sábado, 10 de abril de 2010

Esmeralda


NOME ORIGINAL
Esmeralda

ESCRITORAS
Georgina Tinoco, Dolores Ortega e Liz Orlin (Baseadas na obra de Delia Fiallo)

PRODUTOR
Salvador Mejía Alejandre

PAÍS DE ORIGEM
México

NÚMERO DE EPISÓDIOS
137

ANO DE GRAVAÇÃO
1997

ANO DE ESTREIA NO BRASIL
2000

EMISSORA
SBT

TEMA DE ABERTURA 1
Esmeralda

INTÉRPRETE
Harmonia do samba

Esmeralda, em seus olhos, as noites e os dias vem e vão.
Esmeralda, flor do campo, enfeita os mistérios da paixão.

Esmeralda, Esmeralda, seu corpo é quente como o sol,
Esmeralda, Esmeralda, luz das estrelas mil faróis,
Esmeralda nos seus olhos, o amor é a ultima estação
Esmeralda, flor do campo, meu sonho pedindo uma canção.

Esmeralda, Esmeralda, seu corpo é quente como o sol,
Esmeralda, Esmeralda, luz das estrelas mil faróis,
Ela passou por aqui, ela mudando o mundo de cor,
Nua talvez mais uma vez em minhas mãos…

Esmeralda, Esmeralda, seu corpo é quente como o sol,
Esmeralda, Esmeralda, luz das estrelas mil faróis.

Esmeralda, Esmeralda, seu corpo é quente como o sol,
Esmeralda, Esmeralda, luz das estrelas mil faróis.

TEMA DE ABERTURA 2
Esmeralda

INTÉRPRETE
Chris Durán

Ela é um anjo,
o amor que eu tanto quero,
me fez viver um sonho lindo,
sentimento verdadeiro.

Ela é um anjo,
raio de luz que me guiava,
a mulher que eu esperava
jóia rara é Esmeralda.

Ela é um anjo
e num só beijo me deu todo seu amor.
Pus em suas mãos meu coração
que junto ao seu ela guardou, sim…

E nós fomos caminhando pelas ruas,
coração com coração…


ELENCO

Letícia Calderón: Esmeralda Peñarreal de Velasco

Fernando Colunga: José Armando Peñarreal de Velasco

Raquel Morell: Branca de Velasco de Peñarreal

Enrique Lizalde: Rodolfo Peñarreal

Laura Zapata: Fátima Liñares de Peñarreal

Ana Patricia Rojo: Georgina Pérez-Montalvo

Nora Salinas: Graziela Peñarreal Linares de Valverde

Salvador Piñeda: Dr. Lúcio Malaver

Ignacio López Tarso: Melesio

Gustavo Rojo: Dr. Bernardo Pérez-Montalvo

Irán Eory: Piedade

Noé Murayama: Firmino

Elsa Cárdenas: Hortênsia Lazcano

Raúl Padilla "Choforo": Trolebús

Dina de Marco: Crisanta

Elsa Navarrete: Aurora

Juan Carlos Serrán: Dionísio Lucero

Rafael Amador: Dionísio Lucero (Substituto) 

Esther Rinaldi: Flor de la Caridad Lucero “Florzinha”

