quarta-feira, 7 de julho de 2010

Biografia de Leticia Calderón


INTRODUÇÃO

Carmen Leticia Calderón León nasceu em Puerto de Guaymas, estado de Sonora, no México, em 15 de julho de 1968. Filha de Mario Calderón e Carmen León, tem três irmãos: Mario, Alejandro e Miguel. É mãe de dois filhos: Carlo e Luciano, este último, portador da Síndrome de Down.


SUA HISTÓRIA

Durante sua infância, Leticia viveu em Alvarado, Veracruz e La Paz, Baja California Sur. Já aos 13 anos, mudou-se para a Cidade do México, onde continuou seus estudos na escola Amado Nervo. Após, estimulada por familiares, se inscreveu em um casting para a escolha da protagonista de Chispita; mesmo não ficando com nenhum papel principal, Leticia participou como figurante e recebeu uma bolsa para o Centro de Capacitación Artística de Televisa.

Em 1983, aos 14 anos de idade, Leticia recebe sua primeira oportunidade na telenovela Amalia Batista, produzida por Valentín Pimstein. Com o cabelo pintado de preto, aparece como a filha mais nova de Susana Dosamantes. Por este papel recebe seu primeiro prêmio TVyNovelas, como Melhor Atriz Jovem. Após, em Bianca Vidal, aparece em uma breve cena trocando algumas palavras com a protagonista, Edith González.

Em 1984, participa em Principessa, produzida por Pimstein, interpretando a filha cega de Angélica Aragón. Já em 1985, atua em El ángel caído. Em 1986, aparece nos primeiros capítulos de Monte Calvario, como a prima de Edith González, e, no mesmo ano, atua em El camino secreto, onde interpreta Alma, a primeira vilã de sua carreira, tornando impossível a vida de Daniela Romo, com este papel começa a ganhar fama.

Em 1987, atua em Tal como somos, onde interpreta Vicky, uma humilde taxista, filha de Julissa e José Alonso. Neste mesmo ano realiza casting para La indomable e consegue seu primeiro papel protagônico interpretando María Fernanda Villalpando, uma milionária amaldiçoada, que, após se apaixonar e sofrer, muda sua sorte. Este papel ainda permanece na memória de muitos e, desde então, a carreira de Leticia começa a se alavancar.

Em 1989, realiza seu segundo protagônico em La casa al final de la calle, uma história gótica, onde atua ao lado de Héctor Bonilla e Angélica Aragón, demonstrando ter um grande talento e futuro como atriz, além disso era dirigida pelo cineasta Jorge Fons. As gravações eram feitas sem ponto eletrônico e os figurantes provinham do INBA (Instituto Nacional de Bellas Artes y Literatura), uma instituição do governo mexicano, dedicada à difusão de atividades artísticas e culturais que se realizam a nível nacional, incluindo o âmbito educativo.

Em 1990, Ernesto Alonso a chama para protagonizar Eu compro essa mulher, tornando-a uma de suas atrizes favoritas. Com o papel da altiva Ana Cristina Montes de Oca, Leticia acabaria por consolidar-se como uma das protagonistas aprovadas pelo público, mostrando que era possível encontrar beleza e talento extremos em uma só atriz de televisão.

Em 1991, protagoniza Valéria e Maximiliano, ao lado de Juan Ferrara, para muitos, o melhor papel de Leticia, que realizou uma criação caprichosa, irônica, forte e orgulhosa: Valeria Landero, uma jovem de bem que tinha de tirar sua família do fundo do poço quando esta perdia sua fortuna.

Em 1993, grava a telenovela Entre la vida y la muerte, seu quinto papel protagônico, onde interpreta Susana Trejos, uma doutora apaixonada por dois homens de mesmo nome: Andrés del Valle.

Em 1994, aparece em um capítulo de Agujetas color de rosa e, logo mais, em Prisioneira do amor, em uma atuação especial, sendo o terceiro motivo de discórdia entre Saúl Lisazo e Maribel Guardia. Acredita-se que Leticia tenha aceitado atuar nesta história porque se tratava de um remake de Amalia Batista, sua primeira telenovela com um papel importante.

