quinta-feira, 13 de maio de 2010

Biografia de Lucía Méndez


INTRODUÇÃO

Lucía Leticia Méndez Pérez nasceu em León, estado de Guanajuato, no México, em 26 de janeiro de 1955. Filha do engenheiro Antonio Méndez Velasco e da contadora Martha Ofelia Pérez, Luciá é irmã de Carlos Antonio, Martha Minerva e Jorge Abraham. É atriz, cantora e empresária.


SUA HISTÓRIA

Lucía Méndez começou sua carreira artística como modelo e, em 1971, realiza sua primeira atuação em Muchachita italiana viene a casarse. Já no ano seguinte recebeu o título El rostro de El Heraldo de México, dado à mulheres bonitas e bem sucedidas do México. A partir de então, devido à sua persistência, talento e esforço, recebeu diversas propostas para atuar em telenovelas.

No ano seguinte, em 1972, adentra também o mundo do cinema atuando no filme Vuelven los campeones justicieros e, em 1973, divide seu tempo atuando em duas telenovelas La maestra Méndez e Cartas sin destino além do filme El hijo del pueblo.

Em 1974 participa de dois filmes El desconocido e Cabalgando a la luna, além da telenovela La tierra. No ano seguinte consegue o papel de sua primeira personagem importante na telenovela Paloma, junto a Andrés García e Ofelia Medina. Ainda neste ano recebe o prêmio Calendario Azteca, como revelação na televisão e atua no filme Más negro que la noche.

Ainda em 1975, Lucía Méndez se torna conhecida como cantora com as canções rancheiras lançadas em seu primeiro álbum Siempre estoy pensando en ti, que chegou a vender um milhão de copias.

No ano de 1976, devido ao prêmio Calendario Azteca, recebido no ano anterior, Lucía ganha seu primeiro papel protagônico na telenovela Mundos opuestos, além de duas atuações nos filmes deste ano: El Ministro y yo e Juan Armenta, el repatriado, e a gravação de seu segundo disco, Frente a frente.

No ano de 1977, se dedica ao canto, lançando dois discos: La sonrisa del año e Presentimiento. Seu primeiro grande êxito a nível internacional foi telenovela Viviana, em 1978, ao lado de Héctor Bonilla, que foi exibida posteriormente pelo SBT, em 1985. Esta telenovela lhe rendeu a gravação de outro disco com o mesmo título da trama. Ainda em 1978, grava outro filme, intitulado The children of Sánchez e, em 1979 lança o álbum Sé feliz/Amor de madrugada.

Já em 1980 surge a inesquecível Colorina, cujo tema musical foi composto pelo cantor e compositor espanhol Camilo Sesto que, desde então, foi produtor de grandes êxitos com músicas de sua autoria cantadas por Lucía; essa foi uma telenovela de grande polêmica para a sociedade da época, onde Lucía Méndez demostrou seus dons teatrais. Esta telenovela é considerada pela revista People en Español uma das dez melhores telenovelas da historia. Ainda em 1980 lança seu álbum Regálame esta noche e o filme La ilegal, onde atuou ao lado de junto a Fernando Allende e Pedro Armendáriz.

Dois anos mais tarde, em 1982, Lucía atuou em Vanessa, ao lado de Rogelio Guerra, onde o final da trama foi inesperado e muito discutido no meio: a protagonista morreu. Além disso gravou o álbum Cerca de ti e atuou no filme Los renglones torcidos de Dios, que também contou com a atuação de Gonzalo Vega, Mónica Prado e Alejandro Camacho e recebeu o reconhecimento como Maior bilheteria do cinema mexicano.

Nos anos de 1983 e 1984 se distancia da teledramaturgia para lançar seus álbuns Enamorada e Solo una mujer, respectivamente. Este último lhe rendeu uma nomeação ao Grammy americano na categoria Best latin performance.

Ainda em 1983, por sua participação no famoso Festival Internacional da Canção de Viña del Mar, foi declarada Rainha, sendo a primeira artista mexicana a obter esse reconhecimento. É um título que a imprensa creditava ao concurso dado as mulheres com maior destaque, em um processo eleitoral organizado pelo jornal La cuarta, de Santiago.