Alejandro Ruiz: Adrian Lucero

Juan Pablo Gamboa: Dr. Álvaro Lazcano

María Luisa Alcalá: Dona Socorro

Rafael del Villar: Sebastião Robles-Gil

Sergio Jurado: Joaquim Estrada

Raquel Pankowsky: Joana

Raquel Olmedo: Dominga

Gabriela Aponte: Benita

José Antonio Coro: Díaz Mirón

Roberto D'Amico: Gustavo Valverde

Gabriela del Valle: Zoila

Odín Dupeyrón: Gabino

Paola Flores: Tomasa

Dacia González: Rita Valverde

Isadora González: Tânia

Jesús Lara: Tomás

Alma Rosa López: Maribel

Melba Luna: Epifania

Lorena Martínez: Lucila

Fabrizio Mersini: Luis

María Morena: Dóris Camacho

Genoveva Moreno: Zenaida

Ursula Murayama: Jacinta

Genoveva Pérez: Eufraria

Jaime Puga: Lino

Carlos Ramírez: Dr. Ramos

Juan Ríos: Cláudio

José Luis Rojas: Eleno

Mauricio Rubi: Facundo

Roberto Ruy: Ofélio

Dolores Salomón: Tula

Gabriela Salomón: Petra

Cuco Sánchez: Cuco

Alberto Santini: Nacho

Irma Torres: Altagraça

Marco Uriel: Emiliano Valverde

Horacio Vera: Ciriaco

Fernando Santos: Marcos

Rosita Pelayo: Hilda


INTRODUÇÃO

Esta telenovela, escrita, originalmente, por Delia Fiallo, tem, como protagonistas, Letícia Calderón e Fernando Colunga. Se trata de um remake de Esmeralda, produzida na Venezuela em 1970 e protagonizada por Lupita Ferrer e José Bardina.

Outro remake, chamado Topázio, foi produzido posteriormente, também na Venezuela, em 1984. Esta versão foi transmitida pelo SBT em 1992.

No Brasil, Esmeralda teve um remake produzido pelo SBT em 2004, protagonizada por Bianca Castanho e Cláudio Lins.


RESUMO

Em uma noite de tempestade, nascem duas crianças, uma menina rica e o filho de um camponês. A menina nasce aparentemente morta, então a governanta Crisanta pede à mulher, que fez o complicado parto, para levá-la quando esta diz que há pouco havia nascido um menino pobre e que ficou órfão, então as duas tem a ideia de trocar as crianças.
Crisanta dá à Dominga brincos de esmeraldas, que pertencem à Branca, como pagamento pelo o seu silêncio.

Dominga retorna para sua casa com o bebê nos braços. Pouco depois, a menina começa a chorar. Percebendo que ela cometido um erro terrível, Dominga resolve ficar com a menina como. Ela chama a menina de Esmeralda, por conta dos brincos.

Ela tenta voltar e dizer a verdade, mas é tarde demais, a família Penha Real já tinha deixado a fazenda.

Na fazenda, todos comemoram o nascimento do herdeiro. Sentindo-se culpada, Crisanta conta à Branca que trocou as crianças porque sua filha estava morta. Chocada, Branca mesmo assim cria o menino José Armando como um verdadeiro filho, sem contar a seu marido, Rodolfo, a verdadeira procedência do menino.

Passam-se vinte anos e a vida dessas crianças, agora adultas, vão se cruzar.

José Armando Peñarreal, é um jovem culto, e bem educado. Enquanto Esmeralda, que tinha nascido cega, ainda vive no campo com Dominga.
A família Penha Real vai passar uns dias na fazenda e José Armando conhece Esmeralda, uma pobre cega que vaga pelas cachoeiras de sua fazenda. Os jovens se apaixonam, mas José Armando está comprometido com sua prima Graziela e seu pai não aceita que ele ame uma pobre coitada que ainda por cima é cega.

A contragosto os apaixonados se casam mas o terrível Lúcio Malaver diz a José Armando que Esmeralda está grávida de um filho seu.
Enfurecido, José Armando abandona Esmeralda e vai para a cidade. Sem saber o que fazer, Esmeralda parte para a cidade e quer esquecer José Armando tendo seu filho sozinha.

Paralelo a isso, Graziela se apaixona por Adrian Lucero, um peão da fazenda, mas sua mãe, Fátima, não permite esse romance. Graziela acaba com uma forte depressão e morre nos braços de seu amado.
Após muitos desencontros Esmeralda e José Armando se entendem, e vivem felizes para sempre.


COMENTÁRIOS

Baseada fielmente em Topázio, Esmeralda foi um sucesso, e seguiu quase sem mudanças a obra original, na verdade Esmeralda (Topázio também era um remake). Mas o que funcionava tão bem antigamente, não poderia soar tão natural nos dias de hoje. Esmeralda foi uma boa novela, porém faltou uma atualização. Apesar disso, Delia Fiallo ficou muito satisfeita com o resultado.

Muitos foram os destaques do elenco. A começar por Letícia Calderón como a cega Esmeralda. Ela deu tudo de si e arrasou, Letícia soube dar o tom exato à protagonista, e ficou marcada para sempre como Esmeralda, a doce campesina da montanha. Claro que ninguém esquecerá também da obsessão dos produtores em colocar Esmeralda sempre vestida de verde.

