sexta-feira, 26 de março de 2010

Além do horizonte


NOME ORIGINAL
Milagros - Más allá del horizonte

ESCRITORES
Guillermo Glanc, Juan Marín e María Victoria Menís

PAÍS DE ORIGEM
Argentina

NÚMERO DE EPISÓDIOS
220

ANO DE GRAVAÇÃO
1993

ANO DE EXIBIÇÃO NO BRASIL
1994

EMISSORA
Rede Manchete

TEMA DE ABERTURA
Além do horizonte

Quando a gente encontra a força do amor,
todo o universo gira ao meu redor.

O sol fortalece o nosso coração,
e o vento leva toda solidão,
nasce uma alegria, cresce uma ilusão.

Então eu começo a pensar em Deus,
meus lábios encontram a palavra amor.
Hoje descobri o mundo, muito além do horizonte,
uma luz, uma esperança, um tempo de amar.

Quando a gente encontra a força do amor,
esse universo é meu interior…


ELENCO

Grecia Colmenares: Milagres / Maria Pedraza (Jovem)

Osvaldo Laport: Catriel / Enrique Muñiz (Jovem)

Martha González: Maria Pedraza (Segunda parte)

Antonio Grimau: Enrique Muñiz (Segunda parte)

Gerardo Romano: Gonçalo Lynch (Jovem)

Victor Hugo Vieyra: Gonçalo (Segunda parte)

Viviana Saccone: Camila / Vitória (Jovem)

Patricia Palmer: Vitória (Segunda parte)

Luisa Kuliok: Assunção

Virginia Lago: Rosaura

Luis Longhi: Bráulio

Verónica Ruano: Lúcia / Margarida

Cecilia Maresca: Encarnação

Roberto Ibañez: Manuel Olazábal

Pablo Britcha: Paulo

Clayton Norcross: Augusto

Adriana Ferrer: Liliam

Esther Chávez: Dominga

Juan Martín del Valle: Mariano Giménez

Ethan Wayne: João Pedraza

Amanda Sandrelli: Amália de Pedraza


INTRODUÇÃO

Além do horizonte foi uma telenovela argentina, ambientada no século 19, protagonizada por Grecia Colmenares e Osvaldo Laport. Nessa trama, se entrecruzam os laços familiares e as relações amorosas (legais e clandestinas) em uma impressionante junção que combina paixão, romantismo, ódio, rancor e muitos desencontros.


RESUMO

Maria Pedraza, filha de João, é adotada pela família de Encarnação e Manuel Olazábal, logo depois da morte de sua mãe, Amália. Maria recebe o sobrenome da poderosa família e herda uma irmã, Vitória, e uma tia, Assunção.

Por ironia do destino, as duas meninas, criadas como irmãs se apaixonam pelo mesmo homem: Enrique Muñiz, mas Maria se casa, obrigada por seus pais, com Gonçalo Lynch.

Maria fica grávida de seu marido, mas Gonçalo pensa que o filho não é seu. Quando Maria dá à luz sua filha, Gonçalo a troca por outra moça, filha de sua amante Margarida. A filha de Maria é abandonada em um caminho. Uma família de artistas de circo a encontram, a adotam e a chamam de Milagres.

Do romance clandestino entre Vitória e Enrique, nasce Catriel. Manuel pela desonra que isto produz à família, manda Vitória pra fora de casa. Em uma aldeia perdida Vitória dá à luz seu filho. Dias depois, os índios sequestram a criança e Vitória pensa que este já esteja morto. Totalmente desesperada, Vitória torna-se uma prostituta.

Enrique se casa com Rosaura e adota Augusto. Assunção Olazábal se apaixona pelo cacique Shanqué, mas este logo morre.

O filho de Vitória, Catriel, com dez anos de idade, é adotado por Assunção, a irmã de Manuel, que lhe dá uma boa educação. Catriel se cresce orgulhoso por sua raiz indígena. Este passa muito tempo no campo com os índios e inclusive usa as tradicionais roupas aborígenes.

Passam-se mais dez anos, Manuel, preocupado com o destino de sua filha Vitória, havia se suicidado. Na mansão Olazábal, vivem Maria, Gonçalo, sua filha Lúcia, e Vitória, com sua filha Camila.

Entretanto, Milagres, a verdadeira filha de Maria, trabalha em um circo e se divide entre o amor de Augusto, filho de Rosaura, Enrique e entre Catriel, com quem finalmente se casa e tem uma filha, a quem batiza de Assunção, em homenagem à mulher que havia resgatado seu esposo.

Augusto, que volta a aparecer na vida de Milagres, que havia recuperado sua identidade depois se reencontrar com Maria, conseguirá se apaixonar pela suposta viúva, que se compromete a casar com ele, o que não ocorreria.

Catriel, acreditando que Milagres também esteja morta, se casa com Liliam, uma índia que havia amado em sua adolescência e com ela também tem uma filha, a qual chamam de Aylén.

Camila, que descobre sua verdadeira identidade, foge e se casa em segredo com Mariano. Lúcia, aceita formalizar seu casamento com Paulo, depois da morte de su pai.


COMENTÁRIOS

Alejandro Romay apostou nessa telenovela e ganhou. Até o momento, por uma telenovela às 21h00 na Argentina era algo impensado, mas Romay arriscou e teve muito êxito.

Osvaldo Laport em sua personagem de Catriel, era o galã e o sex symbol da televisão argentina. Todos falavam de Catriel e seus músculos. Grecia fez sua personagem de boa moça e que sofre por seu amor, mas que al final triunfa.

O impacto às vezes começa pelo formal, pela roupagem que envolve e caracteriza cada personagem. Elementos secundários podem chegar a definir o êxito televisivo tanto quanto a força de uma trama ou a eleição dos intérpretes. Este é o caso de Más allá del horizonte, a mega-produção de Romay, que encabeça as medições de audiência à base de um apanhado de paixões de época e um vestuário cinematográfico, que custou mais de um milhão de dólares.

Ao estilo de “E o vento levou”, os vestidos, trajes e penteados da telenovela foram concebidos para o total brilho de seus protagonistas, mas também como obras de arte por si próprias, ao ponto de despertarem admiração e controvérsia entre o público.

Somente para Grecia Colmenares, o desenhador de vestuário Guillermo Blanco, concebeu 113 trajes, a maioria em cor-de-rosa e pasteis. Respeitando a delicadeza, e a boa condição econômica que possuía Maria, a personagem que encarna Colmenares na primeira parte da novela, utilizaram tecidos finos, sobretudo, seda. Após se converter em Milagres, a domadora de elefantes do circo, na segunda parte, Grecia assume o vestuário com um toque mais sensual e sugestivo, através de bordados com pedras.

Luisa Kuliok, que interpretou Assunção, demandou a confecção de 65 trajes. Mas, a procedência europeia de sua personagem fez com que a tarefa de modistas e desenhadores, se dificultasse.

Sem dúvida, o vestuário utilizado era invejável. A produção era muito boa, ainda que os críticos dissessem que a história era um pouco anacrônica e a vestimenta não correspondia com a da época.
Blog Widget by LinkWithin

2 comentários:

Anônimo disse...

Meu nome e katriel, minha mae colocou meu nome em homenagem ao personagem catriel. Agora sei porque, a historia.

Helen Lúcia disse...

Não lembro bem da novela, mas a música nunca saiu da minha memória! Aliás, alguém sabe onde posso encontrá-la?