Devido ao seu sucesso, em 1984, o Museu de Cera de Hollywood, deu-lhe o privilégio de ser a primeira artista latina a ter a sua estátua. A comunidade hispana de Miami outorgou sua Estrela na Calçada da Fama, na rua 8 e sua cidade natal, León, em Guanajuato, lhe concedeu o reconhecimento Arlequín de bronce.

Em 1985, grava o álbum Te quiero e atua no filme El maleficio 2. Além disso grava a telenovela Tú o nadie, ao lado de Andrés García e Salvador Pineda - exibida pelo SBT um ano depois, com o título Só você - que faz com que Lucía Méndez se consolide como uma das melhores atrizes da época, recebendo, inclusive, o prêmio de melhor atriz concedido pela Associação de Críticos de Entretenimento de Nova York (ACE). Graças à esta telenovela Lucía alcança reconhecimento mundial, sendo vista em vários países, como Rússia, Líbano, França, Itália, Japão, entre outros.

Em 1986, grava seu disco Castígame e recebe o prêmio ACE Award na categoria geral de Programas de Televisão, pelo Especial Lucía Méndez, do Canal 41.

Em 1988, Lucía atua na telenovela El extraño retorno de Diana Salazar, uma telenovela como algo de outro mundo, segundo declarações da atriz que recebeu outro ACE Award como melhor atriz de 1989. Ainda em 1988, grava seu disco Mis íntimas razones e contrai matrimônio com o produtor Pedro Torres, de quem viria a se divorciar em 1996. Desse matrimônio nasce seu filho Pedro Antonio Torres Méndez. No ano seguinte, em 1989, Lucía lança o disco Lucía es Luna morena.

Já no ano de 1990, Lucía grava a telenovela Amor de nadie ao lado de Fernando Allende. Esta foi a primeira telenovela a tratar sobre o tema da AIDS, e que apresentou a estreia de Saúl Lisazo e de Bertín Osborne no México. No ano seguinte, Lucía grava se álbum Bésame.

Em 1992, com a permissão da Televisa, ela se muda para Miami para atuar em telenovelas da rede de televisão hispana Telemundo, onde grava a telenovela Marielena e alcança sucesso nos Estados Unidos. Marielena foi transmitida no México no ano de 1994 pela TV Azteca, e por isso a Televisa decide vetar Lucía Méndez por vários anos. Este trabalho proporcionou outros prêmios ACE em 1993, como o Figura feminina do ano e Melhor performance feminina. E, neste mesmo ano grava seu disco Se prohíbe.

Em 1994, pela Telemundo, protagoniza no México e em Porto Rico a telenovela Señora Tentación que lhe rendeu um disco homônimo.

Já em 1996, para a grande surpresa de todos, Lucía Méndez regressa ao México firmando um contrato de cinco anos com a TV Azteca, onde gravaria dois anos depois Tres veces Sofía, ao lado de Omar Fierro. Sua atuação lhe valeu receber novamente o prêmio ACE como Figura internacional feminina do ano. Pala mesma TV Azteca realiza no ano 2000, a telenovela Golpe bajo, junto a Rogelio Guerra, Salvador Pineda, Margarita Isabel e Javier Gómez.

Ainda em 1996, Lucía volta ao cinema para gravar o filme Confetti e, em 1998, reaparece no mundo musical com o álbum Todo o nada, que a colocou nas primeiras posições das rádios. E, no ano seguinte lança Dulce romance, um disco de boleros.

Em 2001 participou junto a várias figuras hispanas em um tributo musical composto por Gian Marco e gravado em Miami em 27 de setembro, que serviu de apoio as vítimas do atentado de 11 de setembro do mesmo ano.

Em 2003, Lucía ganha a nacionalidade estadunidense e tem sua residência em Miami, onde vive com sua família. Já no ano de 2004, reaparece com o disco mais versátil de sua carreira: Vive. Neste mesmo ano contrai seu segundo matrimônio, desta vez com Arturo Jordán, de nacionalidade cubano-americana, tal casamento duraria até 2007.

No ano de 2006, lança sob a marca de cosméticos Fuller, seu perfume Vivir by Lucía Méndez, que, dentro de semanas vende 600.000 frascos. Que além do México, foi lançado em nível mundial, alcançando reconhecimento do New York Times. O mesmo foi premiado em Nova York em agosto de 2009 como a melhor e mais importante essência a nível mundial, isso de acordo ao jornal El financero, do México.