Salvador Pineda esteve aterrorizante como Lúcio Malaver. Apesar da maquiagem malfeita, ele fez com que esse detalhe acabasse não interferindo em sua performance. Enrique Lizalde mais uma vez esteve excelente, desta vez como o autoritário Rodolfo, assim como Laura Zapata como a ambiciosa Fátima, que passou por cima dos sentimentos da filha em nome de sua ganância. Mas a surpresa veio mesmo quando escalaram Ignácio López Tarso para viver Melésio, o doente mental e grande amigo de Esmeralda. Todos achavam um papel indigno para um primeiro ator de sua categoria. Mas ele simplesmente arrasou e marcou muito como Melésio.

O grande destaque foi o casal Adrian e Graziela, interpretados por Alejandro Ruiz e Nora Salinas. Ele, o peão da fazenda que sempre foi considerado inferior por todos, ela, a moça falida à procura de um bom partido. Um casal tão apaixonado que acabou chamando mais atenção do que o casal central, José Armando e Esmeralda. Foram muitos os conflitos entre Adrian e Graziela, e o público se emocionava muito. O final, apesar de triste, mostra uma das cenas mais marcantes das novelas mexicanas: Graziela, doente, morre nos braços de Adrian, que chora sua partida. Cenas e atuações de arrepiar.

Esmeralda teve alguns defeitos, um deles foi esse citado, do casal central muitas vezes ficar apagado em meio a uma maravilhosa história secundária. Outro foi a passagem da história do campo para a cidade. Era inacreditável pensar que Esmeralda viraria uma brilhante enfermeira sem sequer ter estudado para isso, e que um médico como José Armando fosse se recusar a fazer um exame de DNA, se na época de Topázio ele não era tão comum, em Esmeralda não havia desculpa. O pior era ver José Armando se atormentando por algo tão simples de se resolver.

Em Esmeralda faltaram mais maldades. Fátima era muito cruel e venenosa, mas seus interesses em destruir Esmeralda acabaram quando ela resolveu arranjar o casamento de Graziela com Emiliano, um homem muito rico. Ou seja, não havia mais uma inimiga de peso para a protagonista, já que Fátima virou a algoz da filha. Entrou então Georgina, mas que também não chegava a ser uma vilã, simplesmente era uma menina mimada interessada em José Armando. E Lúcio Malaver com o tempo, foi perdendo o peso de vilão que tinha.

Em Esmeralda, houve uma troca de atores, Juan Carlos Serrán substituiu Rafael Amador, como Dionísio, o pai de Adrian. Outra perda foi o ator que interpretava Firmino, o coveiro, Noé Murayama, que faleceu durante as gravações da trama. Na história, o personagem também morreu. Nos últimos capítulos, Esmeralda fez uma homenagem ao amigo, que também serviu como homenagem ao ator. Foi também o último trabalho da atriz Dina de Marco, que viveu a prestativa Crisanta. Ela faleceu em 1998 de câncer.

Vale destacar porém, os brilhantes primeiros capítulos da novela. Envolventes, cheios de acontecimentos, prenderam o público, um começo impactante para uma novela que foi realmente um êxito. Lamenta-se a queda do meio em diante.

Esmeralda foi um sucesso, e foi o primeiro trabalho de Salvador Mejía Alejandre como produtor executivo. Dali em diante, emplacaria muitos êxitos como um dos produtores mais importantes e renomados da Televisa. Também nessa novela, começou sua parceria de sucesso com Fernando Colunga, que trabalharia ainda com ele em A usurpadora e Abraça-me muito forte. A novela foi vendida para muitos países, se configurando como uma das mais vendidas da Televisa. Em muitos países, ela foi uma verdadeira febre, e Letícia Calderón visitou vários desses lugares.

Esmeralda foi uma boa novela, mas poderia ter sido melhor se houvesse acontecido uma melhor adaptação da história para os dias de hoje.

No Brasil, a primeira música de abertura ficou por conta do grupo Harmonia do Samba, depois a música mudou para Esmeralda, uma versão em português do cantor Chris Durán. Essa troca se deu no Brasil porque na época a novela era reprisada no México e tinham colocado a música Esmeralda (em espanhol) de Chris Durán.
Blog Widget by LinkWithin

Nenhum comentário: