi adquirido pela Televisión Azteca, junto com o canal cultural 22, num momento em que o governo colocava à venda canais televisivos estatais.

Quando começou a obter maior êxito, em 1993, ano de sua privatização, no governo de Carlos Salinas de Gortari, a TV Azteca resolveu investir em telenovelas e noticiários para competir com a Televisa. Conseguiu atingir bom nível com as produções criativas Nada personal (Traição) e Mirada de mujer (Olhar de mulher). Assim, ambas emissoras, Televisa e TV Azteca seguem na competição entre si na guerra pela audiência, embora a última jamais tenha se constituído numa sólida ameaça.
Blog Widget by LinkWithin

Um comentário:

José Henrique Kautzmann disse...

A Televisa realmente é uma verdadeira potência no México, assim como a Rede Globo é no Brasil.
É até difícil argumentar sobre qual grupo (Televisa ou Globo) exerce mais influência em seus respectivos países de origem! Ambas concorrem de igual para igual! Enquanto as concorrentes, lutam, muitas vezes sem sucesso, para chegar ao seus pés.
Parabéns pela postagem!