No ano de 2007, Lucía empresta sua voz e experiência para dar vida a todos os personagens no áudio-livro Malinche, da escritora mexicana Laura Esquivel, pelo qual, foi reconhecida pelo júri de intelectuais de Nova York com o prêmio The latino book awards; igualmente pela APA (Audio Publisher Association).

Ainda em 2007, regressa à Televisa com uma personagem na telenovela Amor sin maquillaje, celebrando os 50 anos da telenovela no México, e trabalha na Argentina na versão hispana de Desperate Housewives para a rede Univisión dos Estados Unidos, onde fez o papel de Alicia Arizmendi, a narradora da série.

Em 2008, Lucía Méndez fez parte do elenco da série Mulheres assassinas - produzida por Pedro Torres, baseada na série dramática argentina de mesmo nome - dando vida à uma prostituta no capítulo de Cândida, esperançada. Segundo sua própria declaração e de acordo com o jornal El universal, do México, este foi o papel mais forte que já interpretou em sua carreira e, embora a princípio hesitasse em fazê-lo, decidiu aceitar o desafio, porque se tratava de uma denúncia, uma reclamação para a sociedade, e era hora de fazer coisas mais comprometedoras.

Ainda em 2008, fez sua turnê pelos Estados Unidos, onde percorreu diversas cidades em apoio a comunidade gay, sendo chamada de Rainha das rainhas em sua campanha para evitar mais suicídios entre os adolescentes que não se sentiam aceitos pela sociedade ou compreendidos por seus pais.

Para 2009, Lucía lança uma edição em CD e DVD intitulado Otra vez enamorada, que inclui os temas que marcaram sua trajetória como cantora, tais como Corazón de piedra, Alma en pena, Margarita e Culpable o inocente, dos que realizou uma versão moderna junto a músicos destacados. Igualmente inclui o tema Un nuevo amanecer, escrita e produzida por seu primogênito Pedro Antonio Torres Méndez.

Ainda em 2009, a revista TVyNovelas lhe concede outro reconhecimento em seu 30º aniversário, como parte das trinta figuras que têm impactado a televisão mexicana fora do México. No mesmo ano, nos Estados Unidos, a Associação GLAAD (Gay & Lesbian Alliance Against Defamation) lhe concede reconhecimento especial por sua campanha de apoio a prevenção de suicídio de adolescentes gay.

Também em 2009, participou especialmente em cinco capítulos da telenovela Mi pecado, do produtor mexicano Juan Osorio. Adicionalmente seu tema Un nuevo amanecer serve de marco musical para a personagem que interpreta na história.

Em junho deste ano, durante a 48º edição de entrega dos prêmios Palma de Oro, recebeu por parte do Círculo Nacional de Jornalistas do México as Palmas de Oro em homenagem à sua trajetória artística e, no mês seguinte, recebeu a premiação Diosa de Plata, que lhe foi atribuída pelos jornalistas de cinema do México pela sua carreira no cinema extensivo e sua notável carreira no teatro e na televisão.

No final deste ano de 2009, recebeu em Tapachula, México, junto a mais onze mulheres, o reconhecimento La choca de oro, entregue pela SOGEM (Sociedad General de Escritores de México).

Recentemente tem à venda um novo produto chamado Oxivivir de Lucía Méndez, um tratamento com oxigênio líquido que pode ser ingerido pelas mulheres de meia idade para parecerem mais radiantes. Foi lançada também no final de 2009, uma máscara para alongar os cílios, chamada Rimel by LM.

Em janeiro de 2010, Lucía é declarada como a nova Rainha dos mariachis, em comemoração ao 21º aniversário do Dia mundial do mariachi e ainda este ano participa em dois episódios da telenovela Llena de amor produzida por Angelli Nesma Medina, um remake da telenovela venezuelana Mi gorda bella, de 2002.


SUAS ATUAÇÕES

TELENOVELAS

2010 - Llena de amor (Eva)
2009 - Mi pecado (Inés)
2007 - Amor sin maquillaje (Lupita)
2000 - Golpe bajo (Silvana)
1998 - Tres veces Sofía (Sofía)
1994 - Señora Tentación (Rosa)
1992 - Marielena (Marielena)
1990 - Amor de nadie (Sofía)
1988 - El extraño retorno de Diana Salazar (Diana/Doña Leonor)
1985 - Só você (Raquel)
1982 - Vanessa (Vanessa)
1980 - Colorina (Colorina/Fernanda)
1978 - Viviana (Viviana)
1976 - Mundos opuestos (Cecilia)
1975 - Paloma (Rosa)
1974 - La tierra (Olivia)
1973 - La maestra Méndez
1973 - Cartas sin destino
1971 - Muchacha italiana viene a casarse

SERIADOS

2009 - Tiempo final - Terceira temporada (Deborah)
2008 - Mujeres asesinas (Cándida)
2008 - Amas de casa desesperadas (Alicia)

FILMES

1996 - Confetti (Coco)
1985 - El maleficio 2 (Marcela)
1982 - Los renglones torcidos de Dios (Alice)
1980 - La ilegal (Claudia)
1978 - The children of Sánchez (Marta)
1976 - Juan Armenta, el repatriado (Julia)
1976 - El ministro y yo (Barbara 1)
1975 - Más negro que la noche (Marta)
1974 - El desconocido
1974 - Cabalgando a la luna
1973 - El hijo del pueblo (Carmen)
1972 - Vuelven los campeones justicieros


SUA DISCOGRAFIA

2009 - Mis grandes éxitos: Otra vez enamorada… con un nuevo amanecer
2007 - Malinche (Audio-book)
2004 - Vive
1999 - Dulce romance
1998 - Todo o nada
1994 - Señora Tentación
1993 - Se prohíbe
1991 - Bésame
1989 - Lucía es Luna morena
1988 - Mis íntimas razones
1986 - Castígame
1985 - Te quiero
1984 - Solo una mujer
1983 - Enamorada
1982 - Cerca de ti
1980 - Regálame esta noche
1979 - Sé feliz / Amor de madrugada
1978 - Viviana
1977 - La sonrisa del año
1977 - Presentimiento
1976 - Frente a frente
1975 - Siempre estoy pensando en ti


ALGUNS RECONHECIMENTOS

2010 - Nomeada entre os 50 mais belos pela revista People en español
2010 - Rainha dos Mariachis
2009 - Diosa de Plata por sua carreira no cinema extensivo e sua notável carreira no teatro e na televisão
2009 - Las Palmas de Oro em homenagem à sua carreira artística
2009 - Título de Embaixadora de Acapulco
2009 - Menção honrosa concedida pela Gay & Lesbian Alliance Against Defamation por sua campanha de apoio na prevenção do suicídio
2009 - Reconhecida pela revista TvyNovelas como uma das 30 figuras que deixaram sua marca na televisão mexicana e internacional
2005 - Prêmio Casandra Internacional como reconnecimento de sua carreira
1999 - Prêmio ACE como Figura femenina internacional do ano por seu papel em Tres veces Sofía
1998 - Disco de ouro pela venda de 100.000 unidades de Todo o nada
1993 - Prêmio ACE na categoria de Variedades como Melhor atuação femenina
1993 - Prêmio ACE como Figura femenina do ano por seu papel em Marielena
1987 - Mister amigo pela comunidade de Brownsville - Texas/EUA como Artista do Ano
1986 - Prêmio ACE na categoria de Televisão Geral pelo programa Especial de Lucía Méndez
1985 - Best latin performance
1984 - Arlequim de Bronze
1984 - Estátua no Museu de cera de Hollywood
1983 - Reina de Viña del Mar
1982 - Las Palmas de Oro por altas vendas de discos
1982 - Vocero de popularidad por altas vendas de discos
1982 - Discometro por altas vendas de discos
1982 - Reconhecimento a Maior bilheteria do Cinema mexicano (Los renglones torcidos de Dios)
1974 - Diosa de Plata do cinema mexicano na categoria de Revelação femenina (El desconocido)
1972 - Calendario Azteca como revelação na televisão
1972 - El rostro del Heraldo de México
Blog Widget by LinkWithin

Um comentário:

Andy disse...

Lucía Méndez é um arraso de atriz. Ela voltou com tudo em ESPERANZA DEL CORAZÓN. Para mim, ela é a melhor atriz da trama. A protagonista é muito sem graça. É sempre assim, eles colocam uma atriz sem graça para ser a protagonista e põe uma consagrada para ser a co-protagonista ou vilã. Mesmo que a Lucrecia Dupris seja uma pessoa má e manipuladora, ela é melhor da trama. Lucía é a diva do México, sempre. Só vejo essa trama por causa dela, já que a temática da história não me chama muito a atenção. É isso Aí!