Em 1995, Leticia atua em um capítulo da telenovela Laços de amor, poucos sabem, mas ela esteve no capítulo em que Maria Guadalupe vai à Televisa.

Em 1996, atua em La antorcha encendida, uma telenovela histórica, produzida por Ernesto Alonso, na qual se narrava a Independência do México. Leticia protagoniza a história fictícia, na qual sua personagem, Teresa de Muñiz, luta pelo amor do insurgente Mariano de Foncerrada.

Em 1997, Leticia Calderón protagoniza Esmeralda, seu maior êxito, na qual dá vida a personagem de mesmo nome. A história da garota camponesa doce e cega que se apaixonava por José Armando, dá a volta ao mundo, alcançando altos índices de audiência em países da América Latina, Ásia, África, mas, sobretudo, na Europa, onde, em sua visita, reune a mesma quantidade de pessoas que acolheram o Papa em sua peregrinação.

Em 1998, participa em O diário de Daniela em uma atuação especial, como a mãe de Daniela Luján, a protagonista. Sua personagem é assassinada nos primeiros capítulos, mas esta aparece ao longo da telenovela em flashbacks.

Em 1999, atua em Laberintos de pasión; com a personagem de Julieta Valderrama, uma doutora que se debate entre dois amores, Leticia ganha o prêmio TVyNovelas e El Heraldo de México como Melhor Atriz. Ainda em 1999, aparece em Cuento de Navidad, outra atuação super especial de cerca de 30 segundos.

Após essas produções, Leticia se afasta dos estúdios de gravação para se dedicar a seus dois filhos, frutos de sua relação com o advogado Juan Collado, principalmente a Luciano, portador da síndrome de Down.

Em 2003, reaparece nos últimos vinte capítulos da telenovela Amor real, interpretando Hanna de la Corcuera, uma personagem feminista muito avançada para meados do século 19. E, novamente, se distancia da teledramaturgia.

Em 2006, regressa às telinhas no remake de Valéria e Maximiliano, intitulado Feridas de amor, protagonizado por Jacqueline Bracamontes e pelo brasileiro Guy Ecker. Ai Leticia faz uma atuação especial interpretando a personagem de Nuria Bages em sua juventude. Na versão original não existia essa personagem. Nesse mesmo ano se dedica à apresentação do programa matutino Hoy, junto a Jorge Poza, Andrea Legarreta, Martha Carrillo e Vielka Valenzuela, mas, em setembro de 2007, renuncia por motivos pessoais.

Ainda em 2007, se separa de Juan Collado, após mais de oito anos de relação amorosa, visto que este havia iniciado um romance com a também atriz Yadhira Carrillo, ainda vivendo com Leticia.

Em 2008, participa da série Mulheres assassinas, no episódio Sônia, desalmada, ao lado de Juan Soler e Grettel Valdez. O episódio, que abre o seriado, se torna o programa de maior audiência na história da televisão a cabo, registrando 17 pontos de audiência. Atualmente a produção mexicana é exibida no Brasil pela Rede CNT, todas as quintas-feiras, às 22h45.

Ainda em agosto de 2008, inicia as gravações do remake de Cadenas de amargura, intitulado En nombre del amor, telenovela na qual dá vida à vilã da história, papel este que lhe rende o prêmio TVyNovelas como a Melhor Atriz Antagonista do ano.

Em agosto de 2009, volta ao teatro, onde já atuou em obras como Los árboles mueren de pie, com Ofelia Guilmáin e Juan Ferrara; e La familia real, com Jacqueline Andere e Enrique Álvarez Félix, desta vez na peça Doce mujeres en pugna, ao lado de Raquel Olmedo, Laura Zapata e Azela Robinson.

