sábado, 10 de abril de 2010

Maria Isabel


NOME ORIGINAL
María Isabel

ESCRITORA
Yolanda Vargas Dulché

PRODUTORA
Carla Estrada

PAÍS DE ORIGEM
México

NÚMERO DE EPISÓDIOS
60

ANO DE GRAVAÇÃO
1997

ANO DE ESTREIA NO BRASIL
2000

EMISSORA
SBT

TEMA DE ABERTURA
Não exibido


ELENCO

Adela Noriega: Maria Isabel

Fernando Carrillo: Ricardo Mendiola

Jorge Vargas: Félix Pereira

Lorena Herrera: Lucrécia Fontaner

Patricia Reyes Spíndola: Manuela

Lilia Aragón: Rosaura

José Carlos Ruiz: Pedro

Emoé de la Parra: Débora Serrano

Mónica Miguel: Chona

Alejandro Aragón: Leonardo

Raul Araiza Jr.: Nícolas

Angelina Peláez: Micaela

Juan Felipe Preciado: Altamirano

Ilse: Graziela Pereira

Charly: Nícolas

Susana González: Elisa Alcántara

Ana Luisa Peluffo: Íris

Roberto Ballesteros: Armando

Jorge Salinas: Rubén

Paola Otero: Glória Mendiola

Valentino Mazza: Antônio

Marcel Buquet: Cristóvão

Ernesto Laguardia: Luis Torres

Rodrigo Vidal: Gilberto

Yadhira Carillo: Josefina

Sabine Moussier: Mireya Serrano

Sergio Basáñez: Gabriel

Rafael Rojas: Adalberto

Ximena Sariñana: Rosa Isela

Abraham Ramos: Ramón

Eduardo Benfato: Filiberto

Sara Menar: Margarida

Miguel Zaragosa: Jacinto

Carlos Osiris: Ratas

Angeles Batramera: Panchita 

Guillermo Aguilar: Dr. Rivas

Isabel Martínez: Chole

Javier Herranz: José Luis

Julio Monterde: Dr. Carmona

Angeles Balvanova: Panchita

Susana Lozano: Olívia

Rocío Gallardo: Felícia

José Antonio Estrada: Chino

Mariana Brito: Lívia 

Paola Flores: Lupe

Marcelo Portela: Torito

Juan Goldaracena: Dário

Alex Rei: Sixto

Wilson Cruces: Genaro

Omar Alexander: Anselmo

Jorge Esma: Remigio

Aurora Clavel: Amargura

Carlos Eduardo: Pedrinho

Paty Bolaños: Alundia

Adriana Vacarezza: Marisol

Naidelyn Navarrete: Graziela (Criança)

Fatima Torre: María Isabel (Criança)

Andrea Lagunes: Glória (Criança)


INTRODUÇÃO

Protagonizada por Adela Noriega e Fernando Carillo, esta foi a primeira novela da Televisa a falar do tema indianismo. Foi a primeira telenovela de Yadhira Carrillo, que posteriormente, protagonizaria A outra. No Brasil, a telenovela foi exibida na sessão Tarde de amor com 60 capítulos, na versão original foram 135 capítulos mas as novelas naquela época eram exibidas em 30 minutos.


RESUMO

Maria Isabel é uma jovem e humilde índia, que desde bem pequena vive em Nayarit com seu pai, Pedro, e sua madrasta, Chona, que sempre a odiou e a maltratou. Seu melhor amigo, até então, era o sapeca André. Mas o destino tratou de uni-la à Graziela, filha do homem mais poderoso da cidade, Félix Pereira. Uma forte amizade surgirá entre essas jovens, embora muitos obstáculos venham a tentar impedir.

Depois de oito anos, a partir do início da história, Maria Isabel se torna uma linda mulher, e também a noiva de André. Graziela, que passou quase toda a vida em um colégio interno na capital, retorna e reencontra a amiga, por quem sempre teve muito afeto e carinho. A jovem índia consegue um trabalho na mansão da família Pereira, onde terá muitos problemas com Manuela.

Após sua chegada da capital, Graziela conhece, numa igreja, o engenheiro Leonardo. Os dois se apaixonam e se envolvem, contra a vontade de Félix, e acabam tendo uma filha. Mas antes disso, muitas tragédias acontecem. Quando Félix descobre o caso de sua filha com Leonardo, fica furioso e chega até a bater nela. Mas isso não a impede de planejar um casamento às escondidas e uma fuga.

Na cidade, todos acham que quem está tendo um caso com o engenheiro encarregado de construir a nova estrada é a Maria Isabel. A família e os amigos da jovem índia ficam contra ela por estar traindo André, com quem acabara de se comprometer oficialmente. Pedro e Chona a expulsam da sua choupana e André a despreza.

Enquanto isso, Graziela descobre que está grávida e, junto com Maria Isabel, decide fugir imediatamente para Guadalajara, quando fica sabendo que seu grande amor e pai da filha que carrega no ventre morreu em um acidente. Ela dá à luz uma linda garotinha, que chamará de Rosa Isela. Dias após o parto, seu coração, infelizmente, não aguentará e ela acabará morrendo. Maria Isabel promete cuidar para sempre daquela criança órfã de sua amiga, e vai tentar a vida na capital, onde parece não ter muita sorte.

Na Cidade do México vive Elisa, uma mulher bonita e independente, casada com o famoso engenheiro Ricardo. Elisa sempre mostrou muita saúde, principalmente pelo fato de praticar vários esportes. Mas ela logo descobre que tem um tumor maligno no ovário. Ela é operada e sua vida é salva, entretanto não poderá mais ter filhos, que era tudo o que queria. Desde então ela fica aflita pensando que seu marido irá abandoná-la por isso. Mas Ricardo prova que a ama de verdade quando diz que tendo-a a seu lado e tendo a sua filha, a pequena Glória, nada lhe faltará.

Algum tempo depois de sua operação, Elisa reencontra uma velha amiga, Lucrécia. Lucrécia é uma mulher que já teve um passado muito sujo e que se envolveu com um perigoso homem, Armando. Este, assim que tem uma oportunidade rouba as mais valiosas jóias de Elisa e a mata, indiretamente.

Após a morte da esposa, Ricardo entra em depressão, e Lucrécia não perde tempo e começa a tentar conquistá-lo, e até certo tempo, mantém com ele um caso, somente baseado na mentira e no interesse.

Passam-se mais seis anos e Maria Isabel, depois de seus muitos empregos temporários, encontra-se com Ricardo, que lhe dá um trabalho como servente de sua casa. Dois anos depois, por acidente, Maria Isabel confessa a Ricardo que está apaixonada por ele, enquanto luta para ganhar o carinho de Glória, que a humilha, influenciando Rosa Isela, que passa a ter vergonha de sua mãe por ser uma índia e por julgá-la inferior.

Ricardo descobre o verdadeiro caráter de Lucrécia e rompe com ela. E sua filha, Glória foge com o namorado, Gilberto, que a engana e enche sua vida de miséria e tristeza. Por outro lado, Rosa Isela conhece Félix e descobre a verdade de sua origem. Deixando-se seduzir pela riqueza do avô, vai embora com ele, abandonando Maria Isabel sem reconhecer tudo que fez por ela e o amor que lhe deu.

Decepcionado com a vida, Ricardo finalmente descobre em Maria Isabel todos os valores e sentimentos que sempre buscou. Se apaixona por ela e a pede em casamento.

Maria Isabel e Ricardo se casam e quando parecia que a felicidade tinha chegado para ficar e coroar uma vida de sofrimentos e sacrifícios, a sorte parece se voltar novamente contra Maria Isabel, já que Ricardo se sente atraído por Mireya, uma famosa pianista que, por sua elegância e distinção, deixa Ricardo deslumbrado.

Ao perceber que seu amor está se afastando, nasce em Maria Isabel um forte desejo de superar esta fase, e chega a transformar-se numa mulher elegante e distinta, mas sobretudo sensível ao sofrimento de sua raça, e decide então trabalhar em prol dos indígenas.

Ela regressa a seu povoado com esse propósito. Lá encontra-se com Rosa Isela que, arrependida de seus atos, reconhece o sacrifício e o grande amor de sua mãe. Também encontra Glória, agora casada com um bom rapaz, Ramón, que a adora.

Ricardo, ao ver-se sozinho, se dá conta de que Maria Isabel é a única mulher a quem realmente amou, e decide buscá-la para mostrar que ela é e sempre será seu grande amor.

Finalmente, Maria Isabel alcança a felicidade a que tinha direito, graças ao seu esforço e à sua dignidade.


COMENTÁRIOS

O ano de 1997 foi de muito trabalho para Carla Estrada. Mal havia terminado de gravar Sigo te amando, já estava envolvida em um importante remake: Maria Isabel.

Desde o princípio, o papel da índia protagonista era para Adela Noriega. Desde 1989, Adela havia rompido com a Televisa, e sua volta era muito aguardada. Mas Adela exigiu uma quantia exorbitante para voltar, e Carla resolveu fazer uma seleção de elenco para decidir quem seria Maria Isabel. Sabine Moussier e Susana González, que participaram da novela, fizeram esse teste. Mas Carla resolveu insistir com Adela Noriega, que enfim acertou sua volta à Televisa.

Para viver o protagonista, Carla Estrada trouxe um ator de fora: o venezuelano Fernando Carrillo, que fez sua estreia na Televisa, e logo se converteu em um dos galãs mais cobiçados do México. Ela também apostou no talento de Ilse, que fez o papel de Graziela. Ilse pertencia ao grupo Flans, sua carreira como atriz foi um fracasso total, já que foi seu único papel. Sabine Moussier, que apresentava programas no México, fez sua estreia em novelas. Ou seja, o elenco foi uma novidade total.

Ainda mais quando descobriram que a vilã da história seria a voluptuosa Lorena Herrera. Em um programa mexicano, atrizes como María Rubio, Irma Lozano se reuniram para criticar a escolha. No horário nobre mexicano, María Isabel estreou e permaneceu até o fim em primeiro lugar de audiência, tendo o melhor desempenho de 1997. Várias comparações foram feitas com novelas de Thalía, que inclusive foi perguntada o que achava da novela, simplesmente respondeu que não assistia.

A novela foi muito simples, mas absolutamente cativante. Adela Noriega estava linda e perfeita na pele da índia humilde. Ela brilhou nessa história, que garantiu um prêmio de melhor atriz jovem de 1997. Um sucesso total, e um retorno triunfal.

Houveram outros destaques, como José Carlos Ruiz e Mónica Miguel, que viveram o pai e a madrasta da índia. Muito simpática como Chona, Mónica, que é habitual diretora das novelas da produtora, demonstrou seu potencial como atriz. Outro destaque foi a menina Ximena Sariñana, a rebelde filha adotiva de Maria Isabel, chamada Rosa Isela.

A novela passou por muitas fases, tudo isso por ser um remake de um livro que posteriormente virou filme. No início, Maria Isabel era uma jovem inocente, e terminou como uma dama da sociedade, já com seus 30 anos. Na fase final, foi incorporada o núcleo da pianista Mireya Serrano. Essa parte foi mudada do original, onde Mireya, Gabriel e Débora, interpretada por Emoé de la Parra (filha de Yolanda Vargas Dulché, a falecida escritora do livro original), eram irmãos. Na versão de 1997, Gabriel era um amante de Débora, que não era irmã de Mireya como todos pensavam, e sim sua mãe.

René Muñoz foi o adaptador original da novela, mas foi obrigado a se afastar da novela. Tudo porque mudou algumas coisas. A família de Yolanda Vargas Dulché se revoltou com o caso, e disse que se ele mandasse Maria Isabel para a cadeia (um dos planos originais de René), quem iria parar atrás das grades era ele. Solução: Liliana Abud e Carmen Daniels conduziram o que restava da novela.

Fernando Carrillo e Adela Noriega namoraram de verdade durante as gravações. Eles admitiram em alguns programas que estavam juntos. Porém, dizem que quando Carrillo quis um compromisso mais sério, Adela se afastou e passou a trata-lo como qualquer colega de trabalho. Ele ficou desiludido, e até hoje ainda fala nisso. Vale comentar que o casal central, dentro da história, transmitiu química total e foi um dos favoritos do público.

Ao mesmo tempo da exibição de Maria Isabel, a TV Azteca transmitia Olhar de mulher, outro sucesso. A TV Azteca não acreditava estar em segundo lugar, e exigiu do Ibope uma pesquisa detalhada, que constatou a liderança para Maria Isabel. A TV Azteca preferiu não voltar a duvidar dos números, e Carla Estrada também não comentou o assunto.

A produção da novela foi muito elogiada, em especial pelo vestuário perfeito, a recriação da aldeia e dos costumes indígenas, da tribo huichol. Depois, ainda a equipe percorreu vários pontos turísticos da Europa, para gravar as cenas da lua de mel de Maria Isabel e Ricardo.

No Brasil, Maria Isabel foi sem dúvida, o maior sucesso da Tarde de amor, chegando a liderança inúmeras vezes. Chegou a audiências que muitas vezes nem as novelas da noite conseguiam. No Brasil, a abertura da novela nunca foi exibida. Ainda assim, várias vezes na novela foi executado o belíssimo tema de entrada, Si tú supieras, interpretado por Alejandro Fernández, em um dos temas musicais de maior êxito no México.

A novela, mesmo com sua simplicidade e romantismo inocente, foi um grande sucesso.
Blog Widget by LinkWithin

Um comentário:

Lorena disse...

Eu amava essa novela justamente por sua simplicidade!! Aliás, é uma das mexicanas das quais me lembro com mais carinho!!