Ainda este ano, em novembro, estreia com o livro Luciano, un ángel en mi vida. Em 180 páginas, a história dos primeiros cinco anos de vida de Luciano é narrada por ele mesmo e pela atriz. Graças a Luciano, Leticia Calderón se tornou quase que uma especialista em terapias e tratamentos médicos, contribuindo para que as crianças que, como ele, vivem com Síndrome de Down, tenham uma vida de maior dependência. Com isso, a atriz aprendeu mais uma profissão: ser escritora.

Disciplina, linguagem, impacto sobre a família, frustrações, brincadeiras, estimulação, banhos, alimentos, problemas de saúde, educação, vida social, preocupações, entre outros, são os temas abordados no livro. Repleto de fotografias, tanto pessoais, como de terapias e exercícios sugeridos, com endereços úteis para orientação profissional, o testemunho de Leticia Calderón ajuda os pais a construírem um futuro brilhante e saudável para seus filhos.

Em 2010, Leticia rejeita o convite de Salvador Mejía para participar de Por derecho de sangre, pois deseja passar mais tempo com seus filhos Luciano e Carlo, assim como havia prometido.


SUAS ATUAÇÕES

TELENOVELAS

2008 - En nombre del amor (Carlota)
2006 - Feridas de amor (Fernanda)
2003 - Amor real (Hanna)
1999 - Cuento de Navidad (La fantasma de Navidad)
1999 - Laberintos de pasión (Julieta)
1998 - El diario de Daniela (Leonor)
1997 - Esmeralda (Esmeralda)
1996 - La antorcha encendida (Teresa)
1995 - Laços de amor
1994 - Prisioneira do amor (Consuelo)
1994 - Agujetas color de rosa
1993 - Entre la vida y la muerte (Susana)
1991 - Valéria e Maximiliano (Valéria)
1990 - Eu compro essa mulher (Ana Cristina)
1989 - La casa al final de la calle (Teresa)
1987 - La indomable (Maria Fernanda)
1987 - Tal como somos (Meche)
1986 - El camino secreto (Alma)
1986 - Monte calvario (Tere)
1985 - El ángel caído (Clara)
1984 - Principessa (Vicky)
1983 - Bianca Vidal
1983 - Amalia Batista (Leticia)
1982 - Chispita

FILMES

1998 - Angelito mío
1992 - Noches de ronda (Rosita)

SÉRIES

2008 - Mulheres assassinas: Sônia, desalmada (Sônia)
2008 - Plaza Sésamo: Los monstruos feos más bellos (Lety)
2007 - Plaza Sésamo: Me da pena (Lety)
1994 - Mujer, casos de la vida real: Holocausto
1994 - Mujer, casos de la vida real: Te olvidaré
1990 - La hora marcada; El taxi (Lucía)


SEUS PRÊMIOS

PRÊMIOS TVYNOVELAS

2010 - Melhor atriz antagônica (En nombre del amor)
2000 - Melhor atriz protagônica (Laberintos de pasión)
1984 - Melhor atriz jovem (Amalia Batista)

PRÊMIO ACE

2010 - Melhor atriz (En nombre del amor)
Blog Widget by LinkWithin

6 comentários:

Andy disse...

Leticia Calderón, assim como algumas atrizes, não precisa ser sempre a protagonista para fazer sucesso. Independente da personagem, ela manda bem. Ela é maravilhosa. Das novelas dela, exibidas por aqui, só não vi "Valeria e Maximiliano". Já as outras, eu vi. Lety é um máximo. Quero muito ver "En Nombre del Amor" por aqui!

Anônimo disse...

sou fà desa atriz adorei saber mais sobre ela.

faby-1986 disse...

hilda sou sua fa amei a novela esmeralda.

Anônimo disse...

ALeks,quando sairá o artigo sobre a atriz Sonya Smith?

Telenoveleiros! disse...

Então, não há previsão. Mas espero que não demore muito.

Anônimo disse...

Muito bom o que disseste andy.Realmente os atores e atrizes não precisam ser SEMPRE os protagonistas em suas novelas.Quem dera se Christian Meier,Edith González,Fernando Colunga,Victoria Ruffo,Alejandra Lazcano e Sonya Smith soubessem do que você está falando,não é verdade.